25

fevereiro

2017

12

Comentários

Al Horford não está rendendo em Boston. De quem é a culpa?

No jogo de ontem, vimos o Boston Celtics morrer aos poucos, ao perder a confortável liderança de 17 pontos que chegara a construir no segundo quarto da partida. Também ontem, assistimos à ressurreição do Toronto Raptors, que mostrou resiliência e ânimo renovado com seus últimos reforços: Serge Ibaka e P.J. Tucker.

O confronto de ontem foi o último entre as equipes pela temporada regular de 2016/2017. A equipe canadense levou a melhor em 3 dos 4 duelos, e caso o Celtics queira reverter esse recente histórico desfavorável, precisa começar pela melhor utilização do big man Al Horford.

No jogo em discussão, Horford, que recebe contrato máximo (mais de US$ 30 milhões), efetuou apenas 5 arremessos em 30 minutos de atuação. Seus números finais foram de meros 8 pontos e 5 rebotes. Em um jogo no qual Isaiah Thomas foi muito bem marcado, chegando a receber marcações dobradas, Horford, se procurado, seria uma boa válvula de escape para o time seguir pontuando.

Entretanto, isso não ocorreu. O Celtics preferiu morrer abraçado com os arremessos de longa distância (foram 26 arremessos errados em 38 tentados, incluindo 4 acertos em 17 tentativas para Thomas e Smart somados). O Celtics está viciado nas bolas de três e faz com que Horford atue longe do garrafão, para também tentar essa espécie de arremesso. O ataque de Boston é baseado em movimentação de bola e tiros do perímetro, mas é amplamente sabido que o jogo forte do dominicano não reside nessa região, mas na área próxima à cesta. Atuando longe dela, o camisa 42 não consegue pontuar, tampouco brigar pelos rebotes.

Portanto, já passou da hora do Celtics descobrir novas formas de pontuar, especialmente quando o adversário neutralizar Isaiah Thomas, que terminou a noite de ontem com 6/17 FG e apenas 4 pontos no período derradeiro.

Voltando a falar de Horford, o mesmo só realizou um único arremesso no último quarto e não coletou nenhum rebote no quarto mais decisivo do jogo. Al Horford é um jogador que precisa ser alimentado para conseguir impactar no jogo e ele permanecerá inútil, até seus companheiros e Stevens o incluírem mais no plano de jogo celta. Quando o fizerem, a marcação adversária passará a se preocupar mais com ele, e os demais, inclusive Thomas, terão mais liberdade para atacar.

Com Avery Bradley ainda afastado das quadras, o Celtics, desesperadamente, procura um segundo cestinha e o dominicano, 4 vezes convocado para o All-Star Game, tem comprovada capacidade para exercer esse papel.

Justiça seja feita, Al Horford também tem culpa na história. Ele precisa ter personalidade e pedir a bola. Ele precisa ser mais ativo na briga pelos rebotes, conseguir cestas no garrafão adversário e ir mais vezes para a linha do lance-livre. Ontem, o pivô arremessou apenas 2 lance-livres; na temporada, foram apenas 90 em 46 partidas, o que dá uma média inferior a 2 por jogo.

O dominicano nunca foi conhecido por arremessar muitos FT’s, mas assusta perceber que ele cobrou apenas 3 a mais que Jaylen Brown, mesmo tendo atuado 650 minutos a mais que o calouro celta até o presente momento.

Já que o presidente de operações do Celtics, Danny Ainge, resolveu ficar inerte na Trade Deadline, cabe ao treinador Brad Stevens tentar extrair o máximo de seu elenco, sobretudo da aquisição mais cara da história da franquia, que foi justamente o camisa 42.

“Não há dúvidas, nós precisamos envolver mais o Al (Horford) em nosso jogo. Eu preciso fazer um melhor trabalho nisso”, declarou Thomas. “Contra o Pistons (próximo adversário celta), eu vou buscá-lo mais vezes e tentar fazer com que ele fique mais a vontade em quadra. Ele é fundamental não só na defesa, mas no ataque também”.

Quando perguntado se precisa mais do que 5 arremessos para impactar no jogo, Horford foi sincero:

“Eu penso que sim. Eu acho que, da forma que eles (Raptors) estavam atuando, seria difícil meus companheiros conseguirem me proporcionar boas situações para pontuar. No entanto, sim, eu preciso ser mais procurado. Não há dúvidas”.

Al Horford tem se mostrado um excelente companheiro de time, sacrificando seu jogo individual para ajudar o sistema coletivo do Celtics, mas, cada vez mais, está ficando claro que o time está saindo prejudicado com essa escolha. O dominicano precisa exercer um papel mais central no time e isso também passa por ele próprio, demandando mais jogadas para si. O jogo de ontem foi o sétimo na temporada que o camisa 42 não atingiu dígitos duplos em pontuação, como também foi o 40°(em 46 atuações) que coletou menos que 10 rebotes.

Como você acha que Al Horford precisa ser utilizado pelo Celtics? A maior culpa é de quem? Do próprio Horford (pela passividade), dos companheiros de time (por não envolvê-lo mais vezes no jogo), de Stevens (por utilizar um plano de jogo que não extrai o máximo do dominicano) ou de Danny Ainge (por não ter trago um reforço para o garrafão, que ajudasse Horford a atuar mais na área próxima à cesta)? Opine abaixo.