Em entrevista, Danny Ainge fala sobre difícil decisão de trocar Isaiah Thomas

Negociar Isaiah Thomas não foi exatamente um dos movimentos mais populares de Danny Ainge, gerente-geral e presidente de operações de basquete do Boston Celtics. Tratou-se de uma decisão tão dura para o mandatário, que ele preferiu não tocar no assunto nos dias que sucederam o anúncio da troca. No entanto, passada toda a novela que envolveu a efetivação da negociação, e mais de 10 dias de sua divulgação, Ainge resolveu finalmente falar abertamente sobre o assunto.

No último domingo, 3 de setembro, foi publicada no portal The Ringer, uma entrevista concedida ao jornalista Kevin O’Connor, onde Trader Danny detalhou todos os movimentos e reflexões que permearam a árdua decisão de incluir o armador All-NBA Isaiah Thomas no pacote enviado ao Cleveland Cavaliers, em troca que culminou na aquisição do também armador All-Star, Kyrie Irving.

“Eu deixarei para sua própria imaginação a tarefa de entender o quão difícil essa conversa (com Thomas, a respeito de sua saída) poderia ter sido, para mim e para Isaiah. Isaiah teve uma temporada maravilhosa este ano e animou a todos nós, toda a cidade de Boston e todos se apaixonaram por ele. Ele é tão menosprezado por causa do seu tamanho, mas ele compensa isso com seu coração e o espírito com o qual joga. Foi muito duro tomar essa decisão.”, disse Ainge.

A campanha de Thomas na temporada 2016/17 foi nada menos do que heróica. Seus 28,9 pontos por jogo de média foram quase uma nota de rodapé em uma temporada onde ele liderou o Celtics à primeira colocação do Leste e à disputa da Final de Conferência, jogando com dente quebrado, uma lesão significativa no quadril e até horas após a trágica morte de sua irmã, em meio aos playoffs. E mesmo após ajudar no recrutamento de jogadores como Al Horford e Gordon Hayward, ele foi trocado de forma rápida, em uma decisão que desagradou tanto fãs, quanto jogadores.

Claro que Ainge não se deixa levar pelo sentimentalismo: ele é o mesmo homem que trocou os astros, já veteranos, Paul Pierce e Kevin Garnett em 2013, os líderes de uma equipe em ascensão, Rajon Rondo e Jeff Green, em 2014, uma comemorada primeira escolha de Draft no último recrutamento, além de ter negociado o querido Avery Bradley, jogador que incorporou o Celtic Pride, há menos de dois meses.

Muitos aprovaram a decisão tomada por Danny Ainge, mas há também uma grande parcela que reprovou o movimento. Só que o mandatário já está acostumado em ver sua popularidade posta em xeque, e não cansa de provar-se triunfante no final das contas. Neste caso, teremos que esperar e ver se o futuro do Celtics, liderado agora por Kyrie Irving, vai recuperar a confiança de todos no trabalho que Ainge realiza à frente da franquia de Boston.

Caio Prazeres
Caio Prazeres

Paulista, paulistano, sãopaulino e viúva do Larry Bird, acompanha os Celtics desde o inesquecível ano de 1984. Guia de turismo, tradutor e produtor de eventos freelancer, tem como hobby coleção de camisas de futebol e do maior da NBA.

11 Comentários

  1. GENERIO JUNIOR disse:

    Esse assunto já está bem batido aqui no Site, eu acho que D.A. tomou a decisão correta, é triste perder o IT e mesmo ele indo para um rival vou torcer por ele, mas acho que K.I fez o certo, estou bem confiante neste novo Celtcs.

    1

    0
  2. Paulo Kulsar disse:

    É fundamental pensar no futuro. E Ainge fez o melhor para que Boston conquiste títulos, num futuro bem próximo. E esse time terá vida longa. É um time jovem e versátil.

    3

    0
  3. Neto disse:

    eu gostei da troca, só falta o Anthony Davis agr,rumo ao 18° anel

    2

    0
  4. Marco Ferreira disse:

    Se nos não pensarmos em um futuro de 2 anos, um DeMarcus com um contrato de 6 meses e depois tchau poderia vir?
    Tipo é só uma hipótese, claro que queremos o Davis, mas imaginando que no meio da temporada o Pelicans estão mal, mas não queira libera o Davis por um valor justo, DeMarcus seria uma barganha para jogar apenas o restante da temporada. Claro, esta ideia só vale se acharmos que realmente daria para ganhar o título com ele.

    O que vocês acham? O que poderiamos oferecer para a vinda dele? Qual seria o time com ele após a troca?

    0

    0
    • Ranieri disse:

      Marco é complicado pq seria necessário fazer o match dos salários, e nosso ativos foram nessa troca pelo KI, acho difícil imaginar uma troca seja por Cousins ou AD ou qualquer outra grande estrela sem incluir Al Horford por ex, ou os jovens Jaylen e Jayson

      0

      0
  5. Fernando C Silva disse:

    No papel o time é excelente. Sem lesões e com algum entrosamento nos veremos nas finais novamente.

    0

    0
  6. Danilo Gomes disse:

    Pessoal quais as escolhas de primeira rodada que o Boston ainda tem para os próximos 3 anos! Alguém poderia me informar? Desde já agradeço ☘️

    0

    0
  7. Danilo Gomes disse:

    Vlw Sander!l!! 👍

    0

    0
  8. Danilo Gonçalves disse:

    Isaiah acabou de postar uma carta muito emocionante no The Players Tribune. Contando todos os bastidores e reações da troca, e de forma muito tocante ele se referiu a cidade de Boston e a franquia.

    Acho que vale MUITO a pena ser traduzida e publicada aqui. Só uma sugestão

    4

    0

Deixe um comentário