15

dezembro

2010

5

Comentários

Glossário do Basquetebol – Parte 2

Confira na coluna “Aprende Sem Berro” de hoje a segunda parte do glossário do basquete.

Alley Oop – O mesmo que ponte Aérea.

Bench Scoring – Pontos marcados pelos jogadores do banco de reservas.

Cesta Average – É o resultado da divisão entre os pontos que uma determinada equipe fez ao longo do torneio pelo número de pontos que ela sofreu. Geralmente, é utilizado como critério de desempate.

Draft – Evento que ocorre entre o término da temporada e o início da pré-temporada da NBA, em que os 30 times selecionam jogadores que desejam fazer parte da liga. Para se tornar elegível para o Draft o atleta deve estar atuando em algum time profissional estrangeiro ou jogando basquete universitário.

Alguns atletas, porém, pularam diretamente da escola para equipes profissionais, caso de Kevin Garneth, Kobe Bryant e LeBron James. A partir de 2006, ficou estabelecido que um jogador só se torna elegível um ano após terminar o Ensino Médio e somente se completar 19 anos até o final do ano do Draft a ser realizado.

Free Throw – É o mesmo que Lance-Livre.

Guard – Armador, posição 1 em inglês.

Hack-a-Shaq – Estratégia de defesa instituída na NBA pelo ex-treinador do Dallas Mavericks, Don Nelson, para barrar o ataque do Chicago Bulls, mas que se consagrou por sua aplicação contra Shaquille O’Neal, então jogando no Orlando Magic.

A estratégia consistia em cometer falta intencionalmente no pivô (famoso por seu mau desempenho nos lances-livres) toda vez que o Los Angeles dominasse a bola por certo período de tempo.

O termo também passou a ser designado para outros jogadores, que não O’Neal. No entanto, recentemente surgiram novos nomes, como Bruise-a-Bruce, para Bruce Bowen, Bop-a-Bem, Bump-a-Bem ou Whack-a-Wallace, para Ben Wallace, e Chop-a-Diop para DeSagana Diop.

Interferência – Ocorre quando um jogador impede um arremesso de forma irregular, tocando numa bola na descendente, encostando na bola enquanto ela está no aro, dentro de um cilindro imaginário e com condições de entrar na cesta, ou fazendo com que a tabela vibre.

Jersey – É o mesmo que uniforme, em inglês.

Leading Changes – Termo usado para indicar quantas vezes um time conseguiu virar o jogo, momento em que a liderança do placar se alterna entre os adversários.

Mesa – local onde ficam os mesários, é na mesa de controle, que o placar, tempo e súmula são marcados.

Nothing But Net – Cesta de chuá, em que a bola não encosta no aro, apenas na rede.

Out of Bounds – Fora dos limites da quadra.

Paint – Área pintada, o mesmo que garrafão.

Quadruple-Double – Um feito raríssimo, quando um atleta consegue fazer duplos dígitos em quatro fundamentos. Até hoje, apenas quatro jogadores marcaram um Quadruplo-Duplo na história da NBA (David Robinson, Hakeem Olajuwon, Alvin Robertson e Nate Thurmond).

RPJ – Média de rebotes por jogo.

Salary Cap – Valor limite que pode ser pago por uma franquia da NBA na folha de pagamento se somados os salários de seus jogadores.
O valor varia de um ano para o outro, e é calculado de acordo com a porcentagem da renda obtida na temporada anterior.

Por exemplo, em 2005-06, o teto era de US$50 milhões, ao passo que em 2006-07 os times puderam gastar até US$53.135 milhões com seus atletas.

A regra impede que um time grande compre o passe de todos os melhores jogadores e impeça os times menores, com receita mais baixa, de melhorar sua equipe e permanecer competitivo.

Tip Off – É o tapinha inicial, o pulo bola.

Por: Marcello Berro