06

maio

2016

8

Comentários

Melhores e piores da temporada 2015-16

Como é de costume, alguns integrantes do Celtics Brasil fizeram uma votação interna para definir os melhores e os piores da temporada 2015-16.

Ao todo, foram 11 membros participantes, e abaixo vamos listar cada um dos “vencedores” e “perdedores” com as devidas explicações para suas escolhas:


MVP (Melhor jogador) – Isaiah Thomas

isaiah

MVP (Most valuable player), ou “jogador mais importante”, deveria ser um prêmio para homenagear o melhor jogador da equipe, mas estamos falando do Celtics de Brad Stevens e não tem como deixar o treinador de fora dessa eleição.

Assim foi no ano passado, quando o mesmo foi considerado pela maioria como o MVP da temporada, mas nesse ano Stevens vai ter que se contentar com o segundo lugar com seus 4 votos, pois em primeiro lugar quem ficou foi Isaiah Thomas, com 7 votos.

De sexto homem para titular da equipe, e de titular para All Star, Thomas vem fazendo apresentações brilhantes com a camisa do Celtics.

Cestinha celta na temporada, Isaiah provou de uma vez por todas ser um dos melhores scorers da liga, terminando o ano como o sexto maior “pontuador por minuto”, a frente de atletas ofensivos de elite, como Carmelo Anthony, Blake Griffin, Kyrie Irving, Dwyane Wade, Dirk Nowitzki, entre outros.


MIP (Jogador Que Mais Evoluiu) – Jae Crowder

Crowder

O MIP (Most Improved Player) desse ano foi uma unanimidade entre a equipe do Celtics Brasil e ele atende pelo nome de Jae Crowder.

De um jogador desconhecido vindo de uma troca que inicialmente não agradou a muitos, para titular sólido e um dos melhores defensores da liga, a caminhada de Crowder foi meteórica.

Crowder que tinha médias de 3,6 pontos por jogo em Dallas e 1,2 rebotes, se tornou titular absoluto em Boston nessa temporada e elevou seus números para 14,2 pontos e 5,1 rebotes, provando mais uma vez o olho clínico de Ainge em conseguir talentos onde pouco se espera.


ROY (Revelação do Ano) – Terry Rozier

Rozier

Em um ano em que a equipe brigou sério do início ao fim da temporada pelas melhores posições no leste, os 3 novatos do elenco celta pouco tiveram oportunidade de atuar em quadra.

Rozier e Hunter tiveram mais minutos que Mickey, e desses, o primeiro foi o que mais se destacou e foi eleito com unanimidade pela equipe como o Rookie do ano.

Totalmente desconhecido pela torcida até o momento de seu draft, Rozier pôde mostrar nos poucos minutos que esteve em quadra suas principais características: defensor feroz e velocidade incrível.

O garoto ainda se mostra muito cru para o nível da NBA, mas caso mantenha-se no elenco e continue sua evolução, pode transformar-se em uma boa peça para o futuro.

Destaque para sua impulsão e capacidade anormal para alguém de sua posição para garantir rebotes. Não foram poucos os momentos em que vimos o pequeno e esguio atleta vencer rebotes contra grandes e fortes “big man’s” adversários.


DPOY (Defensor do Ano) – Avery Bradley

Bradley

Em uma equipe que é conhecida por ter talvez a melhor defesa de perímetro da liga, fica complicado escolher um único nome, e isso ficou claro em nossa votação.

Com 2 votos, Crowder ficou com a segunda colocação, enquanto Smart, lembrado com 1 voto, ficou em terceiro.

O vencedor, no entanto, foi Bradley, que com 8 votos, se garantiu mais uma vez como o melhor defensor celta.

O atleta inclusive foi votado pela liga como sexto melhor defensor do ano, o melhor entre os “guards” e deve seguramente figurar no primeiro time de defesa da liga nesse ano, feito que ele quase alcançou em 2013, quando foi eleito para o segundo time de defesa.


Decepção da temporada – David Lee

david lee

Nem só os melhores estão sendo lembrados. Também fizemos uma votação para definir quem mais decepcionou a torcida celta na temporada, e David Lee conquistou essa desonra com muitos deméritos!

Com 7 votos no total, David Lee foi uma decepção desde o primeiro dia em Boston.

Fora de forma, desinteressado na defesa e displicente no ataque, o Ala de força que começou a temporada como titular, rapidamente foi relegado ao banco de reservas por Brad Stevens.

O castigo parece não ter surtido efeito no jogador, que com o tempo foi acumulando partidas das quais sequer foi relacionado para entrar em quadra.

O resultado disso foi óbvio. Vendo o perigo de tamanha má vontade e falta de compromisso se espalhar pelo elenco, Ainge tratou de negociar o atleta no meio da temporada.

Lee, dias depois, em uma coletiva em Dallas, assumiu que estava acima do peso e não tinha feito em Boston o que se esperava dele.

Outros atletas votados como decepção foram Amir Johnson e Jared Sullinger, ambos com 2 votos.


Melhor jogo da temporada – Warriors 106×109 Celtics

O destino quis que no dia 1ª de Abril o Celtics conseguisse uma vitória pra ninguém mais duvidar de seu potencial.

Após quase derrubar a invencibilidade do atual campeão no primeiro confronto em Boston, em jogo que foi marcado por duas prorrogações, o Celtics foi até a casa do adversário e conquistou sua vingança, terminando com uma série de 54 vitórias consecutivas da equipe Californiana na Oracle Arena.

Destaque da partida para Bradley, que sem contar com a companhia de Crowder, teve que se desdobrar na defesa e fez partida brilhante, levando o atual MVP, Stephen Curry, a cometer 9 desperdícios de bola, fundamentais para o placar final.

Sullinger, Thomas e Turner por outro lado, brilharam no ataque, e garantiram a vitória que elevava de vez o patamar da equipe celta, como uma equipe que muitos não gostariam de enfrentar nos playoffs.

A escolha dessa partida só não foi unânime, pois a brilhante vitória sobre o Cavaliers, com direito a Game Winner de Bradley, também recebeu um merecido voto.


Pior jogo da temporada: Celtics 101×111 Nets

Após uma vitória tranquila sobre o Nets em Boston, por 25 pontos de diferença, a equipe celta foi ao Brooklyn para enfrentar novamente o rival de divisão em busca de nova vitória.

O que se viu, no entanto, foi um jogo totalmente diferente do ocorrido dois dias antes. Focando seu jogo dentro do garrafão para se aproveitar da maior deficiência celta, o Nets logo mostrou a que veio e foi para o intervalo com 15 pontos de vantagem sobre o Celtics.

No segundo tempo, a equipe celta até tentou uma reação. Bradley e Thomas com 27 pontos cada, lideravam o Celtics em busca da vitória, mas todos os demais jogadores em quadra não se apresentavam em boa noite e assim a equipe de Boston sofreu sua primeira derrota mais do que inesperada na rodada.

A preocupação naquele momento era saber o quanto tal derrota mudaria a posição final do Nets na tabela, já que isso era de suma importância para o Celtics, detentor da escolha de draft do rival.

No fim das contas, a derrota em nada foi relevante para definir a posição da pick. Por outro lado, uma vitória nessa partida fatalmente teria dado ao Celtics a terceira colocação ao fim da temporada, dando a equipe o direito de ter mando de quadra contra o Hornets na primeira fase dos playoffs, um confronto provavelmente muito mais favorável do que o que foi apresentado contra o Hawks, sem mando.

Outros jogos para serem esquecidos que foram votados pela equipe Celtics Brasil foram a derrota para o Lakers por 104 x 112 no último jogo de 2015 (3 votos) e a derrota no sexto jogo da série contra o Hawks (2 votos).


Agradecimentos aos membros que participaram da votação:

Daniel Emiliano, Fábio Malet, Rômulo Portugal, Bruno Penna, Pedro Gabriel, Lucas Pereira, Tuhã Schmitt, José Eduardo, Théo Oliveira, Gustavo Arruda e Alefe Miranda.