14

dezembro

2015

75

Comentários

Prévia – Boston Celtics (14-10) x Cleveland Cavaliers (15-7)

Jogando em casa, o Boston tem a chance de confirmar se o time está jogando para valer (briga por algo mais que uma vaga nos playoffs) ou se está será apenas mais uma temporada em que torceremos para acabar logo. Depois de um jogo épico com duas prorrogações contra o melhor time do campeonato (o Golden State Warriors) perdido por pequenos detalhes, os Celtics encontraram forças para uma viagem a Charlotte onde venceram os Hornets em um jogo de pura garra e que também foi decidido nos instantes finais.

Para fechar essa série de três jogos contra times que certamente irão ao mata-mata do campeonato, o time de Boston enfrenta nesta terça-feira o Cleveland Cavaliers, o atual líder da Conferência Leste. Jogando fora de casa, o time de Ohio tem mais derrotas que vitórias (5-6), enquanto que o time de Boston mantém o retrospectivo positivo jogando no Garden (7-5).

O time de Anderson Varejão (ex-Franca Basquete) trouxe LeBron James (LBJ) como agente livre na última temporada. Para evitar os vexames anteriores, a franquia não teve dó de gastar dinheiro na luxury tax e contou com uma sorte incrível no draft (4 primeiras escolhas em 10 anos) para montar um time cheio de All-Stars. Jogadores como K. Irving, K. Love, Mo Williams e Mozgov agora integram o time de Ohio para tentar dar suporte a LBJ. No entanto, não importa quantas estrelas você coloque ao lado de um buraco-negro, elas serão engolidas pela presença do mesmo. É assim que o time do Cavaliers ainda funciona: LBJ + 4 “jogadores xyz” contra o outro time.

Cavaliers e o fator “minha franquia tem LeBron James”

Essa verdadeira “aberração da natureza” está já com 30 anos e, ao contrário de Carmelo, Durant e praticamente todos os outros alas da Liga na mesma idade, ainda não sofreu nenhuma lesão grave que fosse capaz de tirá-lo de mais de 15 jogos na seqüência de um campeonato. Sem dúvida, LBJ também é um desafio as estatísticas no quesito “saúde do atleta”.

No entanto, após disputar 6 finais da NBA, as características de jogo de LBJ mudaram muito. Os minutos em quadra, que eram praticamente 48, são atualmente 32 e a porcentagem de acerto de bolas dos 3 pontos está em um embaraçoso 28% (já foi de 41%). LBJ sempre tem o benefício da dúvida no momento da falta, mas tem apenas 71% da linha de lance livre. E ele ainda anda cometendo as protocolares 4 perdas de bola por partida.

Porque é assim tão importante destacar um único jogador do adversário? Bom, porque esse cara é o coração e a alma do Cavaliers na armação, no ataque e na defesa. Sim, ele é o líder dos Cavaliers em pontos, assistências e roubadas de bola. Mesmo que o time de Cleveland esteja agora recheado de All-Stars, ele é quem deve receber marcação dobrada o jogo todo de Crowder + Sully e Crowder + AB dependendo do momento do jogo. Marcação dobrada? Sim, a explicação está logo no tópico abaixo.

Você pode esperar LBJ, em diversos momentos do jogo, marcando com facilidade o pobre IT4 (que tem a “metade” de sua altura). Por outro lado, LBJ tem também uma influência negativa muito grande extra-quadra, especialmente com o técnico David Blatt, que dizem ser uma mera marionete. Nesse ponto, Brad Stevens deve simplesmente destruir o adversário na rotação e na montagem das jogadas, trazendo grande vantagem para o time de Boston.

 

Cavaliers e o fator “minha franquia é inexpressiva e não quero mudar”

Como algum fator de equilíbrio precisa existir no universo, para compensar as infinitas primeiras escolhas no draft, o GM do Cavaliers manteve J.R. Smith (ala-armador titular do time) e deu um contrato milionário para T. Thompson (pivô titular do time). Além desses, o Cavaliers tem outros jogadores com pouca inteligência em quadra, como o Dellavedova e Shumpert.

J.R. Smith é o famoso jogador que “a natureza marca“, pois a jogada é sempre a mesma (recebe o passe e arremessa de 3), sempre contribuindo com sua uma perda de bola sagrada de cada jogo, além de uma possível falta técnica. Thompson, apesar de pegar rebotes bem, faz a alegria dos torcedores adversários com seus 50% da linha do lance-livre e apenas 6 pontos por jogo.

Como uma franquia que quer ser campeã (nunca foi), deixa J. Jack, D. Waiters, S. Marion saírem e aposta em J.R. Smith, Dellavedova, Thompson e Shumpert para segurarem a moral do time? É difícil responder.

Perguntando aos números: os Celtics devem trocar uma infiltração do LBJ contra um arremesso de fora do J.R. Smith? Ou ainda, o time de Boston deve cometer uma falta em Thompson para evitar um rebote ofensivo? A resposta para ambas perguntas é um rotundo sim, de forma que a dobra na marcação é vantajosa! Brad faça a dobra no LBJ!

Porque o Celtics deve ganhar esse jogo?

  • Nosso banco é muito melhor.
  • Nosso técnico é melhor.
  • O jogo é no TD Garden.
  • A vitória pode nos levar a quarta posição e elevar o ânimo da galera de vez.
  • É importante terminarmos bem essa temporada para conseguir o preço certo pelos nossos ativos.
  • A torcida costuma apoiar muito contra o Cavaliers.
  • O KO prometeu que não vai mais quebrar o braço do K. Love.

 

FICHA TÉCNICA

Local: TD Garden

Horário (de Brasília): 22h30

Boston: Thomas, Bradley, Crowder, Sullinger, Jhonson. T. Brad Stevens

Cleveland: Williams, Smith, James, Love, Mozgov. T. David Blatt

Transmissão: SporTV2 . Você pode tentar consultar, sob sua responsabilidade, outros locais como LeaguePass, FirstRows ou RojaDirecta…