Quem é Semi Ojeleye?

Com as atenções totalmente voltadas para a troca mais bombástica desta intertemporada, fica até difícil tentar chamar a atenção para um jogador com o perfil de Jesusemilore Talodabijesu “Semi” Ojeleye. No entanto, embora o modo de jogar e montagem da equipe tenham acabado de sofrer uma enorme reviravolta, o calouro de SMU é parte importante do planejamento futuro do Boston Celtics.

Sendo draftado em um ano onde Lonzo Ball, Markelle Fultz e Jayson Tatum tomaram todos os holofotes da noite do recrutamento, Ojeleye, cotado para ser selecionado próximo a 20ª escolha, ainda estava disponível no começo da segunda rodada. Então, com a 37ª posição do Draft, Boston, com prazer, o escolheu.

E após a troca realizada com o Cavaliers, onde o Celtics desfez-se de dois jogadores importantes nas posições de ala, ala-pivô e pivô (Jae Crowder e Ante Zizic), o recrutamento de Ojeleye pode ter se tornado um acerto com impacto ainda maior do que o que fora considerado até então, por conta da qualidade e versatilidade do atleta.

Jayson Tatum, escolhido na terceira escolha geral do Draft, foi foco de muita atenção durante a participação do Celtics nas Ligas de Verão da NBA, como já era de se esperar desde que Boston trocou sua primeira escolha para após selecioná-lo. Assim como Tatum, Ojeleye foi um dos calouros mais impressionantes tanto na Liga de Utah quanto em Las Vegas. Desta forma, a segunda escolha do Celtics na noite do recrutamento está ficando cada vez mais confortável com o manto alvi-verde e mostrando seu verdadeiro potencial para o clube.

 

Jesusemilore Talodabijesu “Semi” Ojeleye

Posição: Ala-Pivô/Ala (PF/SF)
Idade: 22 anos (05/dez/1994)
Altura: 2,01 m (6’7″)
Envergadura: 2,07 m (6’9.75″)
Peso: 107 kg (235 lbs)
Origem: SMU (Junior)

 

Carreira

Ojeleye é um articulado e inteligente jovem de 22 anos, que não carece de confiança, possui mentalidade forte e uma abordagem extremamente profissional para o jogo. Tem suas origens vinculadas à Nigéria, país de onde seus pais, que trabalham na área da saúde (o pai é médico e a mãe é enfermeira), emigraram para o Kansas.

No estado americano, o garoto foi a estrela da equipe da Escola Secundária de Ottawa, chegando a ser nomeado o Jogador Nacional da Revista Parade, no ano de 2013. Já no momento de passar para o próximo nível educacional, Ojeleye escolheu o poder da conhecida e projetada Universidade de Duke. Depois de uma temporada e meia sendo pouco utilizado, jogando apenas 143 minutos e marcando 46 pontos no total, o ala encontrou nova casa em Dallas, na SMU.

O versátil ala, que teve que se afastar da temporada 2015/16 devido à transferência, ocupou o terceiro lugar em pontos na conferência AAC em 20216/17, ao marcar 18,2 por jogo e foi uma engrenagem chave na destacada temporada feita por SMU. Ojeleye se transformou em uma opção legítima nos mismatches de defesa na posição de ala-pivô e causou um impacto positivo no jogo dos Mustangs.

Em sua derradeira temporada no basquete universitário, ele arremessou para 42% nas bolas de três pontos, em 138 tentativas na temporada (média de quase cinco por jogo). Tal desempenho deve-se a sua forte ética de trabalho e foco em evoluir no quesito. Em comparação com a última temporada em SMU, Ojeleye tentava apenas um arremesso de 3 pontos por jogo em média no período que passou em Duke. Uma mudança e tanto.

 

Prós

Ojeleye é um ala-pivô de grande força física, versátil e com bom controle de bola. Ele é uma escolha extremamente técnica, principalmente devido a sua compleição física avantajada, já preparada para o nível NBA, e sua capacidade de trabalhar em prol da equipe. É um jogador capaz de sair do banco e contribuir no ataque usando sua habilidade de arremessar, tanto do perímetro quanto de média distância, além de gerar faltas de marcadores adversários devido ao seu jogo físico.

Por conta de seu bom controle de bola e ótima mobilidade para um jogador de seu tamanho, num matchup com jogadores de sua posição, Ojeleye tem grandes chances de driblar e conseguir criar seu próprio arremesso, além de poder partir para a bandeja ou enterrada (uma de suas principais características). E quando parte para o aro com força, dificilmente será parado sem falta. E mesmo que receba uma falta, ele será bastante produtivo por possuir um aproveitamento nos lances livres bem acima da média.

Semi também é uma aquisição com boas características defensivas, especialmente no rebote e na proteção dos tiros de 3 pontos. A característica reboteira tem reflexos também na esfera ofensiva, assim como sua inteligência na leitura do jogo e sua personalidade ao saber o seu papel no esquema de jogo do time.

 

Contras

Ojeleye é pequeno em relação aos jogadores de sua posição, numa NBA cada vez mais alta e forte. A questão do tamanho que é usada em seu favor no ataque, passa a ser o seu calcanhar de Aquiles na defesa. Ainda referente ao jogo defensivo, o ala ainda precisa aprimorar alguns fundamentos: o índice de roubadas de bola e bloqueios são abaixo do nível esperado para um profissional. Sua dificuldade em segurar investidas com força de atletas de alto nível será nítida, já que seus oponentes da AAC não podem ser considerados dos mais fortes. Assim, isso pode afetá-lo no início de sua adaptação ao jogo da NBA.

 

Resumo

Com 2 metros e pesando cerca de 108 quilos, Ojeleye é um pequeno monstro. Ele tem um ótimo tamanho e força para sua posição. Sua forma física de elite o torna um potencial gamechanger para o estilo de jogo dos Celtics. Além disso, Ojeleye é um excelente atirador de três pontos e um defensor muito melhor do que se acredita.

Seu porte físico tão destacado é o tipo de habilidade que faz Brad Stevens dizer que Ojeleye tem a chance de ser um dos melhores defensores da equipe. E se você parar para pensar sobre os jogadores de garrafão disponíveis para Stevens nas temporadas anteriores, a chegada de Ojeleye deve animar bastante o treinador do Celtics.

Agora que o Celtics está se posicionando para ganhar um campeonato, o padrão entre os jogadores disponíveis para jogar no garrafão é claro: com Al Horford, Marcus Morris, Aron Baynes, Guerschon Yabusele, Daniel Theis e Semi Ojeleye, o Celtics está procurando bigmen que possam criar desajustes nas duas extremidades da quadra.

Ao assistir ao próximo jogo, fique de olho em Ojeleye, na extremidade defensiva, lidando com jogadores que são maiores e menores do que ele, enquanto os detona no lado ofensivo com seus dotes físicos.

Médias em 2016-2017

Min Pts Reb Ast Stl Blk FG% 3P% FT% TOs
34,1 19,0 6,9 1,5 0,4 0,4 48,8 42,4 78,5 1,4

 

 

Melhores Momentos em 2016-2017

Caio Prazeres
Caio Prazeres

Paulista, paulistano, sãopaulino e viúva do Larry Bird, acompanha os Celtics desde o inesquecível ano de 1984. Guia de turismo, tradutor e produtor de eventos freelancer, tem como hobby coleção de camisas de futebol e do maior da NBA.

14 Comentários

  1. digor33 disse:

    Legal a matéria, mas queria ver uma sobre a troca confirmada…kkkk

    2

    2
  2. Felipe Couto disse:

    Teve alguma novidade na contratação do Thomas Robinson? Eu já tinha gostado da ideia, acho que ficaria mais interessante o Yabusele na 4 e o Ojeleye na 3 vindos da terceira unidade.

    0

    0
  3. José Guilherme disse:

    Parabéns pela matéria.
    Esse cara é o famoso “steal” de um draft. Mas queria entender uma coisa. Ele tem 2.01 cm é é considerado baixo para um ala-pivô. Qual seria a altura média esperada para essa posição falando em nível NBA?
    Ele teria talvez altura mais de um 3 que de um 4?

    1

    0
    • Matheus Garcia disse:

      João Guilherme, os jogadores das posições 4 e 5 raramente medem abaixo de 6’9”, o que equivale a 2,06m. O mais comum é medirem entre 6’10” e 7’0”, variando assim entre 2,09m e 2,15m. Entretanto, hoje isso está cada vez mais relativizável. Draymond Green, por exemplo, joga de ala-pivô tendo apenas 2,01m de altura, enquanto Kevin Durant é ala com 2,06m (altura divulgada oficialmente, mas aposto que ele mede bem mais que isso).

      3

      0
  4. Sander disse:

    Ele é muito bom jogador. Se o Morris bobear, pode perder o lugar no time titular no decorrer da temporada.
    Ele um tanque, já é um bom arremessador, pode evoluir e se tornar um dos melhores defensores.

    Yabusele tbm tem características parecidas, se os dois se desenvolverem vão dar trabalho.

    2

    0
    • Fernando Henrique disse:

      Mas se o Morris perder o lugar no time titular, provavelmente será pro Tatum, não? Será que o Ojeleye tem tanto potencial assim?
      De qualquer jeito, ele sempre pode conseguir um lugar de destaque na segunda unidade, não consigo botar muita fé no Yabusule ou no Nader (Eles podiam ter ido na troca pelo Irving no lugar do Zizic)

      0

      0
  5. Fernando M disse:

    Quais seriam hj nossos 17 jogadores?

    0

    0
  6. Renato disse:

    Atleta promissor. Vejo ele como jogador da posição 4, mas não duvido em ve-lo na posição 5, pq apesar da altura e muito forte e sabe usar seu corpo. O Arremesso de 3 dele parece bem confiável. Outra coisa que me chamou a atenção foi sua intensidade de treinamentos na off season, apenas inferior ao Brown.

    2

    0
  7. Barros disse:

    Site poderia fazer uma matéria sobre o Daniel Theis. =D

    1

    0
  8. JailtonSV disse:

    Ótima matéria, ainda mais pra mim que achava que ele era um SG 0_0.

    Eu sei que escolhas no meio do draft reservam algumas surpresas, porém não custa nada perguntar… Como ele foi sobrar na 37? Teve alguma contusão?

    1

    0

Deixe um comentário