76ers 103 x 114 Celtics

Historicamente, a maioria das formações do Boston Celtics sempre foram conhecidas por lutarem até o último segundo pela vitória e emplacarem reações improváveis quando tudo parece perdido, mas o que a equipe verde e branca está fazendo na temporada 2017/2018 é de impressionar até mesmo o torcedor mais fanático, daqueles que já viu de tudo na vida. Atuando pela primeira vez na história em Londres, o Celtics encarou o rival de divisão Philadelphia 76ers na tarde desta quinta-feira (11), na The O2 Arena, e emplacou mais uma virada nesta edição da liga: depois que o Sixers abriu 22 pontos de vantagem, o Alviverde mostrou uma defesa sufocante, melhorou o aproveitamento nos arremessos de longa distância e garantiu o triunfo por 114 a 103. Foi a oitava vitória celta na temporada após estar perdendo por 12 ou mais pontos de diferença.

Contando com quase todo o elenco à disposição, o Boston Celtics contou com boas atuações de seus titulares para derrotar o Philadelphia 76ers. O ala Jaylen Brown foi o cestinha da equipe de Massachusetts, com 21 pontos, enquanto o armador Kyrie Irving flertou com um triplo-duplo, anotando 20 pontos, distribuindo sete assistências e pegando seis rebotes. O ala calouro Jayson Tatum contribuiu com 16 pontos, enquanto o pivô Al Horford fez 13 pontos, pegou oito rebotes e deu sete assistências aos companheiros. Entre os reservas, destaque para o ala-pivô Marcus Morris, que fez 19 pontos e pegou oito rebotes em 24 minutos.

Pelo lado do jovem time do Philadelphia 76ers, quem se destacou foi o veterano JJ Redick: implacável nas bolas de três, o ala-armador foi o cestinha de sua equipe em Londres, com 22 pontos. Forte candidato ao prêmio de calouro do ano, Ben Simmons fez 16 pontos, enquanto o pivô Joel Embiid anotou um duplo-duplo, com 15 pontos e 10 rebotes. Na rotação, o armador T. J. McConnell contribuiu com 12 pontos em 26 minutos.

A vitória em Londres manteve o Boston Celtics em uma situação confortável na Conferência Leste. Sem perder há sete partidas, a equipe verde e branca de Massachusetts tem 34 triunfos em 44 partidas, 77,3% de aproveitamento e 3.5 jogos de distância para o vice-líder Toronto Raptors. Já o Philadelphia 76ers, que encerrou uma série invicta de quatro jogos, permanece na nona colocação da Conferência Leste, com 19 vitórias em 39 compromissos.

Depois da longa viagem até a Inglaterra, o Boston Celtics terá quatro dias de descanso e preparação até o seu próximo compromisso na temporada 2017/2018 da NBA. Na próxima terça-feira (16), às 22h30 (horário de Brasília), o Alviverde inicia, diante do New Orleans Pelicans, uma série de três partidas ao lado de seu torcedor, no TD Garden. Antes disso, na segunda-feira (15), o Philadelphia 76ers recebe o Toronto Raptors no Wells Fargo Center.

Destaques do 76ers

JJ Redick (22 pontos e sete rebotes)

Ben Simmons (16 pontos e três assistências)

Joel Embiid (15 pontos, 10 rebotes e cinco assistências / duplo-duplo)

Dario Saric (14 pontos e quatro rebotes)

Destaques do Celtics

Jaylen Brown (21 pontos e quatro rebotes)

Kyrie Irving (20 pontos, sete assistências e seis rebotes)

Marcus Morris (19 pontos e oito rebotes)

Jayson Tatum (16 pontos e quatro rebotes)

Gustavo Arruda
Gustavo Arruda
Gustavo, 25 anos, é maranhense de São Luís, estudante de Jornalismo e repórter esportivo do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011. Nas horas vagas, é goleiro, armador, consumidor de danone, tio do João Gabriel e dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

9 Comentários

  1. Marcelo Signori disse:

    São nossas várias essa temporada, não adianta

    0

    6
  2. Marcelo Signori disse:

    Vadias

    1

    5
  3. Teobaldo disse:

    Vários torcedores Celtas, inclusive eu, demonizamos o Ainge por não ter escolhido do Fultz. Gostaria de uma análise do blog sobre a atuação desse atleta ao longo da temporada. Para mim, das expectativas criadas, é disparadamente a maior decepção, mas reconheço a minha incompetência para as especificidades do esporte. Alguém se habilita a analisar o cara?

    2

    0
    • Shandyego Nunes disse:

      Teobaldo, não sou nenhum especialista, porém não tem como analisar a temporada do Fultz, a lesão no ombro dele desde o início fez com que tentasse mudar seu estilo de arremesso pra poder jogar nas primeiras partidas, porém foi infeliz na escolha e não deu certo, jogou apenas 4 partidas, e todas elas machucado. E desde então está afastado em tratamento. Seria injusto qualquer avaliação do mesmo, creio que só poderemos analisar, no fim da temporada, caso retorne em breve, senão, só na temporada que vem.

      11

      0
  4. GENERIO JUNIOR disse:

    Danny Ainge 😍 – Que homem! Kkkkkk

    2

    0
  5. Lucas Oliveira disse:

    A verdade é que independente de vingar ou não o Fultz não faria sentido neste time com o Kyrie (e também não muito com o IT)… O mérito do Ainge foi enxergar no Tatum algo que ninguém mais viu e lucrar ainda mais com a pick fazendo a escolha que mais fazia sentido para a equipe.

    6

    0
  6. JailtonSV disse:

    Fultz pode ter problemas para se adaptar ao estilo de jogo do 76ers, como Simmons virou PG, Simmons tende a ficar com a bola na mão por mais tempo, característica que até onde me recordo Fultz tinha na faculdade.

    No período do draft não tínhamos Irving, se alguém tiver interesse e reler os comentários das finais de conferência poderá ver que o nome do Fultz era falado aqui como substituto para o Thomas por questão de altura, talento, contrato e potencial. Acho que a não escolha dele tem muito mais a ver com o período de treinos que ele teve junto com o Celtics do que questão de encaixe. Afinal, ficou quase ninguém da temporada passada, se ele tivesse passado confiança, o GM não hesitaria em montar o time ao redor dele.

    Tatum esteve nas seleções de base, sem dúvida alguma ele já estava no radar do Celtics (sendo observado a algum tempo), o que naturalmente não tira o mérito da escolha. Acho que vale a agradecer ao Josh Jackson que não quis fazer o treino com Celtics hehe

    2

    0
    • Chiovato disse:

      Sejamos honestos, apesar de até o draft o Fultz ser disparado o melhor prospecto seguidos de outros excelentes jogadores de nível tão alto quanto o dele.. apesar disso o Celtics não tinha interesse nele e nunca teve (apenas cogitou), assim como o Lakers orou pela pick 2 pra não abrir mão do Fultz pegando Ball na pick 1… ou seja, Celtics e Lakers jamais quiseram o Fultz… NÃO significa que ele não brilhará e não será star… convenhamos que o resultado hoje é excelente pois Tatum vem muito bem e temos outra pick, MAS todos quisemos Fultz e quando Tatum veio, quase todos abraçaram o negócio pois Tatum era tão bom quanto!

      Realmente Ainge foi muito bem e supriu a necessidade imediata do time e não de médio prazo que seria caso de não renovação do Thomas, que posteriormente foi trocado dando up em todos os negócios até então feitos! Sorte Ainge teve, tanto no êxito do negócio da pick e especialmente na negação do Josh Jackson, isso sim foi sorte!!!!! Culminando tranquilamente na vinda do Tatum que meses antes, já era claro que seria o desejo do Celtics!!

      Ainge foi bem na troca buscando o ideal pro time e depois o melhor jogador na posição desejada, deu sorte em não ter Josh…e merece os parabéns, assim como Fultz 100% fisicamente será outro excelente jogador (apesar dos muitos problemas físicos e questão Simmons).

      E como tu disse, agradeçamos Josh kkkk isso facilitou demaissss… apesar de que Tatum é ótimo, mas nas mãos dos Stevens foi à excelente rookie… nisso os outros poderiam ser com Stevens, ele é fenômeno!

      2

      0
      • JailtonSV disse:

        Fultz era cotado como “talento da década”. Celtics passou um bom tempo com ele, logo acredito que havia sim um interesse real. Tanto que após treinos ruins, Celtics fez a troca da pick. Jonathan Isaac e Dennis Smith Jr fizeram treinos para o Celtics, estes sim acho que podemos dizer que simplesmente
        “cogitamos” a possibilidade de drafta-los.

        Sobre o Lakers tenho minhas dúvidas se eles não pegariam o Fultz se tivessem a chance, a única certeza que tenho é que por ser a Pick 2 não precisou ter a pressão de draftar o “maior talento”, pois até momentos antes do draft havia boatos de que possivelmente escolhessem o Josh Jackson.

        Gostaria de ressaltar que se a não renovação do Thomas era tratada como um problema a médio prazo, a do Irving também não distingue muito, já que só possui um ano a mais de contrato.

        Tatum e Brown foram excelentes “surpresas” nos drafts, mesmo com a expectativa (neste caso pessoal) que houvesse troca na tentativa de um all star.

        1

        0

Deixe um comentário