19

novembro

2010

14

Comentários

Entenda o estiramento muscular

Olá pessoal, quem acompanha o basquete vê muitas notícias sobre lesões. Sempre há algum jogador que não irá jogar por causa de alguma contusão. A idéia dessa coluna é tentar ajudar a todos na compreensão dessas lesões e sempre usando como exemplo um jogador que tenha sofrido a mesma.

Pra começar, irei falar sobre um tipo de lesão muito comum não só no basquete, mas no esporte como um todo. O atleta que sofreu recentemente com isso foi a estrela do Washington Wizards, Gilbert Arenas (fiquei até meio temeroso de escrever que ele está lesionado, vai que é outra piada dele).

Arenas sofreu um estiramento no púbis. O estiramento é uma lesão que se caracteriza pelo alongamento das fibras além do normal ou de seu limite fisiológico.

Sintomas: dor súbita durante o movimento e, algumas vezes, é acompanhado de uma sensação de “estalitos” (pequenos estalos).

Essa lesão é dividida em três níveis e é de grande importância se observar qual o nível da lesão para poder saber a gravidade da mesma, os critérios de tratamento e o tempo de afastamento do atleta de atividades físicas.

Grau I: é o estiramento de uma pequena quantidade de fibras, é uma dor localizada em um ponto específico, surge durante a contração muscular, pode apresentar edema, mas geralmente não é notado. Há uma leve limitação funcional.

Grau II: é caracterizado pelo rompimento parcial do músculo. São encontrados os mesmos sintomas da lesão de grau I, porém, com maior intensidade.

Grau III: é quando há o rompimento total do músculo ou de uma maior parte do mesmo. Com isso, o indivíduo tem uma importante perda funcional no membro e cria um defeito palpável e visível.

Por: Glauco Nascimento