“Os 5 melhores que enfrentei” por Paul Pierce

Atualmente, a NBA está vivendo em uma era de armadores . O nível de jogo nesta posição vem sendo tão elevada que o desempenho do encarregado pela armação muitas vezes dita que equipe vai ganhar o jogo. Mas esse nem sempre foi o caso. Volte cinco ou seis anos na NBA e podemos perceber que a liga era dominada por alguns dos alas mais talentosos e fisicamente dominantes que já jogaram este jogo. E na maioria das noites, eu estava encarregado de descobrir como pará-los na defesa.

Eu enfrentei muitos, muitos jogadores talentosos ao longo da minha carreira, mas na minha opinião, estes cinco foram os mais difíceis para se marcar:

Kobe Bryant

Eu ainda me lembro de assistir o jogo dos 81 pontos. Acho que todo mundo que assistiu o jogo se lembra aonde estava – foi um daqueles momentos especiais que acontecem nos esportes. Eu estava sentado no meu sótão com os meus amigos jogando dominó e quando olhei para a TV e vi o que estava acontecendo eu disse: “Espere, nós temos que assistir isto!” Eu não podia acreditar no que meus olhos estavam vendo.

Kobe tem a mentalidade de um serial killer. Ele vai chegar até você de todas as maneiras possíveis e não vai deixar barato. Sua mentalidade – seu instinto assassino – é o que o separa dos outros caras nesta lista, porque uma vez que o Kobe sabe que tem você nas mãos, ele vai continuar a atacá-lo. Ele vai jogá-lo para baixo, bater em você e até mesmo quando você já está nocauteado, ele vai continuar atacando.

Kobe quer destruir seu oponente a cada noite, e seu instinto assassino está atrás apenas de Jordan. Eu nunca tive que jogar contra Michael quando ele estava no Bulls, e dessa forma, Kobe é o mais próximo que eu cheguei a enfrentar esse tipo de adversário em minha carreira.

Um dos jogos mais difíceis que joguei contra Kobe aconteceu em Boston. Eu acho que ele fez sete ou oito arremessos seguidos em mim. Então a equipe se reuniu durante um pedido de tempo e o treinador ficou olhando para mim com uma cara que eu sabia exatamente o que significava: ele queria que eu parasse o Kobe de qualquer maneira. O resto da equipe podia ver o que estava acontecendo e eles estavam olhando para mim também. Aconteceu de eles cogitarem a hipótese de mudar a marcação e colocar um cara diferente em cima do Kobe, e foi quando eu gritei:

“Mas é claro que não! Vou pará-lo! Eu cuido disso! EU cuido disso.”

Bryant acabou perdendo os últimos nove arremessos desse jogo sendo que eu marquei todos eles, e nós ganhamos. Mas os números do jogo ainda estão vivos na minha mente. Kobe arremessou 47 vezes. Quarenta e sete. Ninguém jamais chutou 47 arremessos sob a minha marcação. Para se ter uma ideia, na maioria dos jogos de uma equipe, podemos contar uma média de 81 a 89 arremessos de quadra.

O que você tem que entender sobre o jogo do Kobe é que, ao arremessar tantas vezes assim, ele está tentando meticulosamente apagar sua defesa até ela quebrar. Ele passou uma carreira inteira fazendo com que seus marcadores perdessem a confiança em sua defesa para, em seguida, continuar a atacá-los. Ele ganhou cinco anéis fazendo isso.

Se você quiser ter algum sucesso defensivo contra Kobe, você não pode desligar um minuto. E isso é muito mais fácil falar do que fazer.

Tracy McGrady

Tracy é um armador no corpo de um ala de força. Ele tem 2,04m, braços longos e pode saltar para fora do ginásio, por isso a cada vez que ele pulava para arremessar não havia nenhuma chance sequer de você o bloquear.

A tentativa de impedi-lo sempre se resumiu à como você poderia incomodá-lo. Com alguns jogadores, você consegue incomodar o arremesso, marcando-os bem de perto. Mas a cada vez que Tracy subia para arremessar, ele ficava tão alto que você ficava apenas rezando para ele errar. Contra um jogador desse calibre, você realmente só tem que esperar que ele erre.

Como não havia nenhuma maneira de parar o arremesso do Tracy, você tinha que fazer tudo o que podia para ter a certeza de que ele não recebesse a bola em uma boa posição para lançar. Então, eu sempre fiz o meu melhor para impedir que Tracy recebesse a bola, sendo bastante físico contra ele. Eu sempre soube que eu não podia permitir pontos fáceis em transição contra ele porque se isso acontecesse, ele iria aquecer. E se um cara com um arremesso incontestável aquece as mãos, bem… digamos que você tem um problema. Mas limitar os pontos de transição contra um cara com o talento físico de Tracy sempre foi um pesadelo. Isso porque ele era um tremendo finalizador. Ele é rápido, ele é longo e ele poderia saltar mais alto do que qualquer um. E como se isso não fosse suficiente, ele era um dos melhores condutores de bola da liga, era extremamente habilidoso com a bola nas mãos.

Ele tinha um talento raro, e quando era você contra ele, você sabia que a parada ia ser difícil, porque Tracy sempre vinha com tudo.

Na verdade, isso é algo que todos os caras dessa lista têm em comum.

Vince Carter

Este termo já virou clichê para descrever jogadores da NBA, mas com Vince se encaixa perfeitamente: esse cara é simplesmente uma aberração atlética. No final dos anos 90 e início dos anos 2000 tivemos algumas sérias batalhas.

Ninguém queria estar nos highlights (melhores momentos) com Vince Carter. Em seu auge, você sabia que ele entrava para fazer quatro ou cinco highlights em cada jogo. E eu sempre pensava sobre isso antes de nós jogarmos contra ele. Minha missão era sempre não fazer parte dos highlights de Vince Carter, por isso antes sequer do jogo começar, ele já estava na minha cabeça.

Do ponto de vista defensivo, ele te colocava em uma saia justa. Ele era o diabo para marcar fora do perímetro por causa da elevação do seu arremesso. Mas você jogava com tanto medo dele passar por você e cravar uma enterrada que seria mostrada o tempo todo no “SportsCenter” (programa esportivo da ESPN) que acabava permitindo um espaço para ele arremessar. Em seguida, ele ficaria quente pra arremessar de três pontos e à essa altura… você já não sabia mais o que fazer.

LeBron James

Um armador/ala/pivô de 2,03m e aproximadamente 113kg. Isso é muito ridículo! E dentro dos jogadores do seu tamanho, ele ainda é de longe o mais atlético e mais rápido da liga.

Como alguns adversários desse nível, você só tem que esperar que LeBron não esteja em uma de suas noites quando enfrentá-lo. Uma vez que ele dispara seu first step, não há nenhuma chance de você ficar à frente dele. É mais difícil ainda segurá-lo quando ele coloca o ombro contra o seu peito. Pra piorar, ele também é um dos melhores finalizadores, seja com a mão esquerda ou com a direita, que esta liga já viu.

E quando ele não está dominando fisicamente os seus adversários, ele também pode te destruir com suas assistências.

Seu estilo de jogo consegue tirar você do curso da partida. Ele está constantemente cavando faltas e conseguindo and-ones. A única maneira de impedir LeBron de conseguir o and-one é segurá-lo ou derrubá-lo. Dar apenas tapas em suas mãos não vai funcionar – ele é muito forte.

James possui simplesmente um biotipo físico que a NBA nunca viu antes. Os caras que eu poderia citar nesta lista seriam altos, com boa envergadura, mas com biotipos magros… LeBron é tão atlético como eles são, mas ele também é mais forte e mais rápido.

Você pode apostar que, depois de marcar o LeBron, as pancadas ainda vão te incomodar nos dias seguintes.

Carmelo Anthony

Se eu tivesse que escolher apenas um cara, eleger o jogador mais difícil de marcar na liga, teria que ser o Carmelo. Ele é uma mistura única de um cara grande, forte e atlético contando também com uma habilidade de arremesso de primeira classe além de um talento natural para chegar até a cesta. Isso é o que o distingue dos demais – todas as faces do seu jogo são excelentes!

Alguns dos grandes jogadores terão uma ou duas habilidades específicas que os tornam especiais. Mas Carmelo pode fazer tudo, o que o coloca em uma situação muuuito difícil como defensor. Um monte de caras na liga possuem preferências por determinadas áreas para arremessar, então você tenta forçá-los para outros lugares da quadra para deixá-los menos à vontade possível. Mas o Carmelo… não tem um lugar da quadra, em que ele não consiga converter consistentemente seus arremessos.

Na minha opinião, a sua combinação de fisicalidade e habilidade de arremesso é incomparável na NBA. Você não pode desligar um segundo quando estiver marcando ele.

Kobe é um dos melhores cestinhas da história da NBA, mas eu não tenho tantos problemas com ele no post como eu tenho com Carmelo. LeBron é um grande jogador no post, mas se você forçá-lo a se contentar só com o jumper, você será capaz de reduzir o ritmo dele, se a bola não estiver caindo. Com o Melo, esse não é o caso. Se você lhe der espaço para arremessar, ele vai ter muito mais acertos do que erros. Para resumir a história, ele não é um matchup divertido para defender.

Mas, novamente, nenhum desses caras são.

Paul Pierce, de 38 anos, atualmente defende o Los Angeles Clippers. Foi jogador e capitão do Boston Celtics por 16 temporadas sendo campeão em 2008 e MVP das Finais no mesmo ano. Ele escreveu este artigo para o site The Players’ Tribune em Janeiro de 2015 e o texto foi cuidadosamente traduzido pela Equipe Celtics Brasil.     

Bruno Penna
Bruno Penna
Nascido e criado no Rio de Janeiro, é estudante de Administração e apaixonado por esportes.Começou a se interessar por basquete em 2005 ao assistir um tal de Kevin Ganett em quadra.Se apaixonou pela história do Boston Celtics e desde então dividiu o fanatismo que antes era ocupado só com o Botafogo.

7 Comentários

  1. Samuel disse:

    Muito bom a visão de dentro das quadras. Queria alguém falando de como era marcar essa lenda Pierce

  2. Alefe Miranda disse:

    O que posso dizer? Texto foda! Tinha de vir do mito Pierce

  3. Daniel Emiliano disse:

    Vince Carter ta na lista acho mais pelo medo de entrar nos highlights dele do que pela dificuldade em marcar.
    Não que ele não tenha sido foda, mas acho que o Pierce enfrentou caras mais complicados de marcar que ele.

    Interessante foi ver o Pierce afirmar ser mais dificil marcar o Carmelo do que o Kobe e o Lebron!

  4. Joelmir disse:

    lembro de muitos jogos do T-Mac… sempre foi o cara que mais me impressionou pelo que fazia, era absurdo… pena que nunca passou de 1º round de playoff ( no auge ou em condições de jogo), tirando aquele ano no spurs que nem entrava em quadra e terminou com 0,00 ppj

  5. Wesley Lacerda disse:

    Lendo esse texto deu saudade dessa época, onde o jogo era totalmente pensado, e os times se montavam exatamente nos pontos fracos dos outros…
    Armador armava, sabia dar assistencias e os jogos eram truncados e o mais inteligente vencia.
    Isso é basquete.

  6. Marcos disse:

    Texto excelente, parabéns!
    Bom saber que o Pierce SABIA das ciladas que em muitas das noites era obrigado a enfrentar…

  7. Oberdan Gonzalez disse:

    Que texto incrível!!!
    Tradução FODA !
    Parabéns aos envolvidos.

    Abs

Deixe um comentário