Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Celtics 98 x 114 Hawks

Uma partida para se esquecer! Esse é o sentimento do torcedor do Boston Celtics após a derrota desta última segunda-feira, 27 de fevereiro, para o Hawks, por 114 a 98.

A atuação ofensiva do Celtics na partida beirou o ridículo, com aproveitamento inferior a 40% nos arremessos de quadra. Nos rebotes, a decepção já corriqueira, com o Celtics sendo vencido por 55 a 40 no quesito, sendo o armador Isaiah Thomas, de 1,75m, o líder da equipe na estatística, com 7. Na defesa, bom trabalho dos jogadores de perímetro, mas que sucumbiam coletivamente por conta do domínio adversário na área pintada. Há muito o que melhorar para as próximas partidas.

Quando do começo da partida, o Celtics parecia ter tudo a seu favor para mais uma vitória na temporada. O ala-armador Avery Bradley, após desfalcar a equipe nas últimas 22 partidas por conta de uma lesão no tendão de Aquiles, voltava à formação titular de Boston. O armador Isaiah Thomas vivia boa fase, tanto que recebera, antes do começo da partida, o prêmio de Melhor Jogador do Mês da Conferência Leste no mês de janeiro. E, ainda, o Celtics entrava na partida com uma sequência de sete vitórias consecutivas em casa.

Só que não foi isso que foi visto em quadra. O esquema defensivo montado pelo treinador do Hawks, Mike Budenholzer, simplesmente matou o jogo ofensivo do Celtics. A supremacia esperada do Hawks na área pintada também foi bastante explorada pela equipe de Atlanta, tanto defensiva, quanto, e principalmente, ofensivamente. E Boston acabou não conseguindo encontrar um antídoto para a tática apresentada pelo Hawks em toda a partida.

Sufocado, e com marcação pesada e muitas vezes dupla, Isaiah Thomas teve, provavelmente, sua pior partida na temporada. Seu aproveitamento nos arremessos de quadra foi inferior a 20%, acertando apenas 4 de 21 arremessos tentados. Com apenas 19 pontos na partida, Thomas teve encerrada sua sequência de 43 partidas consecutivas com pelos 20 pontos, recorde histórico da franquia do Celtics. Esta foi apenas sua segunda partida na temporada com menos de 20 pontos.

Thomas ainda tentou ajudar a equipe de outras formas, tanto que foi o líder da equipe tanto em rebotes (7), quando em assistências (7). Mas a equipe de Boston estava apática em quadra e não conseguia recuperar-se no confronto. Apenas Jaylen Brown, que mostra bastante evolução e bons desempenhos nos últimos jogos, e Marcus Smart, ambos vindos do banco, tentaram livrar o Celtics de uma derrota iminente, mas acabou que o esforço do trio não foi suficiente ante o domínio de Atlanta.

O pivô dominicano Al Horford, tão criticado nas últimas semanas, foi um dos jogadores mais apáticos no confronto. Horford até tentou marcar Dwight Howard, e teve algum êxito no primeiro quarto. Mas seu pouco envolvimento ofensivo, aproveitamento ruim nos arremessos de quadra (3 arremessos convertidos em 9 tentados), e sua falta de briga na área pintada, principalmente por rebotes, foi mais uma vez a marca de sua atuação.

O esquema ofensivo do Hawks, explorando a fragilidade do Celtics no garrafão, foi bastante efetivo na partida e o principal responsável pela vitória de Atlanta. Paul Millsap e Dwight Howard, com 17 pontos cada, aproveitaram bem as jogadas nas quais eram envolvidos e foram bastante efetivos na área pintada. Ainda, os dois ajudaram bastante nas infiltrações dos jogadores de perímetro, com bloqueios fortes, tornando a investida dos guard‘s mais facilitada até a cesta. Muito por conta disso, a dupla titular de armação do Hawks teve pontuação importante no confronto, com Dennis Schröder com 21 pontos, e Kent Bazemore com 15.

Ambas as equipes jogam agora na próxima quarta-feira, 1º de março. O Hawks começa uma sequência de seis partidas consecutivas em sua casa, quando recebe o Dallas Mavericks, em Atlanta. Já o Celtics, continua em Boston onde recebe o líder da Conferência Leste, Cleveland Cavaliers.

Destaques da Partida

Boston Celtics

Isaiah Thomas: 19 pontos (4-21 FG), 7 assistências, 7 rebotes, 7 desperdícios de bola
Marcus Smart: 16 pontos
Jaylen Brown: 15 pontos

Atlanta Hawks

Dwight Howard: 17 pontos, 12 rebotes
Paul Millsap: 17 pontos, 10 rebotes
Dennis Schroder: 21 pontos

Author avatar
Fábio Malet
Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e engenheiro de softwares sênior. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby e pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha NBA desde o começo de 2007 e, pé-quente, viu seu Boston Celtics ser campeão na primeira temporada inteira a que assistiu. Torce também para Grêmio, Tottenham Hotspur, Boston Red Sox e Green Bay Packers.

5 comentários

  1. Kenderson

    Todo mundo sabe de cor o problema do Celtics… Somado a isso, os adversários estão bloqueando nossa principal fonte de pontos (Isaiah Thomas). Nas ultimas 4 partidas Tivemos: 3 derrotas e 1 vitória .

  2. O Thomas não é o Bird para enfrentar marcação tripla.
    E ele teve SETE rebotes (o principal reboteio do time tem a minha altura, lamentável).
    O Bradley deve desafogar o ataque um pouco.

    Se o Horford continuar nessa toada vai acabar indo para o banco.
    O próximo jogo vai ser pancada e nossa segunda posição corre sério risco.

    []s verdes

  3. Francisco Machado

    Só aquecendo pros playoffs.
    Howard é um babacão.
    E o Horford em…….pode ganhar vaga nas lideres de torcida de Boston.
    E q cômico ele apontando pro Howard e chorando pro juiz, mimimi ele me empurrou, vc não viu mimimimi. Faltou chamar a mamãe. Lamentável

  4. Fernando C Silva

    A equipe passa e vai passar por outras instabilidades. Já ocorreu antes nesta season.

    O que me preocupa é ter uma sequência ruim nos offs.

    O time está de chinelinho (AH, Amir, e até Crowder).

    Acredito em um bom jogo contra os Cavs.

    Sobre as nossas deficiências, a liga inteira sabe, desde muito antes do All Star Break. Não é um achado recente do caminho da vitória contra nós.

    O que me parece novidade é o status do IT na liga.

    Os adversários não fazem mais cerimônia em marca-lo sob pressão desde o Q1 ou Q2, e mais, apostam que os demais jogadores erram os arremessos.

    Gostaria de uma participação mais efetiva do AH neste momento e ele deve sim ser cobrado por isso.

    Crowder deve ajudar e o Brown pode ajudar a pontuar.

    Duas cestinhas do Brown por quarto e o adversário já vai começar a se preocupar com ele (desafogando o Thomas).

    Compete ao Stevens criar as melhores situações para o Brown chutar.

    Já quanto ao Crowder e AH está faltando mesmo é uma maior participação quando o Thomas está marcado até o pescoço.

  5. Lucas Oliveira

    Crowder, Olynyk e Bradley (este totalmente isento neste confronto) tem um grande problema para retomar ritmo, acredito que isto esteja atrapalhando também, mas infelizmente a situação do Horford é mais complicada.

    É verdade que o aproveitamento do IT melhora muito com o Horford em quadra, mas a verdade é que saída do Sully era para ter um aumento grande de qualidade e na verdade estamos até com menos rebotes.

    Nos últimos 5 jogos suas médias estão 6,5 pontos a menos por partida, e menos 1 assistência, rebotes e bloqueios em relação a média da temporada. Isso é assustador porque o tempo deveria melhorar seu entrosamento e entendimento do esquema tático e não piora-lo o que por si só mata o argumento de estar jogando como 4 e não 5. Tem algo errado e ele precisa resolver o que é.

    O ponto positivo é o crescimento do Brown que neste nível já teria jogado o rising stars tranquilamente.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.