Prévia – Boston Celtics (36-21) x Detroit Pistons (26-29)

Poucas horas depois de uma das suas vitórias mais espetaculares na temporada 2018/2019 da NBA, diante do Philadelphia 76ers, o Boston Celtics encerra, na noite desta quarta-feira (13), mais um back-to-back nesta edição da liga. De volta aos braços de seu torcedor no TD Garden, o time verde e branco de Massachusetts encara o Detroit Pistons, a partir das 22h30 (horário de Brasília), no último compromisso das duas equipes antes da pausa para a All-Star Weekend. Será o quarto jogo entre Celtics e Pistons nesta temporada, sendo que o Alviverde venceu dois dos três duelos anteriores.

Depois de entrar em crise com duas derrotas em três dias, o Boston Celtics precisou de apenas um jogo para deixar a torcida eufórica novamente. O triunfo fora de casa sobre o Philadelphia 76ers, um de seus principais rivais na briga pelo título da Conferência Leste, recolocou o time verde e branco entre os quatro primeiros colocados do Leste e deu ânimo para o restante da temporada. Agora, diante do Detroit Pistons, o Celtics precisa da vitória para manter sua posição até o encerramento da All-Star Weekend e dar uma nova satisfação ao torcedor, que está feliz pela vitória na Filadélfia, mas ainda está com as derrotas para Lakers e Clippers na cabeça.

Com pouco tempo de descanso e preparação para enfrentar o Detroit Pistons, o técnico Brad Stevens não deve fazer mudanças no quinteto titular e na rotação do Boston Celtics. Com uma torção no joelho direito, o armador Kyrie Irving desfalca o Alviverde em mais uma partida, assim como o pivô Aron Baynes, que se recupera de contusão no pé esquerdo. Sem Irving, Terry Rozier permanece como armador titular, enquanto o ala-pivô alemão Daniel Theis ganha alguns minutos a mais de ação com a ausência de Baynes.

Já o Detroit Pistons, apesar de ter uma campanha negativa na temporada, chega a Boston confiante em um bom resultado. Invicta há quatro partidas, a franquia de Michigan entrou na zona de classificação para os playoffs da Conferência Leste e precisa de um triunfo fora de casa sobre o Boston Celtics para manter essa posição. Além da confiança adquirida pelo momento favorável na competição, o Pistons aposta na instabilidade celta nesta edição da liga para conquistar esse triunfo.

Eleito o melhor técnico da última temporada, quando ainda comandava o Toronto Raptors, Dwane Casey não terá problemas de lesão ou suspensão para escalar o Detroit Pistons, que deve concentrar suas jogadas no garrafão formado por Blake Griffin e Andre Drummond. Na rotação, destaque para a presença do veterano ala-armador Wayne Ellington, que foi contratado recentemente após passagem pelo Miami Heat.

FICHA TÉCNICA

Local: TD Garden (Boston, MA)

Horário (de Brasília): 22h30

Transmissão: NBA League Pass

BOSTON CELTICS: Terry Rozier, Marcus Smart, Jayson Tatum, Marcus Morris e Al Horford. Treinador: Brad Stevens

DETROIT PISTONS: Reggie Jackson, Langston Galloway, Bruce Brown, Blake Griffin e Andre Drummond. Treinador: Dwane Casey

Publicidade

Gustavo Arruda
Gustavo Arruda
Gustavo, 27 anos, é maranhense de São Luís, estudante de Jornalismo e repórter esportivo do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011. Nas horas vagas, é goleiro, armador, tio do João Gabriel e dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

20 Comentários

  1. Publicidade

  2. Erondi Nunes disse:

    TODOS os times de Brad Stevens são de operários, não gostaria q fosse assim mas tô começando a acreditar.

    Embora Rozier tenha pontuado mal ontem, ele envolve muito mais os companheiros, ele da velocidade q precisamos. Fazia tempo q não via o Boston trabalhar a bola, não acho q a ausência de Kirye seja coincidência.

    8

    5
  3. Erondi Nunes disse:

    Vejo 2 caminhos para nós no futuro.

    1- Fazemos um time estrelado envolta de Kirye e Anthony Davis, sem chance de NOLA não exigir o Tatum. Um time individualista onde somos dependentes destes.

    2- Não trazemos AD e não renovamos com Kirye, tendo assim o q consolidou o trabalho de Brad, um time operário. Com a defesa q apresentamos ontem, coletividade no ataque e sem VAIDADE alguma, onde podemos ver o melhor do nosso treinador e não dependemos de jogador específico.

    Pra mim o 2 caminho é o melhor, temos ativos pra substituir Horford a altura, LaMarcus Aldridge e Karl – Anthony Towns acho q sao os mais parecidos.

    Tatum seria o nosso franchise player, a única dúvida é se apostariam em Rozier ou trariam outro armador, Kemba Walker será agente livre.

    15

    2
    • Renato Rissi disse:

      blz…fica com um time só de operários e passa mais 10 anos sem titulos…

      5

      7
      • Fabrício Destro disse:

        Isso, porque o time do ano passado era pior que esse e conseguimos chegar na final de conferência e só perdemos o jogo 7 em casa pq o LeBron tava em modo deus. Belíssima análise

        Também acho que a opção 2 é a mais viável. Não por causa do Kyrie, pq queria manter ele no time de qualquer forma (ele foi muito importante em vários jogos com placar apertado, mas vai saber se ele quer ficar mesmo), mas eu me recuso a mandar o Tatum pra NOLA. Esse cara vai ser um all star daqui a poucos anos, com um fortalecimento muscular ele vai ser um monstro.

        1

        0
  4. JailtonSV disse:

    Entendo a empolgação, vitória foi maravilhosa. Mas ainda vejo a necessidade de All Stars.

    Nos playoffs grandes jogadores fazem toda a diferença. Recentemente, Rondo quase nos desclassifica (Celtics x Bulls), horford foi importantíssimo em séries contra Wizards, 76ers. LeBron ou Irving cansaram de decidir séries para os Caças. Não vejo possibilidades de conseguirmos um titulo se não for com grandes estrelas.

    Podemos sim ter um jogo coletivo com um perfil diferente de jogadores, porém, teremos que ter OS CARAS que fazem a diferença na hora da verdade.

    Sobre o time do Stevens precisar ser operários, temporada passada nós começamos voando e era praticamente o mesmo time. Acredito sim que podemos render com uma equipe estrelada.

    Tatum, Rozier, Brown, sao bons prospectos, foram muito bem nos playoffs, mas ainda sao inconstantes. Ainda não atingiram um grau de confiabilidade, Ainda não podemos falar de jogo das estrelas para com eles, muito menos de ser um FP (caso do Tatum) de uma franquia (muito menos uma com o tamanho do Celtics).

    10

    1
  5. Vinicius disse:

    Jogo bom, sem Rozier e Irving. Chance de Wanamaker ter uma minutagem decente, e ver se serve pra algo além de tapar buraco e garagem team. Importante pro Hayward também que vai de titular. Assustamos e torçamos pela vitória .Go Cs.

    0

    0
  6. Marcos disse:

    Alguns jogos com times que brigam pela 8a posição no Leste já fazem a galera pedir a cabeça do Irving…
    Tem vezes que parece que torcemos pelo Nets…

    Pessoal, na NBA, sem estrelas (no plural) não se chegam as finais.
    Não importa o esforço.
    Veja o time do ano passado (um dos maiores esforços que vi) que caiu para o “time” LBJ.
    Quando dominávamos o Leste na década passada, tínhamos 4 All Stars no time titular (assim como o GSW) e 2 caras que serão HoF (Garnett e Pierce).
    Precisamos, sim, de estrelas.
    Irving e Davis são duas das maiores, da constelação atual da Liga.

    O Brad precisa aceitar essa realidade.
    Ele é um técnico de elite, precisa manejar jogadores de elite.
    A Liga não é universitário onde você tira vantagem do nervosismo do adversário para cavar uma posição de underdog até o caneco (que ele nunca ganhou, que se conste)

    Não vi o jogo, só highlights, mas gostei do Ojeleye (um batalhador mal utilizado na temporada até agora) e do Gordon jogando na 2 com obrigação de pontuar.
    Tem que manter essa obrigação (e minutagem reduzida – ontem era exceção pelo número de jogadores disponíveis), para ir tirando o medo gigante que ele tem apresentado.

    Abs verdes,

    14

    9
    • Gabriel Zab disse:

      A questão é: Pq não “criar” esses All Stars em casa, basta ter jogadores com potencial, e isso nós temos…jogadores de até 24 anos que chegaram a uma final de conferencia!!! repito, com menos de 24 anos (Smart, Tatum, Brown, Rozier). E se vc ver alguns times campeos os All Stars dos times que venceram foram draftados pelo próprio time.

      Boston Celtics 1981 – Larry Bird, Cedric Maxwell, Kevin McHale
      Boston Celtics 1984 e 1986 – Larry Bird, Kevin McHale, Danny Ainge, Cedric Maxwell
      Chicago Bulls 1991,1992,1993 – Michael Jordan, Scottie Pippen, BJ Armstrong, Horace Gran, Will Pardue
      Detroit Pistons 1989 e 1990 – Joe Dumars, Dennis Rodman, Isiah Thomas
      Houston Rockets 1994 e 1995 – Hakeem Olajuwon, Sam Cassell, Robert Horry
      San Antonio Spurs 1999 – David Robinson, Tim Duncan
      San Antonio Spurs 2003 – Tim Duncan, Manu Ginobili, Tony Parker, David Robinson
      San Antonio Spurs 2005 e 2007 – Tim Duncan, Manu Ginobili, Tony Parker
      San Antonio Spurs 2014 – Tim Duncan, Manu Ginobili, Tony Parker, Kawhi Leonard
      Golden State Warriors 2015,2017,2018 – Stephen Curry, Klay Thompson, Draymond Green

      17

      1
      • R2 disse:

        Sim, poderíamos, mas a questão é: A torcida esperaria o desenvolvimento de Tatum e o surgimento do segundo all star (Não acredito que Brown ou Smart cheguem nesse nível)? Minha resposta é, eu duvido que esperem!
        Estamos em uma situação promissora:
        1. Hayward da indícios que se recuperará.
        2. Temos ativos para trazer um jogador top10 (AD).
        3. Podemos manter Irving na equipe, ou trazer alguém de nível parecido na offseason (kemba Walker). Podemos até (se perdermos KI) não investir em um PG dominante e trazer um outro jogador de calibre via FA (Klay Thompson, Middleton, Trevor Ariza, Harris) e tentar segurar Moris e Holford.

        1

        5
        • Fabrício Destro disse:

          Mas aí não é questão da torcida querer ou não esperar. Ainge tem que decidir o que é melhor pra franquia. Se fosse pra ouvir torcedor o Brad Stevens seria demitido umas 5 vezes essa temporada. Precisamos parar com esse imediatismo. Planejamento é sempre a longo prazo

          2

          0
  7. Beto Castro disse:

    Outro bom jogo do Hayward na quadra de ataque, carregando a bola, mostrando o jogador completo que é.

    Talvez continue oscilando, mas só tempo de jogo vai dar a ele a chance de ser consistente.

    Vejo em Hayward e Horford dois caras fundamentais para a dinâmica de jogo de Stevens. Não somos o Rockets, não precisamos nem podemos ser time de um jogador só. Sigo vendo evolução no nosso jogo e acreditando que podemos ter um time redondo nos playoffs.

    16

    0
    • Beto Castro disse:

      Gabriel, um complemento ao seu comentário.

      Quantos desses jogadores só são considerados superestrelas porque estiveram em um time acertado, solidário em que cada um cumpre seu papel?

      Draymond, Klay e Leonard são fenomenais. Mas será que teriam esse status se tivessem sido draftados pelo Suns? Kawhi é um dos meus jogadores preferidos, mas nem Suns nem Toronto jogam pra ele

      Eu tendo a achar que, em 99,9% dos casos, o time deve vir antes do jogador.

      Não sou dos que acham que tirar Kyrie faz o time melhor. Mas também não acho que temos que nos basear só nele, ainda mais com um elenco profundo e de qualidade.

      5

      0
    • Gabriel Zab disse:

      Em um playoff onde esses jogadores UNDER 23! precisaram chamar a responsabilidade e substituir jogadores como Irving e Hayward… eles deram conta não entendo o pq não acreditar no potencial de Rozier e Brown (Smart é mais um jogador pro time). Contra os Cavs ano passado o Celtics não precisaria nem do Irving pra ir as finais, bastava só uma regularidade maior de Brown e Rozier… mas eles são jovens, não é todo jogador que no seu primeiro playoff como titular não oscila. Essa confiança é adquirida jogando, simples.

      6

      0
  8. Marchall disse:

    Queria ver o time titular com:

    Hayward
    Marcus Morris
    Kyrie Irving
    Jayson Tatum
    Al Horford

    Acho que esse time merece mais uma chance começando o jogo…

    3

    0
    • Fernando Henrique disse:

      Esse último jogo, com o Rozier fora, imagino que o Hayward tenha ganhado a vaga pelo que fez no jogo anterior, mas acho que o Brown ta na frente dele pra pegar a vaga do Smart, principalmente pela questão defensiva. Hayward não é um defensor ruim, mas o Brown tem mais condições de jogar ao lado do Irving contribuindo nesse aspecto.

      5

      0
  9. Beto Castro disse:

    Brad falou ontem e eu concordo

    “Nós precisamos de Kyrie para sermos a melhor versão de nós mesmos (…) Todos nós precisamos jogar consistentemente melhor como um grupo. Nós fizemos isso às vezes, e nós montamos Kyrie em muitos casos e ele nos carregou em muitos jogos”

    A ideia é time e Kyrie acharem o equilíbrio. Kyrie será mais efetivo se não chutar todas, se não concentrar todos os ataques (e isso vai além de partir sozinho e dar assistência em vez de arremessar)

    12

    0
  10. Erondi Nunes disse:

    Para o pessoal q não me entendeu quando disse q precisamos de time de operários, não disse q não precisamos de all star mais precisamos q estes tenham o perfil de jogo coletivo.

    Não falamos q nossa maior força é o elenco, do q adianta o elenco se nos resumimos ao jogo individual do Irving?

    O time de 2008 só foi campeão porque o armador (Rajon Rondo) conseguiu envolver todos no time, não jogavamos só no improviso de nossos All star da época.

    O motivo de eu torcer pra Boston é justamente por aqueles caras jogarem como um TIME.

    Em 2008 não precisávamos q o armador pontuasse e sim distribuísse o jogo, acredito q precisamos disto hj, pois temos quem pontue.

    Kirye é o melhor pg da liga, mais o jeito q ele joga prejudica o desenvolvimento dos outros, é nítido a mudança de velocidade q jogamos com ele em quadra, veremos quando ele voltar a jogar.

    3

    1
  11. Fernando Henrique disse:

    Uma coisa que eu acredito que contribuiu bem pro jogo do Hayward é jogar com o Theis. Fazia tempo que o Stevens tava procurando o melhor momento, as melhores rotações pra alguns jogadores, e nos últimos jogos o Hayward e o Theis mostraram um belo entrosamento, além de terem estilos de jogo que se complementam.

    7

    0
  12. Marchall disse:

    Sem dúvida Hayward e Theis jogaram muito bem contra Drummond e Griffin (Detroit só tem esses dois).

    Mas deixando um pouco minhas críticas ácidas, eu quero que o Hayward tenha mais uma chance como titular no lugar do Smart.

    E está claro que nossa espinha é:

    Morris, Tatum, Irving e Horford

    Falta encaixar esse último jogador. Talvez com uma trade buscando um pivô reboteiro tenhamos um time para bater de frente com Curry,cia.

    Aceitariam DeAndre Jordan?

    3

    3

Deixe um comentário