Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Raptors 107 x 97 Celtics

Após pausa de uma semana no calendário habitual da NBA, para as festividades do All-Star Weekend, o Celtics viajou ao Canadá, onde enfrentou o Raptors, em Toronto, na noite da última sexta-feira, 24 de fevereiro. Mesmo com excelente atuação defensiva e nos rebotes, mostrando surpreendente evolução nos quesitos, a equipe de Boston sucumbiu para a boa atuação de DeMar DeRozan e o péssimo desempenho da arbitragem, acabando derrotada pelo rival de divisão por 107 a 97.

No último de quatro enfrentamentos entre as equipes na temporada regular, e em um confronto com clima de playoff, os desfalques ainda foram personagem importante do embate. O armador do Raptors, Kyle Lowry, com uma lesão no pulso, e os ala-armadores do Celtics, Avery Bradley, com uma lesão no tendão de Aquiles, e Gerald Green, com uma lesão no calcanhar, não puderam disputar a partida. No entanto, por Lowry e Bradley estarem entre os melhores de suas respectivas posições na liga, o desfalque de ambos acabou por não desequilibrar o confronto.

O primeiro tempo de partida foi bastante animador para o torcedor do Boston Celtics. A equipe treinada por Brad Stevens teve, de longe, sua melhor atuação defensiva na temporada. E, ainda, a atuação defensiva do Celtics neste período foi uma das melhores vistas na liga nesta mesma temporada. Além disso, o Celtics também surpreendeu seus torcedores em termos de rebotes: em toda a partida, a equipe de Boston brigou bastante na tábua e liderou na estatística até os momentos finais do último quarto.

O jogo coletivo mostrado pelo Celtics nos 24 minutos iniciais foi algo bastante animador. Para uma equipe que vivia na dependência de Isaiah Thomas, ofensivamente, em todas as partidas antes da parada para o All-Star Weekend, terminar o primeiro tempo com todos os 10 jogadores que participaram da partida com pontuação e algum arremesso convertido e nenhum deles com mais de 10 pontos (nem Thomas), é algo bastante elogiável.

Mas nem tudo foi maravilhoso para o Celtics no primeiro tempo da partida. Apesar da excelente atuação dos dois lados da quadra e de ter amassado o Raptors ofensiva e, principalmente, defensivamente, a equipe de Boston não conseguia abrir vantagem no marcador. A explicação? Uma das piores arbitragens que já presenciei em anos acompanhando NBA. Não é absurdo dizer que Boston poderia ter ido para os vestiários com diferença no placar superior a 20 pontos. No entanto, o intervalo apontou uma diferença de apenas 10 pontos entre as equipes, e liderança de Boston por 55 a 45.

A equipe de Toronto não encontrou antídoto para o ataque do Celtics no primeiro tempo. E sua tática ofensiva pobre de DeRozan decidir em todos os ataques acabou jogando contra si, já que o ala-armador do Raptors foi muito bem marcado por Jaylen Brown e Marcus Smart no período.

Na volta para o segundo tempo, com alguns bons ajustes de Dwane Casey, o Raptors arrasou o Celtics nos três primeiros minutos do terceiro quarto, dizimando a vantagem de 10 pontos que Boston carregava para o período. Além disso, a arbitragem continuou auxiliando o Raptors em sua reação na partida, como no lance da primeira virada do Raptors no placar no terceiro quarto, quando foi marcada uma falta inexistente de Smart em DeRozan.

Os ajustes apresentados pelo Raptors na volta pro segundo tempo deram fôlego para a equipe no resto do confronto. Apesar do plano tático ofensivo da equipe canadense continuar pobre, colocando a bola nas mãos de DeRozan para que o mesmo decidisse a jogada, seja arremessando ou passando para alguém (não necessariamente livre), o Toronto adotou um sistema de bloqueios interessante com seus bigman, fazendo com que, nas trocas, DeRozan fosse marcado por Kelly Olynyk ou Al Horford, e Jonas Valanciunas, Serge Ibaka ou Lucas Bebê fossem marcados por um guard mais baixo.

Assim, com tanta vantagem nos matchup‘s, o ataque do Raptors, e principalmente DeRozan, doutrinaram a defesa de Boston no segundo tempo. Sem achar um antídoto para as constantes trocas de marcação que Toronto obrigava-lhe a fazer, a equipe do Celtics sucumbiu. Marcado por jogadores muito mais lentos que ele, DeRozan teve sua vida facilitada para chegar a sua maior marca na carreira, 43 pontos. E, além disso, com os bigman de sua equipe posicionados dentro do garrafão contra os guards de Boston, DeRozan ainda tinha a segurança de que, se errasse algum arremesso, o rebote seria provavelmente de sua equipe.

Mesmo assim, o Celtics ainda sobreviveu ao terceiro quarto, terminando o período com uma vantagem de três pontos e ainda em vantagem nos rebotes. Mas, além da mudança ofensiva de Toronto, supracitada, ter dificultado o jogo para o Celtics, a falta de criatividade ofensiva de Boston, aliada a uma rara péssima noite de Isaiah Thomas no quarto período, enterraram de vez as chances do Celtics conseguir manter-se no controle do placar e voltar aos EUA com uma vitória.

No último quarto, o Celtics viveu de jogadas de isolação de Isaiah Thomas, que, por estar em uma péssima noite, acabou não conseguindo manter sua equipe na partida. A falta de criatividade ofensiva de Boston no período foi notória. Se no primeiro tempo a equipe girou bem a bola e todos os jogadores que participaram da partida pontuaram, no último quarto parecia que só Thomas poderia conduzir a bola e decidir as jogadas.

Vendo que Thomas não estava inspirado e que a equipe estava precisando de alguém para chamar a responsabilidade, Marcus Smart pediu a bola, armou boas jogadas, pontuou e tentou manter a equipe na partida. Mas parecia que só ele estava com disposição e ânimo de buscar a vitória no final do jogo. Os demais jogadores de Boston pareciam abatidos com a derrota iminente e com a atuação desastrosa da arbitragem. Assim, o Raptors acabou vencendo a partida pelo placar final de 107 a 97.

Destaques da Partida

Toronto Raptors

DeMar DeRozan: 43 pontos
Serge Ibaka: 15 pontos, 7 rebotes
PJ Tucker: 9 pontos, 10 rebotes e 3 roubos de bola
Cory Joseph: 11 pontos, 6 assistências e 3 roubos de bola

Boston Celtics

Isaiah Thomas: 20 pontos, 5 assistências
Jae Crowder: 19 pontos
Marcus Smart: 19 pontos, 5 rebotes, 4 assistências
Jaylen Brown: 13 pontos

Author avatar
Fábio Malet
Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e engenheiro de softwares sênior. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby e pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha NBA desde o começo de 2007 e, pé-quente, viu seu Boston Celtics ser campeão na primeira temporada inteira a que assistiu. Torce também para Grêmio, Tottenham Hotspur, Boston Red Sox e Green Bay Packers.

3 comentários

  1. drakes

    Bom resumo do que foi o jogo, mas são dois jogos com erros de arbitragem contra o Celtics, é a primeira sequência que me lembro na temporada, o que se esperava depois da lambança do jogo anterior, que a NBA envia-se um trio melhor, cinicamente podeira dizer que foi melhor para Raptors.

  2. Fernando C Silva

    IT teve uma noite atípica.

    Gostei do primeiro tempo do Brown principalmente no ataque.

    O menino pode nos ajudar na pontuação.

    Na próxima season pode ser útil no ataque.

    O Stevens poderia armar algumas jogadas para ele.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.