1969 – Na despedida de Russell, a conquista do 11º título

O campeonato conquistado pelo Boston Celtics em 1968-1969 foi o 11° em sua história e o último da impressionante sequência de oito títulos, a maior da NBA até hoje. A temporada marca também a aposentadoria do pivô Bill Russell, grande lenda celta, que encerrou sua carreira em mais uma final contra o eterno rival Los Angeles Lakers.

E o octacampeonato de Boston não podia vir de outra maneira: jogando uma temporada inteira com diversos desfalques, mas apoiado nos craques Bill Russell, John Havlicek e Tom Sanders, o Celtics novamente se supera e ganha dos Lakers na final por 4×3, com direito a um jogo 4 histórico e uma virada na série, que estava 3×2 para Los Angeles.

A temporada regular de 1969 foi marcada pela inconstância do time alviverde. Russell, na dupla função de treinador e jogador, já não era mais um menino prodígio e estava em final de carreira, por isso passou a conviver com pequenas lesões e grande dificuldade para jogar. Outro importante nome do Celtics, Sam Jones, também se machuca e o time se baseia na dupla John Havlicek e Bailey Howell durante boa parte da temporada regular.

Com as diversas mudanças no elenco celta, quem domina a temporada regular é o time do Baltimore Bullets (hoje conhecido como Washington Wizards), que teve uma grande campanha de 57 vitórias e apenas 25 derrotas na divisão Leste graças a Wes Unseld, eleito melhor jogador da temporada (MVP) e calouro do ano (ROY). Unseld foi apenas o 2º jogador a conquistar os dois prêmios em um mesmo ano e apenas o armador Derrick Rose, do Chicago Bulls, o supera como jogador mais novo a ser MVP.

Na mesma divisão Leste do Bullets, o Boston teve campanha discreta e marcou apenas o 4° lugar, com uma campanha de 48 vitórias e 34 derrotas. Do outro lado, na divisão Oeste, destaque para o passeio do Lakers, que ficou com a segunda colocação geral sendo comandado pelo pivô Wilt Chamberlain (envolvido em uma troca com o Philadelphia 76ers), que levou o time a uma campanha contendo 55 vitórias e 27 derrotas.

Para chegar às finais, Boston teve ainda de passar nos playoffs por Philadelphia 76ers, em uma séria tranquila com 4-1, e também pelo New York Knicks na final da conferência Leste, com um placar decisivo de 4-2 a favor do Celtics.

O grande detalhe é que, por causa de sua modesta campanha, o Celtics não teve nenhum jogador entre os “All-Stars” do campeonato e nem no time dos melhores calouros. Os únicos destaques de Boston foram a eleição de Bill Russell para o primeiro time defensivo e a escolha de Tom Sanders e John Havlicek para o segundo time defensivo.

FINAIS (NOVAMENTE O LAKERS)…

Destinado a destronar Boston e interromper a sequência de títulos celtas, o time de Los Angeles parte com tudo e conta com uma partida fenomenal do ala-armador Jerry West (53 pontos) para vencer o primeiro jogo por 120 x 118. No segundo jogo da decisão, o ala John Havlicek (que já havia marcado 39 pontos no primeiro jogo) marca 43 pontos e lidera o Celtics, mas não é o suficiente: West volta a brilhar com 41 pontos para os Lakers, que contam ainda com 12 pontos seguidos de Elgin Baylor para levar o jogo com o placar de 118 x 112.

Quando todos imaginavam uma possível ‘varrida’ dos Lakers na final, eis que surge o peso da camisa celta. Jogando desta vez diante de sua torcida, no velho e glorioso Boston Garden, o time verde vence o jogo 3 por 111 x 105. Inspirado, John Havlicek terminou o jogo com 34 pontos.

Eis que vem o jogo 4, novamente em Boston, e a maior emoção da temporada até então… Em um jogo de 50 turnovers (juntando as duas equipes) e marcado por extrema força física em uma verdadeira ‘batalha campal’ (típico jogo para Bill Russell), o Celtics estava atrás por um ponto de diferença e , faltando apenas 15 segundos, conta com a sorte quando Emmette Bryant rouba a bola. Mesmo após perder o arremesso, a equipe celta consegue controlar o rebote e pede tempo, com sete segundos no relógio. No último lance, com um arremesso todo desconcertado de Sam Jones, a bola quica no aro, sobe e cai dentro da cesta, para desespero de Wilt Chamberlain, que ainda saltou para tentar conter o arremesso. Vitória heroica para Boston por 89 x 88 e série empatada em 2 x 2, com destaque para a fala de Jones após o jogo: o atleta celta disse que apenas jogou a bola para cima para, caso não acertasse, contar com o rebote de Russell.

No 5° jogo, com a série de volta a Los Angeles, o Lakers mostra novamente sua força e vence, com propriedade, por 117 x 104. Nesta partida, o melhor desempenho foi de Wilt Chamberlain, que terminou com com 31 pontos e 13 rebotes. No jogo 6, em Boston, poucas emoções: mesmo tendo a chance de faturar o título na casa do rival, o Lakers intimida-se com a torcida verde e o Celtics empata a série em 3 x 3, após vencer por 99 x 90.

Chega então o decisivo jogo 7, com a batalha final sendo realizada em Los Angeles por causa da melhor campanha do Lakers. Jack Kent Cooke, proprietário da franquia californiana, começa a imaginar uma vitória e espalha milhares de balões pela cidade de forma antecipada. O Celtics, por sua vez, mantém sua serenidade e se apoia na força e peso da camisa verde. E é ela quem joga nos primeiros minutos, com a equipe celta partindo para cima e estabelecendo um começo arrasador de 24 x 12, sendo que o Lakers encostaria depois com um 28 x 25. Assim, o jogo segue equilibrado até o último período, onde o Celtics abre nove pontos de diferença, com 103 x 94 no placar.

Surge ai novamente a figura de Jerry West, que teve uma noite excepcional: com um triplo-duplo de 42 pontos, 13 rebotes e 12 assistências, West se torna o primeiro e único jogador na historia da NBA a ser escolhido MVP das finais com o seu time perdendo o título. O ala-armador carrega o Lakers nas costas e corta a vantagem para apenas três pontos (103 x 100), faltando pouco mais de três minutos no cronômetro, onde se acreditaria em uma virada de Los Angeles.

Porém, com toda a mística celta, a força de sua tradição e a experiência de seus ídolos, o Celtics consegue manter a vantagem e ganha o jogo por 108 x 106 na casa do rival. Foi o 11° título em 13 temporadas para Boston, uma marca inigualável para a franquia e para a NBA. E, claro, uma triste noticia para Cooke, que teve de “murchar” todos os seus balões…

Três meses após o título, vem a  informação da aposentadoria de Bill Russell, que opta pelo fim de sua era na NBA, restando ao Celtics trabalhar, nos anos seguintes, pela reformulação do elenco até o ano de 1974, quando a equipe viria a conquistar o seu 12° título do Celtics, A conquista de 1974, aliás, será tema de outro post nas memórias do nosso glorioso time e de grande tradição. Não deixe de conferir.

Abaixo, segue a média dos jogadores do Boston Celtics na temporada 1968-1969.

Fonte: NBA.com/history
Edição: Gustavo Arruda

Sem título

7 Comentários

  1. Lucas Lemuel disse:

    E aquele arremesso do Don Nelson. Se você assistir o jogo pelo youtube você vê o “ahhhhhhhhhhh não” da reação da torcida do Lakers. Como eles dizem por lá PRICELESS.

    0

    0
  2. Luiz disse:

    Lindo texto…parabéns

    0

    0
  3. PHABIO PASSOS disse:

    POIS NOS TINHA UM TIMAÇO NA EPOCA,SO NOS CELTICS TIVEMOS GRANDES TIME….

    0

    0
  4. Marcos disse:

    Esse foi o título mais difícil do Celtics.
    B Russel, o monstro era técnico e jogador dessa conquista e após o jogo um dos nossos principais jogadores também se aposentou: Sam Jones.

    Russel não deixou o Boston como técnico, foi praticamente retirado da função mas isso é outra história.

    Faltando 1 minuto e pouco para o fim os Lakers quase engoliram nossa liderança de 15 pontos aproveitando que tínhamos Russel, Jones e Havliceck (Hondo) com 5 faltas.

    Jones e Hav foram fooled-out e Russel não podia subir tão forte pra marcar. E os caras cortaram para 6 a vantagem. E então, Wilt Chamberlain se machucou.

    Óbvio que não vi o jogo ao vivo, mas o link no Youtube está aqui: youtube.com/watch?v=Lnu5vMfPtbw .
    Nesse ponto, as coisas ficaram críticas mas o arremesso de Nelson (todo esquisito) fechou a conta e ganhamos a mais difícies das finais.

    Assim como hoje existiam grandes times, mas a vontade, capacidade técnica, liderança e inteligência de Bill (maior celta ever) também só sejam páreos para o próprio MJ vários anos depois.

    Meu All-Time Celtics: Bob “Houdini” Cousy, Jhon “Hondo” Havliceck, Larry “Legend” Bird, Kevin “KG” Garnett, Bill Russel.

    Banco: Rajon Rondo, Sam Jones, Paul Pierce, K McHale, Robert Parish

    Simplesmente ninguém ganhou mais do que esses caras,
    []’s verdes

    0

    0
    • Eduardo Thomaz disse:

      Verdade Marcos, as imagens do 4º Jogo mostram isso…

      E a esperança dos Lakers era tão grande que até prepararam a festa antes do jogo…

      Mas a camisa pesou na decisão e o time jogou muito…

      0

      0
  5. Renato Lgb disse:

    Essas conquistas sempre nos trás o orgulho de torcer por esse time, por essa nação!!!

    Texto Top, parabéns…

    0

    0

Deixe um comentário