Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Análise da temporada 2015-16 – Kelly Olynyk

Mito, Dispensável, Técnico, Soft, Novo Dirk, Tiranossauro, etc.
A relação de Olynyk com a torcida Celta no Brasil é essa, quase um “ame ou odeie”, sentimento esse que não é raro de observarmos sendo alterado mesmo no meio de uma partida.

Dando sequência as matérias para avaliar a temporada de cada atleta celta, vamos relembrar um pouco como foi o desempenho do ala-pivô canadense nessa temporada.

Notas da equipe

Abaixo as notas de avaliação da temporada de Olynyk, segundo alguns membros da equipe Celtics Brasil.

Daniel EmilianoRômulo PortugalFábio MaletBruno PennaTuha Schmitt
B-CC+C+C+

Os pontos positivos

Quando foi draftado, há três temporadas, todos sabiam o que esperar de Olynyk. Um jogador com dificuldades defensivas mas com uma grande gama de recursos ofensivos que poderiam ajudar bastante o Celtics em alguns momentos.

Terminado sua terceira temporada, não tem como dizer que Kelly vem cumprindo de forma quase que exemplar o que lhe era esperado, não superando e nem ficando abaixo das expectativas.

Com uma gama enorme de recursos ofensivos, Olynyk é uma força ofensiva saindo do banco de reservas, e a maior prova disso é que entre os jogadores celtas que atuaram mais de mil minutos na temporada, Olynyk só fica atrás de Isaiah Thomas no quesito “pontuação por minutos jogados” com média de 17,7 pontos a cada 36 minutos de quadra.

Em uma equipe que é muito dependente das bolas de 3 mas que costuma fracassar miseravelmente na execução da mesma, Kelly pode se orgulhar de ser o melhor atleta celta no fundamento e o único a terminar a temporada com aproveitamento superior a 40%.

Mas como dito, não é só de bola de 3 que vive Olynyk. Embora seja um atleta com característica de jogo de espaçamento de quadra, o canadense em alguns momentos se aventura a infiltrar, trabalhar de costas para a cesta e cruzar o garrafão em velocidade em busca de passes rápidos, se beneficiando da desatenção adversária.

Uma prova de toda a variedade do arsenal ofensivo de Olynyk pode ser vista no vídeo abaixo, onde teve uma de suas melhores atuações na temporada, contra o poderoso Golden State Warriors e recebendo marcação de nada mais nada menos que Draymon Green, segundo melhor defensor do ano.

Outro ponto positivo que o canadense agrega à equipe celta é sua capacidade de espaçar a quadra. Com qualidade de passe e arremesso de longa distância, os adversários não podem se dar ao luxo de deixar Olynyk aberto sem marcação na linha dos 3 pontos e isso faz com que enormes e convidativas avenidas se abram para as infiltração de Isaiah Thomas e Evan Turner.

 

Os pontos negativos

Como dito acima, Olynyk vem correspondendo a todas as expectativas que o cercavam no momento do draft, seja na parte positiva ou na negativa, o que já deixa óbvio que vamos agora falar sobre sua defesa.

Olynyk é muitas vezes chamado de “soft”, termo esse que não concordo, pois “soft” na minha opinião é o jogador que foge do contato, o que não me parece o caso aqui. Kelly não é um cara que foge de contato, mas isso também não quer dizer que ele prospere nessa situação, pelo contrário.

Com conhecidas limitações físicas, Olynyk quase sempre é batido por adversários mais fortes e atléticos, e para a infelicidade dos torcedores celtas, ser mais forte e atlético que o canadense é uma característica que cerca mais de 90% da liga.

Dito isso, a falta de defesa de Olynyk será uma constante em toda a carreira do atleta, por mais que seu bom QI e esquema tático de Brad Stevens, às vezes, minimizem tal fato.

 

Estatísticas na temporada

StatsGMinFG%3P%FT%RebAstStlBlkPts
Total69139545,540,575,02811055233687
Média6920,245,540,575,04,11,50,80,510,0
Por 36 Min693645,540,575,07,32,71.30.917,7

O que esperar da próxima temporada?

Após completar sua terceira temporada na NBA, a enorme semelhança em suas estatísticas ao longo desses três anos colocam um enorme ponto de interrogação sobre a possibilidade de evolução do atleta.

Embora tenha se mostrado um pontuador mais seguro este ano, os números finais pouco diferem dos anos anteriores. Foram 687 pontos na temporada, contra 656 e 607 nas temporadas anteriores.

O número de assistências impressionam de tão parelhos. Foram 105 nesse ano, contra 109 nas duas temporadas passadas.

Essa semelhança nos números se repete em quase todos os fundamentos, o que mostra que Olynyk é de fato um jogador regular, mas que também poderá estar próximo de seu auge, não devendo ter melhoras sensíveis daqui para frente.

Sendo assim, podemos julgar desde já que Olynyk terá na NBA uma carreira de role player e nada além disso.

Entretanto, Olynyk mesmo com todos seus defeitos é um Role Player com características muito bem vindas em Boston, devido ao esquema tático adotado por Stevens, o que deve fazer com que o atleta sempre seja prestigiado e tenha possibilidade de jogar por uns bons anos em Boston, quase que certamente saindo do banco, para ser primeira ou segunda opção ofensiva.

 

Melhores momentos na temporada

https://www.youtube.com/watch?v=Se8AvcC0XFI

Confira também

Análise da temporada 2015-16 – Isaiah Thomas
Análises da temporada 2015-16 – Jae Crowder
Análises da temporada 2015-16 – Jared Sullinger
Análises da temporada 2015-16 – Evan Turner
Análises da temporada 2015-16 – Marcus Smart
Análises da temporada 2015-16 – Avery Bradley

Author avatar
Daniel Emiliano
https://danielemiliano.com.br
Daniel é publicitário, web designer e ilustrador residente em Campinas/SP. Em 2008 uniu paixão e profissão e deu vida a um Blog de notícias e opiniões sobre o Boston Celtics.Com ajuda de outros apaixonados o Blog foi tomando proporções inimagináveis e hoje é este Celtics Brasil, o maior site sobre uma equipe da NBA no Brasil.

5 comentários

  1. Guilherme R

    Concordo com tudo dito acima, porém acho que ele defendeu BEM melhor esse ano do que nas temporadas passadas.

    Do jeito que as coisas vem se encaminhando em Boston, a grande questão pra mim é de qual dos PF segurar:

    Sully ou Kelly?

    Não sei.

    Abraço

    • Fábio Malet

      Sullinger é um agente livre restrito. Já Olynyk tem contrato garantido para a próxima temporada e ainda tornar-se-á agente livre restrito em 2017.

      Acho que Sully fez uma temporada melhor e mais segura que Olynyk, mas, dadas as nossas ambições futura, creio que devemos formar uma nova dupla de garrafão titular (Horford e Okafor, em um exemplo otimista), com Olynyk vindo do banco, ancorado em um pivô que proteja o aro (Noah, Mahinmi, HIbbert…). Por isso, embora eu seja um dos grandes críticos do Olynyk na equipe Celtics Brasil (provavelmente o maior) e o maior defensor de Sullinger na equipe (essa é certeza xD), minha preferência, pelas circunstâncias citadas, é por Olynyk.

  2. Fábio Malet

    Até melhorou sua defesa. De inexistente para ruim.
    Realmente não foge do contato. Mas é mais fraco que Bernard com dengue, mais lento que Lugano com câimbra e com envergadura de Muggsy Bogues no high school.
    Chegou na liga como um reboteiro útil, mas involuiu bastante de lá pra cá, com seus rebotes / 36min despencando de 9,4 para 7,3.

    Mas ofensivamente é um dos melhores da posição na liga. Um armador preso num corpo de um grandão, fraco, lento e sem envergadura. Seu QI de basquete é fantástico, tem ótima capacidade de criar jogadas para si e para os companheiros e seu arremesso de média e longa distância é letal. É bastante útil para trazer pontuação do banco, ainda mais se tiver um protetor de aro ao seu lado. Por conta disso, creio que as adições de jogadores como Joakim Noah, Ian Mahinmi, Roy Hibbert, entre outros, por um salário baixo, são imprescindíveis para dar um companheiro encaixado a Olynyk, no banco.

    • Gbrunus

      Acho q entre esse q vc sitou o melhor seria Mahinmi por acho q necessita de um contrato menor para vir para cá como, tirar amir do time e oferecer um contrato de 8 milhões para o Mahimi , para ser nosso titular no garrafão formando uma dupla KO e Mahimi e de reservas Mickey e Zeller, n sendo ótimista nem realista acho q essa seria uma boa opição
      😛

  3. Fernando C. da Silva

    Não acho que a relação do KO com a torcida brasileira seja de amor e ódio.

    A minha constatação é que a relação,na temporada passada, era de ódio de muitos (inclusive eu) e tolerância de outros.

    Nesta temporada a relação, me parece, de tolerância de muitos e admiração de alguns. Talvez um ou outro ódio, se é que há algum.

    O fato é que, por méritos, o KO ganhou o respeito dos torcedores. E eu me incluo aqui.

    Em relação ao ataque, acredito que o potencial do KO aquele que já demonstra. Acho que não vai melhorar. O que não é necessariamente uma crítica. Sempre foi o ponto forte do atleta e, sinceramente, a produção do KO é boa na parte ofensiva.

    Eu mesmo nunca questionei tal fato.

    Mas, na defesa, a evolução foi notória. O empenho do KO é evidente,o fato do Stevens ter usado a defesa por zona o ajudou bastante a melhor a auto estima na defesa, e mesmo na marcação individual eu percebi evolução.

    No entanto, não podemos nos animar. Ele ainda tem carências significativas.

    Eu considero a disposição do KO em evoluir como um diferencial sobre o Sully. Jogador por jogador, eu os entendo como potencias parecidos embora com características distintas.

    Hoje, entre KO e Sully eu não tenho dúvidas sobre o melhor proveito do canadense.

    Posso estar enganado, até porque não sei das notícias de vestiário do time. Mas a minha impressão é que pode haver uma evolução ainda maior do KO na defesa.

    Minha razões: a limitação defensiva é tão evidente, ele KO foi cobrado e demonstrou vontade em melhorar. KO, para continuar evoluindo defensivamente, precisa de um trabalho específico de força e velocidade.

    Considerando que é novo e dedicado, se ele quiser e for orientado (cabe ao Celtics essa orientação) tenho certeza que vai melhorar.

    Mas, reitero, não vamos nos iludir: de uma defesa inexistente, hoje ele apresenta desempenho tímido. Acredito que pode se tornar um defensor esforçado e aceitável.

    Obtido tal patamar, a companhia de um Center defensivo (minha preferência seria pelo Mahimni) nos tornará KO bem valioso.

    Em resumo: hoje eu não trocaria o Kelly Cabeleira por um porte de amendoim sem amendoim.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.