Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

De dúvida a questionável: Gordon Hayward está perto de reforçar o Boston Celtics na final do Leste

Depois de ser listado como dúvida para o segundo jogo da final da Conferência Leste da NBA, entre Boston Celtics e Miami Heat, o ala celta Gordon Hayward teve seu boletim médico atualizado pela franquia verde e branca de Massachusetts nesta sexta-feira (18). De acordo com o departamento médico do Celtics, Hayward é questionável para a terceira partida diante da franquia da Flórida.

De acordo com o jornalista Adrian Wojnarowski, da ESPN, o Boston Celtics está esperançoso de que Gordon Hayward possa desempenhar um bom papel vindo do banco de reservas, já que o ala ainda não está totalmente em forma depois de sofrer uma entorse de grau 3 no tornozelo direito há pouco mais de quatro semanas, em partida diante do Philadelphia 76ers, pelo primeiro round da Conferência Leste.

Ansioso pelo retorno de Gordon Hayward, o Boston Celtics volta a enfrentar o Miami Heat na noite deste sábado (19), às 21h30 (horário de Brasília), no Walt Disney World Resort. O Heat está em vantagem na decisão da Conferência Leste, após duas vitórias consecutivas diante do time verde e branco de Massachusetts.

Author avatar
Gustavo Arruda
Gustavo, 28 anos, é maranhense de São Luís, jornalista formado pela UFMA e repórter do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011, com mais de 1.700 textos publicados. Nas horas vagas, é goleiro, armador, tio do João Gabriel e da Alice, e também dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

19 comentários

  1. Fernando Silva

    Gosto do jogo do GH.

    Entendo que ele estava sim no mesmo nível do Jazz nesta season. É o que os números mostram, além da sua participação em pontos não captados por gráficos.

    Porém é fato:

    1. Ele se lesiona demais.

    2. Seu compromisso com a equipe é relativo.

    3. Poxa, como assim fora de forma? São 4 semanas! Ok, a lesão foi no tornozelo. Não sou especialista, mas não seria possível manter a forma? Não haveriam opções de treino físico preservando o tornozelo lesionado?

    É fato: precisamos de GH para avançar e ponto final.

    Ao invés de vermos Theis chamando jogadas no garrafão, prefiro ver GH suprindo as lacunas do Kemba.

    Sobre nosso armador, para mim 10 a 0 sobre KI na conduta em grupo.

    Mas estou esperando uma partida a altura do seu potencial contra o Heat (e a altura das finais – é o momento dos grandes jogadores, certo Kemba?).

  2. Marco Antônio de Paula

    Acho uma situação complicada essa definição do GH para esse jogo. Se for para entrar um GH realmente recuperado, vai trazer um grande avançao e ajuda para a equipe. Se vier um cara ainda limitado pela contusão, esquece. Vai contrinbuir para uma vitória mais Fácil do Heat.

  3. Não dá pra esperar muito dele nessa série, mas se conseguir desafogar a armação nem que por alguns minutos, deixar o Wanamaker trabalhar melhor a bola (a que ponto chegamos meus amigos! WANAMAKER tem sido o condutor do ataque em boa parte do jogo!), talvez, TALVEZ o Kemba consiga espaçar melhor a quadra e conduzir as finalizações, Tatum consiga espaçar melhor a quadra (estão deixando o Brown esquecido em um canto da quadra e sempre dobrando a marcação), os pick n´ rolls vão sair mais bem executados (a defesa vai ter que manter uma certa atenção com o Mid de todos os jogadores), e também vai conseguir liberar o TATUM do jogo de meia quadra (parece que só ele está conseguindo desenvolver essa parte).

    O Smart se vira, o cara consegue fazer de tudo um pouco.

    É um quebra cabeça ferrado, mas mesmo que seja usado durante alguns minutos, pode ser o diferencial pra não deixar o HEAT cortar os 15 pontos. O Hayward consegue impactar o jogo sem aparecer tanto, por isso tem esse valor mesmo com números “normais”, é orar para o que eu falei aí em cima se concretizar.

    E também não precisa contar com os pontos sofridos do BROWN, o que já é um alento e tanto.

    • Marcos

      É um ex-jogador em atividade.

      Também é a pior contratação do Celtics em décadas, mas nisso ele não tem toda culpa, dada a lesão que sofreu.
      120 milhões de dólares por 30 segundos de jogo contra o Cavaliers.

      No entanto, se ele vier para jogar no lugar do Ojeleye e ter a “excelente idéia inovadora” de passar a bola para o pivô na área pintada contra essa defesinha zona, pode ajudar.
      Pode até virar assistente do Stevens – Nosso técnico ainda não viu isso e o “pivô” reserva costuma ser o Grant Williams que joga aberto para arremessar de 3.

      Tudo que peço é não passar de 20 minutos em quadra.

      Abs verdes

      • Realmente, jogar contra zona é indicio de pivô fazendo estrago, mas na NBA atual quais pivôs sabem fazer esse tipo de jogo e tem qualidade pra finalizar a jogada? E ainda mais conseguir defender o atleticismo insano de um ataque com Adebayo, Butler e Crowder?

        Theis está fazendo milagre nesse garrafão, e ainda está conseguindo desenrolar o ataque abrindo espaços nessa defesa super bem postada do Heat. Quando o Kanter entrou, o ataque desenrolou super bem (ele entende esse tipo de jogo), mas foi jantado na defesa pelas rotações ofensivas. E o Willians Pivô vai ser um peso morto em quadra, contra o Raptors deu pra usar por causa do esquema de meia quadra do adversário, mas ele não sabe passar, não arremessa e não é móvel o suficiente pra abrir espaços.

        O jeito é usar um Ala-pivô, que seja móvel o bastante pra defender o Adebayo, tenha capacidade de enxergar o jogo e conseguir infiltrar nos espaços da 3-2 que o Heat usa, e ainda ter capacidade de finalizar a jogada caso precise. O Celtics não tem NINGUÉM que consiga fazer isso (era pra ser o BROWN, mas….)

        Sobram Willians que tem boa capacidade de produção ofensiva, sabe finalizar e consegue conduzir o ataque quando preciso, e Ojeleye que tem capacidade física suficiente pra parar o Adebayo ou qualquer outro jogador no 1×1.

        Não é a questão de não estar jogando com quem tem pra jogar, é jogar com o que tem pra conseguir parar o adversário. e defesa em zona se resume ao quanto seu Pivô consegue se movimentar lateralmente e o quanto seu armador consegue enxergar o jogo (eu era Pivô com 1,88 jogando contra caras de 2,10, sei bem do que estou falando, rsrsrs)

        • Marco Antônio de Paula

          Respeito sua avaliação. Com relação ao jogo de garrafão na NBA é bem diferente da pelada que você jogava contra “caras de 2,10m” . Grant Willians e Ojeleye não conseguiram defender nosso garrafão na Série contra o Heat. Talvêz o Theis em alguns momentos do jogo conseguiu isso, quando recebia a ajuda do Tatum ou do Brown.

          Theis, paesar de ser um cara raçudo , é um cara lento que precisa dessa ajuda. Ele tem sua limitações e isso fica mais visível contra times que atacam mais forte o garrafão.

          Acho que o Robert Willains ainda não foi testado nessa série contra Miami. Acho que ele melhorou muito seu jogo. Já conseguiu melhorar seu arremesso. Acho que a defesa dele é bem melhor ali no garrafão do que Ojeleye e Grant Willians. Na minha visão vale a pena essa tentativa.

          Já estamos perdendo a série de 2×0. Temos que tentar algo para reverter essa situação. Grant Willians e Ojeleye não vão fazer isso. Então tentar o RW ali e o que vier é lucro.

          • Cara, agradeço o respeito, seria bom se tivesse mais gente assim no site, que sabe discutir sem ser babaca (por isso parei de comentar aqui).

            Realmente, já estamos no período dos testes, Colocar RW agora seria interessante pra der no que vai dar.

            Também creio que seja questão de opinião, mas visto que pelo menos a defesa está “meio” encaixada, mas o ataque está na base do aleluia, eu até entendo a escolha do GW em relação ao RW, mas vamos ver no que vai dar, independente do que seja feito, só quero que a vitória venha…

            PS: Não era pelada, era “semiprofissional” mesmo, só não tentei seguir carreira porque no Brasil é pedir pra não dar certo. Era pivô e um dos mais baixos do time, o técnico só me tirava do jogo quando eu começava a bufar em quadra. Saudades dessa época…

          • Marco Antônio de Paula

            Wesley, grato por sua opinião. Eu acho que nossa vitória passa pela defesa. Se for querer brigar na base do ataque, acho que o time deles leva, eles tem um ataque melhor que o nosso. e Nosso estilo de jogo é defesa forte e roubo de bola pro contra ataque.

            Celtics de Stevens tem dificuldades de ataque, até mesmo por ser um time que utiliza pouco o passe. RW além de garantir mais proteção de garrafão é um cara bom em rebotes; Ultimo jogo vimos Herro pegar rebotes ofensivos, isso não pode acontecer.

            Os caras tem um time que tenta muito o jogo de fora. Ter um bom reboteiro defensivo seria uma boa, para não dar a segunda chance pros caras.

            Mas você falou bem, Independente da Estratégia o importante é que venha a vitória.

        • Marcos

          Wesley, concordo que não temos PF (um buraco no elenco que destacamos aqui antes do início da temporada) e que Theis tem feito um trabalho decente.

          Agora não podemos viver com o pensamento de “não vou colocar pivô pq vem bola de 3”.
          Ou seja, não tomamos a atitude de testar com medo de errar.
          Isso é totalmente absurdo.

          O Fakers moeu os Rockets (e agora o Denver) arrebentando a defesa zona deles com Davis, Mcgee e Howard.
          Mobilidade lateral excelente desses, só o Davis.

          Timelord precisa de minutos para ontem contra essa zona do Heat.
          É ponte aérea o tempo todo.

          Agora, suponha que o plano seja usar o Grant para dar um descanso para o Theis.
          Ok, é meio ruim a escolha, mas vá lá.
          O que vc faria em termos de escolha de minutos e momentos?

          O que tem acontecido:

          Exemplo 1.
          Ok e joga nove minutos (de box score zerado) e no último quarto entra Grant Williams CONGELADO no jogo para jogar 4 minutos.

          Exemplo 2
          Repita exemplo 1 com Kanter e Grant, com Robin e Grant, com Grant e Robin é (para não deixar passar o jogo 3 de Toronto) Robin e Tacko.

          Não se coloca jogador gelado no último quarto.
          Isso é básico (ou desespero do treinador), sinceramente.

          Precisamos mt da vitória hj.
          Abs verdes,

    • Fernando Silva

      Ainda acredito nesta season.

      Depende do que ocorrer hoje, evidente.

      Concordo que RW precisa receber minutos.

      Kanter vai nos trazer problemas defensivos óbvios e nossa defesa está ok.

      RW precisa receber a bola perto da cesta e atacar. Precisamos entregar a ele um plano simples.

      Também usaria mais o Theis no ataque.

      Por fim, tentaria martelar este ataque com nossos pivôs para minar Adebayo.

      Muitas trocas de bola e, tão logo Adebayo se ver com Kemba, Brown, Smart ou Tatum, é chamar ele para dançar e acionar nosso pivô embaixo da cesta.

      Logo o pivô adversário estará no banco cansado ou com faltas.

      Tire Adebayo do jogo e vejamos o que o Heat faz para suprir a lacuna.

      Duvidam da opção por KO na 5? Seria o sonho? Já tem ocorrido algumas vezes na marcação zona do Heat.

      Se ocorrer partimos para o nosso melhor: Kemba, Smart, GH, Brown e Tatum.

      Deve virar um sonho no ataque SE TROCARMOS BOLA para chegar:

      1. A quem estiver melhor posicionado para o chute, ou

      2. Ao match qualquer um x KO, ou

      3. Nas posições de 3 a 5 x Herro

      Se movermos bola no ataque, fazendo ela entrar no garrafão, vamos subir de produção no ataque.

  4. Marcelo Gouveia

    Lembrando que esses podem ser eventualmente os últimos dois ou três jogos do GH com a camisa dos Celtics.

    Tava lendo um site gringo, com trades possíveis para as 30 franquias. Vi duas sugestões para GH. Com o Indiana, vindo Myles Turner. Ou com os Spurs, vindo Aldridge. A temporada de especulações tá aí.

    • Marcelo Gouveia

      É o que temos. O cara tá sem jogar há alguns jogos, tá se recuperando de lesão, a série decisiva tá indo pelo ralo, ele vê o próprio nome sair em tudo quanto é site/blog com especulação de troca. Assim tá a cabeça do cara, a poucas horas de um dos possíveis dois ou três jogos dele pela franquia.

    • Marco Antônio de Paula

      Marcos essa sua observação foi boa. No primeiro jogo contra o Miami, no ataque final dos caras, jogamos sem pivo, com Tatum pra defender o garrafão. A desculpa foi que desse jeito iria diminuir as chances do Heat tentar a bola de 3. Resultado, Buttler atropelou o Tatum no garrafão e fez a Cesta. Mas o que importa é que qualquer que seja a estratégia nos leve a vitória.

      • Marchall

        Aldridge mesmo idoso é bem melhor do que todos os pivôs que temos!

        Como eu disse nas semanas que se passaram, ou contrata um Pivô decente e um pontuador vindo do banco ou ano que vem é punheta de novo.

        As escolhas dos últimos drafts pós Tatum foram ridículas.

        E não precisa voltar agora não Gordon Hayward. Já estamos eliminados. Quero você bem longe do Celtics.

        • Marcelo Gouveia

          Esse pontuador vindo do banco poderia ser o Schroder.

          Assim como o Marco Antônio, vejo a franquia imaginando um time em torno de Tatum e Brown. Mas acho que Brown não deveria ter status de inegociável.

          Junto com GH, Brown pode ser um chamariz pra alguma trade de impacto, que saia do lugar comum. Como o grego, p. ex, se é que ele vai sair.

          Ousadia tem hora. E a hora é essa.

    • Marco Antônio de Paula

      Bem eu não sei se traria o Lamarcus. Achei a ultima temporada dele muito preguiçosa. Não sei se o cara ainda está com instinto de vencer ou apenas instinto pára ganhar dinheiro

  5. Fernando Silva

    Ainda acredito nesta season.

    Depende do que ocorrer hoje, evidente.

    Concordo que RW precisa receber minutos.

    Kanter vai nos trazer problemas defensivos óbvios e nossa defesa está ok.

    RW precisa receber a bola perto da cesta e atacar. Precisamos entregar a ele um plano simples.

    Também usaria mais o Theis no ataque.

    Por fim, tentaria martelar este ataque com nossos pivôs para minar Adebayo.

    Muitas trocas de bola e, tão logo Adebayo se ver com Kemba, Brown, Smart ou Tatum, é chamar ele para dançar e acionar nosso pivô embaixo da cesta.

    Logo o pivô adversário estará no banco cansado ou com faltas.

    Tire Adebayo do jogo e vejamos o que o Heat faz para suprir a lacuna.

    Duvidam da opção por KO na 5? Seria o sonho? Já tem ocorrido algumas vezes na marcação zona do Heat.

    Se ocorrer partimos para o nosso melhor: Kemba, Smart, GH, Brown e Tatum.

    Deve virar um sonho no ataque SE TROCARMOS BOLA para chegar:

    1. A quem estiver melhor posicionado para o chute, ou

    2. Ao match qualquer um x KO, ou

    3. Nas posições de 3 a 5 x Herro

    Se movermos bola no ataque, fazendo ela entrar no garrafão, vamos subir de produção no ataque.

    • Foi interessante que o Brad fez exatamente o que você disse, mas ao invés de ser com RW ele utilizou o Kanter, e pra sanar a deficiencia defensiva ele colocou Kanter x Iguodala na defesa, foi um negócio de gênio, no momentos que Iggy estava em quadra, o Kanter sambava no garrafão deles, Hayward entrou no buraco da defesa em zona e distribuiu o jogo de forma certa.

      No ataque o jogo sempre rodava pra bola cair contra alguém em matchup favorável e os chutes sempre saíram suaves.

      Jogar contra zona não tem erro, o problema é fazer acontecer.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.