Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Análise da temporada – James Young

Selecionado na 17ª escolha pelo Boston Celtics no último draft, o calouro James Young teve um ano de destaque atuando pelo Maine Red Claws, filial celta na liga de desenvolvimento, tendo poucas aparições na equipe titular e atuando sempre com minutos reduzidos. A expectativa inicial de uma temporada de “tanking” deu esperanças ao torcedor celta de ver Young mais vezes em quadra, mas o comprometimento do treinador Brad Stevens com resultados fez com que essa expectativa não se transformasse em realidade. Conforme o calendário foi avançando e as chances de playoffs começaram a emergir, o tempo de quadra do ala que já era curto, foi praticamente eliminado. Considerando este fato, a análise feita leva em conta as atuações de Young tanto com o Boston Celtics (com maior peso) quanto com o Maine (com menor peso).

Notas da equipe:

Daniel EmilianoFábio MaletLucas FrançaRômulo PortugalThiago MatosBruno Penna
DDD+C-D+C-

Os pontos positivos:

  • Arremessos de quadra

Como já pôde ser observado nos tempos de Kentucky, Young demonstrou que seu arremesso de três pontos é atualmente a arma mais perigosa de seu arsenal. Sua mecânica de arremesso está praticamente polida, e se traduz em uma incrível facilidade para chutes de média/longa distância. Algumas atuações de James na D-League foram extremamente animadoras, com excelentes sequências nas bolas de três, somadas ainda a alguns lances de efeito como belas enterradas.

  • Step-back jumper

Ele ainda precisa evoluir ofensivamente, com foco em criar o próprio arremesso, já que a maioria de seus pontos vieram de assistências recebidas. Mas uma notícia animadora é que sua maior tendência nesse tipo de jogada (isolation) é executar o step-back seguido do jumper, o que é uma boa notícia já que os principais jogadores da liga atualmente (Stephen Curry e James Harden) usam, abusam e dominam essa habilidade, que se configura como uma das maiores ameaças aos marcadores adversários.

Os pontos negativos:

  • Defesa

Definitivamente a maior lacuna a ser preenchida no jogo do jovem de apenas 19 anos. Pelo Boston Celtics, ele se mostrou diversas vezes confuso no esquema defensivo da equipe e ainda precisa amadurecer quanto à isso. Vale ressaltar que poucos chegam à NBA com a maturidade defensiva de Marcus Smart e é extremamente normal ver calouros sofrerem na marcação ao adversário.

  • Dinâmica ofensiva

Não é possível construir uma casa com apenas um tijolo; Young não pode viver apenas das bolas de longa distância, de maneira que precisa se aproveitar de sua boa envergadura e agilidade para realizar infiltrações, se tornando assim uma verdadeira ameaça ofensiva. Ainda não vimos muito disso no primeiro ano como profissional do atleta.

  • Aproveitamentos destoantes

Para um jogador de sua posição, seu aproveitamento de lances livres foi péssimo jogando pelo Celtics (55,2%). Da longa distância, a diferença entre o aproveitamento com o Red Claws (44,2%) e com o Celtics (25,8%) foi difícil de compreender. É como se estivéssemos analisando dois jogadores distintos. É claro que a ansiedade e a pressão de atuar entre os melhores jogadores de basquete do mundo influencia nos números, mas a essência do seu jogo não pode aparecer apenas em determinados níveis de competição.

Estatísticas na temporada – Celtics:

StatsJogosMinutosFG%3P%eFG%FT%RebAstStlBlkTOPontos
Total3133235.3%25.8%46.2%55.2%4213825105
Média3110.335.3%25.8%46.2%55.2%1.40.40.30.10.23.4
Por 36 Minutos313635.3%25.8%46.2%55.2%4.61.40.90.20.511.4

Estatísticas na temporada – Maine Red Claws:

StatsJogosMinutosFG%3P%eFG%FT%RebAstStlBlkTOPontos
Total1756046.3%44.2%46.2%76.6%823425844365
Média1732.946.3%44.2%46.2%76.6%4.82.01.40.52.621.47

O que esperar da próxima temporada:

É sempre importante lembrar que James não participou da pré-temporada junto com a equipe já que se recuperava de uma leve lesão. Isso é capaz de afetar a temporada de qualquer atleta, e para um calouro, este efeito é ainda amplificado pois sua adaptação ao sistema tático e entrosamento com o restante dos jogadores ficam prejudicados. Considerando que na próxima pré-temporada Young estará saudável, os benefícios de uma Summer League e um maior tempo treinando com a equipe deverá render ao ex-Wildcat um significativo avanço no seu jogo.

Com o que pôde ser observado nesse ano em seu jogo, seria bem interessante ver Young atuando não na posição 3, mas sim na 2. Ele tem agilidade para defender nesta posição e pode se aproveitar de sua boa estatura para levar vantagens em confrontos contra jogadores mais baixos. Sendo assim, parece que a melhor opção é utilizá-lo desta forma. Não surpreenderia se Brad Stevens e a comissão técnica começassem a explorar essa possibilidade desde já.

A temporada 2015-2016 será essencial na carreira de Young, e ele precisa mostrar que pertence à NBA. Na configuração do elenco atual, existe uma brecha na posição 2 que James pode facilmente preencher, atuando como reserva imediato de Bradley. No sistema de jogo priorizado por Stevens, há espaço e muito para quem consegue matar bolas de três. Se James Young mostrar desenvolvimento físico e defensivo, esperem vê-lo com muito mais minutos em quadra com a camisa celta.

Melhores momentos na temporada:

https://www.youtube.com/watch?v=7TCOEzsb9wQ

Author avatar
Bruno Penna
Nascido e criado no Rio de Janeiro, é formado em Administração e apaixonado por esportes. Começou a se interessar por basquete em 2005 ao assistir um monstro chamado Kevin Garnett em quadra. Se apaixonou pela história do Boston Celtics e desde então dividiu o fanatismo que antes era ocupado só com o Botafogo.

11 comentários

  1. drakes

    Analisar e projetar o Young desde o começo seria pela idade, atletismo, etc pensando em um ano ou dois de desenvolvimento no time do Maine Red Claws e comparar com estágio de desenvolvimento do draft deste ano.

    Vendo assim, ele é talvez o top ala ofensivo se ficasse mais um ano em Kentucky, seus números na liga de desenvolvimento foram expressivos, eu diria que B-.

    Talvez entrando a redundância em cena, como ele virá do banco, sendo que o Celtics tem Olynyk e IT dois jogadores ofensivos por natureza e defesa contestada, pode ser que ele seja supérfluo, mas esse é um problema que só se sabe dependendo quem virá para compor o time.

    • Marcos

      Drakes, gostaria que o KO ‘vazasse’ e o Young ficasse mais tempo no roster essa temporada.

      Ele tem atleticismo e potencial, precisa ficar com o time profissional e ter treinadores e nutricionistas à parte.
      Acredito no potencial do garoto para true scorer se ganhar massa e confiança.

      []s verdes

  2. PHABIO PASSOS

    PELO JOGOS, QUE VI DELE NA NBA, ELE JOGOU CERTINHO, NAO ERROU MUITO, FALTA EXPERIENCIA CLARO, ELE COMO FALARAM PERDEU A PRE TEMPORADA, MAS, ESTE ANO VAI TER ESTA PRE TEMPORADA,ACHO QUE PRECISA MAIS JOGOS, ELE TEM UM POTENCIALLL..

  3. Renato

    Sinceramente me decepcionei com o garoto. Entendo que e muito jovem e perdeu a pre temporada, mas toda a vez que entrava em quadra parecia assustado e perdido.

    Alias essa e minha unica critica ao Stevens, deveria ter dado mais minutos de quadra a ele, mesmo que isso custasse uma melhor colocaçao ou Offs.

    Nao ficaria insatisfeito se o Ainge usa-lo para subir nesse draft e pegar Winslow ou Stein, mesmo tendo o risco de no futuro ele despontar.

    • Jota

      Com 18 anos quer que não pareça assustado, nervoso, perdido e todo o resto?! Impossível não sentir isso. Quantos com essa idade tiveram boas temporadas de rookies?! Provavelmente conta-se nos dedos de uma mão.

  4. Jota

    Se o Pierce quiser ele será o nosso Klay Thompson, só que melhorado. Boto muita fé no jogo desse moleque, desde que o acompanhei em alguns videos e poucos jogos que vi na temporada dele em Kentucky.

    Habilidoso demais, jogo refinado e pra mim sera um atirador e tanto se tudo der certo. Suas infiltrações também darão certo, na medida que a confiança vier. O terceiro vídeo, de highlights, dá para vermos o quanto ele sabe trocar de direção rápido demais com cross, finalizar ao redor do aro em um finisher que começa a aparecer. Acho a mecânica de arremesso dele muito boa e rápida. Seu ponto mais negativo mesmo é a defesa, e ele pode acabar sendo nosso ponto fraco na forte defesa que o Stevens já começa a desenhar com o time. Acredito que os aproveitamentos destoantes vão TODOS por conta de estar com 18~19 anos jogando na NBA, tanto que os números na D-League de FT, por exemplo, são infinitamente melhores. No FT não tem como pesar a marcação de profissional com jogadores em desenvolvimento (Como pesa em %FG). O negócio tá na cabeça mesmo. Pressão e é normal.

    Essas médias dele na D-League são de encher os olhos e muita ansiedade para um futuro em que ele esteja lapidado e pronto. Acredito até que ele vá começar a ganhar seus minutos para desenvolvimento com a saída do Evan Turner, que joga nas 3 posições (Acho que vai ser negociado sim).

    Como dito no artigo, é extremamente importante que ele demonstre bom jogo e foco na summer league e na pré temporada para ser a sombra do Bradley e, sendo tão participativo no ataque, tomar-lhe a vaga para delírio da maioria aqui no blog.

    Ps: Ainda estou perplexo com esse FG% de 2pts e 3pts. Sei que é D-League e tudo mais, mas é de impressionar, principalmente se pegarmos as sequências que ele acerta as bolas na medida que esquenta. Nada mal.

  5. Lucas

    Bom dia! Alguma novidade sobre possíveis transações? Gostaria do DeAndre ‘Show Time’ Jordan vinhesse pra Boston, porém, na horas dos lances livres ele seria presa fácil, podendo botar em risco uma eventual decisão no fim do jogo com tantos disperdícios. Li alguma coisa relacionando o Demarcus Cousins ao Boston no site da NBA, porém, não me interei muito. Seria uma boa também. Quanto ao Love, acho improvável despois da banalidade cometida pelo Olinyk. Kawhi Leonard, ao meu ver, pode querer e muito testar o mercado. O que acham?

  6. Eduardo Rocha

    To com o Jota nessa.. Young pode ser um dos jogadores mais talentosos que já draftamos nos últimos anos. Eu pergunto, o que é mais fácil, aprender a defender bem ou aprender a atacar bem?
    Acho que defender é mais fácil de aprender, tendo em vista que você precisa ter mais raça do que técnica para isso, então estou tranquilo quanto a evolução desse garoto, se esse ano ele tiver mais espaço no roster o desenvolvimento dele virá mais rápido. Aposto nisso. Não acho que o Ainge pense em troca-lo, seria dar um tiro no pé, investir em um jogador por uma temporada para troca-lo na outra por mais uma promessa.

  7. The Real Jay

    Calma Renato, James Young é novo deemaiiiiissss, nessa próxima temporada podemos exigir mais dele e torcer pro Stevens dar uns 14min pro garoto. Verdes!

  8. The Real Jay

    Enquanto o draft, tomara q Ainge suba, nos moças estão dando Kaminsky no celtics, ele é muito bom, porém na NBA vai jogar na 4 com um pivô defensivo do lado dele, ele vai dar muitoo trabalho.

  9. […] o pensamento de Stevens, Young nunca conseguiu emplacar durante sua temporada de calouro. Um acidente de carro, antes do 2014 NBA Draft, prejudicou suas entrevistas com franquias […]

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.