Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Seja como a água

Be like water (Seja como a água em português) é uma famosa frase e filosofia de Bruce Lee.

A filosofia diz que para derrotar um adversário “O combatente deve fluir como a água, sem forma definida, adaptando-se às circunstâncias.”

“- Se você coloca a agua dentro de um copo, ela toma a forma de um copo, se você a coloca dentro de um bule, ela toma a forma do bule. A agua se adapta, ela pode fluir, mas ela também pode arrebentar.”

O que essa filosofia de Bruce Lee tem a ver com o Celtics? Aparentemente, tudo!

Provavelmente Brad Stevens não tem montado sua equipe se baseando nas filosofias de Bruce Lee, mas nas próximas linhas você verá que consciente ou inconscientemente, o Celtics tende a seguir a filosofia do Jeet Kune Do para essa temporada.

Aceitar a realidade antes de treinar para ela

Bruce Lee sempre disse que o problema das pessoas é que elas treinam para vencer, quando na verdade deveriam se preparar para perder.

A agua pode fluir, pode arrebentar, mas ela também pode ser bloqueada, represada, evaporada, etc.

Aceitar a derrota é o primeiro passo para o auto conhecimento e é dessa forma que você se coloca no seu lugar, entende suas limitações e daí em diante pode explorar suas virtudes.

Pessoalmente me vejo feliz em ver que a torcida celta, pelo menos em sua maioria, compreende o lugar em que o Celtics se encontra e sabe de suas limitações.

Não temos vários lunáticos achando que o Celtics pode ser campeão nessa temporada, nem na torcida e nem no elenco e isso é muito bom, pois é se colocando no seu lugar e sabendo de suas limitações, que o Celtics vai dar sequência ao próximo passo da filosofia.

A pessoa acima do estilo

Bruce dizia não acreditar mais em artes marciais que obrigavam as pessoas a se moldarem ao seu estilo, quando na verdade era o estilo que deveria se moldar ao corpo e limitações das pessoas.

Um golpe eficiente para uma pessoa com determinado biótipo, pode não ter a mesma eficiência para você. É importante ter um conhecimento próprio do seu corpo e assim buscar o que vai fazer de você um lutador melhor.

Sendo assim, temos que conhecer o “corpo celta”, ou seja, o elenco, para saber quais suas virtudes, fraquezas e no que devemos nos concentrar para nos tornarmos o melhor lutador possível.

O Celtics como sabemos é uma equipe muito profunda, mas sem nenhum astro de alto calibre.

Muitos podem dizer que Isaiah é esse homem, mas Isaiah é fenomenal apenas em um lado da quadra, já que suas limitações físicas o impedem de ser um defensor eficaz.

Essa característica inclusive é compartilhada por quase todos os atletas do elenco. Não existem jogadores completos e que são diferenciados nos dois lados da quadra, mas para qualquer coisa que o Celtics precisar, sempre tem um cara com a característica para realiza-la.

Em contra partida a isso, o Celtics tem um dos elencos mais equilibrados da NBA, onde a diferença de qualidade de um jogador titular, para seu terceiro reserva é muito pouca.

Praticamente não existem em Boston aquele jogador de fundo de rotação que nunca pode entrar, sobre o risco de comprometer o resultado. Todos os atletas podem contribuir em determinados momentos.

Quer uma prova disso? Observe a “tabela de profundidade” abaixo, e veja que o Celtics é a única equipe na NBA que tem um décimo atleta de rotação no top 200 do ranking da ESPN. Aliás..embora a tabela não mostra, o Celtics tem 11 jogadores no top 200.

tabela

Dito isso, já conhecemos “o corpo” celta, e podemos buscar o estilo que melhor se encaixe ao nosso elenco.

Jeet Kune Do

“O caminho de interceptar o punho”, essa é a tradução literal da palavra Jeet Kune Do, mais que uma arte marcial, uma filosofia de combate desenvolvida por Bruce Lee.

Quando Brad Stevens promoveu Jae Crowder para o quinteto titular e manteve Smart sobre Isaiah, construiu um ferrolho defensivo muito poderoso no perímetro celta.

A intenção é clara. O Celtics inicia seus jogos com o intuito de interceptar o ataque adversário (interceptar seu punho).

Mas o “Jeet Kune Do”, ao contrário do que possa parecer por conta de seu nome, não é uma filosofia de defesa e sim de ataque e defesa simultâneos.

Por conta disso, embora o perímetro inicial da equipe seja totalmente defensivo, o garrafão com Zeller e Lee é totalmente ofensivo, visando criar o contra ponto com o perímetro.

Be like water

Embora Zeller e Lee sejam as armas ofensivas a iniciarem a partida, elas não são as únicas da equipe celta, aliás, elas se quer são as mais fortes. O centro ofensivo celta está no banco, onde peças como Isaiah Thomas, Turner, Olynyk e Sullinger aguardam para fazerem seu estrago.

Agora você me pergunta. Se as melhores armas ofensivas estão no banco, porque não iniciar com elas?

Os adversários normalmente virão com seu poderio máximo nos minutos iniciais e a equipe de Boston deverá defender esse ímpeto e estudar o adversário.

Feito isso, as rotações no elenco adversário começarão a ocorrer e é aí que o Celtics fluirá como agua e começará a se adaptar aos movimentos adversários.

Inicialmente Isaiah e companhia poderão se aproveitar de adversários menos qualificados, vindos do banco adversário, para pontuar de forma mais fácil do que provavelmente seria contra o quinteto titular rival.

Sullinger e Amir entram para fazer o papel inverso do quinteto inicial, trazendo uma defesa melhor para o garrafão, enquanto agora é o perímetro que tem a liberdade ofensiva.

Feito as duas primeiras jogadas desse jogo de tabuleiro, é aqui que o Celtics vai adotar como nunca a teoria de  ser como a água.

O garrafão precisa de defesa? Amir e futuramente Mickey, terão mais minutos. O garrafão não está sendo tão explorado pelo adversário e pode dar lugar a um jogador mais ofensivo? Lee e Olynyk terão mais minutos. E por aí vai, em um jogo constante de adaptação, reagindo aos movimentos adversário ao invés de tentar impor seu próprio estilo.

Os resultados práticos

Adotando essa filosofia, teremos algumas certezas para a temporada.

1) Isaiah nunca fará parte do quinteto inicial como muitos gostariam, mas isso não quer dizer que ele vai ter menos minutos do que os iniciais. Tudo vai depender da dinâmica da partida.

2) Se você é um dos que nos últimos dias pediu um quinteto titular com Smart, Bradley, Crowder, Amir e Sullinger, pense melhor! Essa formação fará com que o banco de reservas fique extremamente carente de defensores e assim, quando cinco reservas entrarem em quadra ao mesmo tempo, o estrago na defesa pode ser grande.

3) Titulares podem ter muito poucos minutos com uma frequência muito grande. Isso inclusive já ocorreu na temporada. Zeller teve 6 minutos de quadra contra o Spurs, Crowder 20, e Lee teve 17 minutos contra o Raptors.
Esqueça essa história de titulares e reservas, o Celtics tem jogadores que iniciam a partida e ponto. Nada mais além disso. Dia ou outro, um dito, “terceiro reserva”, jogará 30 minutos, e isso será uma constante na temporada.

 

Observação

Seja você também como a água e continue apoiando o Celtics nas horas boas e ruins, sabendo lidar com as limitações do elenco e comemorando como nunca as metas alcançadas.

Author avatar
Daniel Emiliano
https://danielemiliano.com.br
Daniel é publicitário, web designer e ilustrador residente em Campinas/SP. Em 2008 uniu paixão e profissão e deu vida a um Blog de notícias e opiniões sobre o Boston Celtics.Com ajuda de outros apaixonados o Blog foi tomando proporções inimagináveis e hoje é este Celtics Brasil, o maior site sobre uma equipe da NBA no Brasil.

19 comentários

  1. Diego Gondim

    Parabéns, excelente texto.

  2. Pedro

    Por meio de uns blogs americanos sobre nossa equipe, li uma declaração do Turner, um dos mais cascudos no elenco, que a quinta posição na conferencia é o mínimo que ele espera.
    Considerando o ponto em que voce cita que no elenco não temos nenhum sonhador louco somando com essa declaração, percebemos que a equipe está adquirindo um espírito vencedor e ambicioso bem importantes, mas sem tirar os pés do chão, é claro.
    Ainda tenho uma previsão otimista pra essa temporada, na qual se passarmos do primeiro round do playoffs (contando que nos classifiquemos) já seria uma boa conquista pra essa temporada atual.

  3. Caio Martins

    Texto muito bom! parabéns.

  4. Oberdan Gonzalez

    Post clássico.
    Texto incrível.
    Parabéns.
    Abs.

  5. Fernando C S

    O texto identificou bem as ideias do Stevens. Muito bem escrito. Veja se não seria “auto conhecimento”. Acredito nos offs e talvez na segunda rodada.

  6. Tuhã Schmitt

    Texto muito bacana Daniel, ótimo ponto de vista em relação ao nosso elenco. Entretanto, essa adaptação depende muito do olhar do nosso técnico, apesar de ele estar entre os melhores na liga, também é falho e uma análise errada do jogo por parte dele nos causa a derrota. Isso ficou bem perceptível no confronto contra o Raptors, ele insistiu em alguns jogadores os quais não estavam rendendo e perdemos o confronto.

    Ótimo texto.

    • Daniel Emiliano

      Sim…Stevens terá muita importancia no decorrer dos jogos. Mas assim já foi no ano passado e ele provou ser capaz, tanto que foi fortemente cogitado pra ser treinador da seleção do USA, né?

      Mas com relação ao jogo contra o Toronto… quem não tava rendendo e ele insistiu?
      Lee não tava legal..acabou jogando só 17min

      Turner e Crowder, ambos não estavam bem e eles é que são nossa opção da 3 né…então não adiantava tirar um e dar um monte de minutos pro outro, se o outro tmb não estava bem…hehehehe

      No mais…tudo normal.
      Smart e Bradley estavam com FG ruim, mas estavam defendendo muito bem a dupla Lowry e Rozean que juntos fizeram apenas 8 de 28 arremessos

      • Tuhã Schmitt

        Concordo contigo, acho melhor apostar no Stevens para organizar a rotação da equipe e se adequar ao oponente do que depender da noite inspirada de um All-Star. Em relação ao jogo contra o Toronto, Crowder poderia ter ficado mais em quadra, ou Jerebko na posição 3, ou a formação mais baixa com IT – Smart – Bradley, mas ai já é uma questão de opinião pessoal.

  7. Vinicius

    O Turner não tem feito nada de produtivo e ainda tem atrapalhado e mesmo assim o Stevens insiste em deixa-lo em quadra. Pelo que parece, o Turner é aquele jogador que joga mal mas o treinador não consegue enxergar por ser o preferido!

    • Jota

      Turner deve tá jogando o tanto quanto o Marcus Thornton e o Tayshaun Prince jogaram ano passado às vias de serem trocados. É assim mesmo: tem que expor o produto antes do período de trocas. Ainda veremos muito tempo de quadra para o Turner.

      Ps: Achei que ele fez uma boa temporada ano passado, como um dos mais estáveis do time. Mas esse ano acho mesmo que ele será trocado assim que possível.

  8. Jota

    Bom texto.

    Ficou claro que todos os jogos da temporada que o Celtics tem uma pontuação extremamente dividida. Assim como os Spurs, por exemplo.

    Se pegarmos a boxscore dos Spurs em todos os jogos veremos vários jogadores acima dos 10 pontos e, quase sempre, 1 (Ou 2) acima dos 20 ou até dos 30. É justamente ESSE jogador que nos falta. Nos Spurs é o Leonard; nos Warriors é o Curry; no Cavaliers é o LeBron e o Irving; no Thunder são Westbrook e Durant; No Clippers é o Griffin e por aí vai.

    Dificilmente iremos algum lugar sem essa estrela no time. É o cara que poderá chamar a responsabilidade, que será bom nos dois lados da quadra (Dominando um ou outro lado); aquele cara que fará os demais jogadores serem bons também. Todos esses citados acima fazem isso. Apesar do Thomas ter média de 20 pontos, é um jogador que tá longe dessas características.

    Ainge deveria pensar seriamente em apostar as fichas, fichas pesadas, para nos trazer esse cara. Não adianta termos profundidade em um elenco de fraco pra médio. Essa profundidade nunca vai ser produtiva. Vai sempre nos deixar no meio. E o meio é pior que ser ruim, porque nem mesmo no draft poderemos tentar a sorte.

    Pense, POR UM MINUTO, o quão bom seria para o Celtics ter escolhas top 5 no draft de 2015, por exemplo. Poderíamos ter pegado um Center ou um defensor de garrafão no draft do ano passado, que estava repleto (Okafor, Towns, Porzigins, Turner, Cauley-Stein e Lyles). E no draft de 2016, repletos de bons Alas e Alas-Pivôs (Simmons, Ingram, Bender, Brown, Labissiere, Poeltl e etc). Teríamos uma base ainda melhor, MUITO melhor que a de hoje. É só uma questão de arriscar.

    Eu acho que a melhor estratégia é sair do meio. Ou piorar muito ou arriscar para realmente melhorar. Ficar no meio e morrer sempre no 1º Round, ou se quer ter uma campanha positiva é muito pouco para o Celtics. “Vamos aos playoffs, pelo menos. Uma vaguinha na 8ª seed tá ótimo”. Pra mim é péssimo. Pra mim é pior do que o Wolves e os Lakers fizeram. Fazer isso por 2 anos então…

    Para pensar em times que não conseguem atrair bons jogadores, assim como o Celtics: Magic, Bucks, Jazz, Wolves… Olhem bem em como eles estão montando os times. VIA DRAFT! Esse é o caminho, não dá para ficar sonhando com Durant ou Cousins quando se começa do 0, ou não tem NENHUMA estrela para atrair outras.

    • Renato

      Seguindo esse seu pensamento tenho refletido bastante se o melhor para nós nessa temporada não seria ficar fora dos offs.

      O Nets quase com 100% de certeza serão uma equipe de escolha TOP 10, com boas chances de ter escolha TOP 5.

      O Mavs correm o risco de ter uma escolha entre 10 e 14.

      O Celtics fora dos offs, deve ter outra escolha entre 10 e 14

      Ou seja, se as coisas funcionarem dessa forma teríamos 3 escolhas de loteria, o que nos daria uma grande arma de barganha para conseguir o tão sonhado franchise player.

      Uma outra hipótese seria sangrar o Nets por completo, trazendo o Brook Lopez via trade no meio da temporada, tirando sua saúde que é sempre questionável, seu talento é enorme e pode ser o cara dos 20 pontos no time titular. Aceitaria dar alguma boa escolha draft para eles mais jovens jogadores, desde que não envolvesse as escolhas NETS 2016,2017 e 2018

      Quero ver o Celtics brigar lá em cima com os demais, e não ser surrado por outras equipes nos offs.

      Temos muita flexibilidade e um grande treinador, uma hora as coisas vão correr bem para gente.

      • Tirar o Brook do Nets seria uma grande jogada, mesmo ele se machucando e nem jogando aqui… só pra piorar o time deles…hahahhahahah

        Mas num tem como tirar o cara de lá, sem das coisas boas em troca….que por sí, melhorariam aquela porcaria lá…rs

        • Renato

          Rolou o boato que o Nets quer vender a franquia, e pretendem limpar salário, para tornar mais viável esse negócio. O Ainge já teve interesse no Lopez e Ativos temos muito a oferecer sem usar as escolhas NETS. Um Pacote Lee+ Bradley + Young + Celtics 2016 + Celtics 2018 faz o negócio tenho certeza.

  9. Taciro

    Texto muito bom! Parabéns!
    Go Celtics!!!

  10. Thiago Matos

    Texto pra lá de bom, Parabens Daniel

  11. Bruno Ferronato

    O texto está excelente (como de costume), mas embora eu concorde com ele também vou na linha dos que acham difícil que somente isso seja suficiente para algo maior.
    Os mais jovens não parecem evoluir como o esperado, e embora o Stevens seja realmente muito bom também penso que falta um jogador diferenciado. Minha esperança é que esse jogador seja encontrado por meio de alguma dessas escolhas de draft do Nets, visto a dificuldade de conseguir via mercado.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.