Crônica: Nets, Simmons, Draft e a esperança verde