Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Misterioso, individualista, tóxico. Por que a renovação de Kyrie Irving pode estar em xeque?

O nome de Kyrie Irving virou o centro das atenções da próxima intertemporada do Boston Celtics. O astro da equipe alviverde possuía uma Opção de Jogador de apenas 21,3 milhões de dólares em seu contrato, que foi prontamente rejeitada na última semana, tornando-o um agente livre irrestrito. Desta forma, é Irving quem pode decidir o seu próprio destino.

De mãos atadas, e dependendo apenas da vontade do atleta, o Presidente de Operações de Basquete do Boston Celtics, Danny Ainge, terá muito trabalho pela frente para aparar as arestas com o armador e obter a assinatura da renovação de seu contrato. Assinatura essa que não é unanimidade entre os torcedores da franquia mais vencedora da história da NBA.

Com suas péssimas atuações na última pós-temporada, o fracasso do Boston Celtics durante todo o ano e diversas declarações que depõem contra o armador All-Star, acendeu-se o debate entre aqueles que acompanham a franquia alviverde de perto: o Celtics precisa mesmo renovar com Kyrie Irving?

Leia Mais
A apatia do Boston Celtics passa pelas atitudes instáveis de Kyrie Irving

 

O Misterioso Kyrie Irving

Um dos motivos pelos quais os críticos de Kyrie Irving mais condenam sua possível renovação contratual, é sua personalidade misteriosa e difícil. Tal fato influencia diretamente na relação dele com seus colegas de time. E convenhamos, Irving possui uma vida um tanto quanto sui generis. A começar por suas origens.

Elizabeth Ann Larson, a falecida mãe de Irving, nasceu em uma tribo americana chamada Standing Rock Sioux. Elizabeth cresceu na carente reserva de sua tribo até ser adotada, ainda jovem, passando a viver longe de seu clã. Ela faleceu quando o armador do Boston Celtics tinha apenas quatro anos de vida.

Para honrar suas origens maternas, Kyrie é bastante envolvido em ações de defesa dos nativos americanos. Em 2016, por exemplo, protestou contra a construção de uma tubulação de gás subterrânea na região onde localiza-se a reserva da Standing Rock Sioux. Por conta da mobilização, o projeto foi redefinido e concluído, sem grandes prejuízos para os nativos, em 2017. Um posicionamento louvável e que trouxe grandes resultados.

Em virtude de sua atitude corajosa e incisiva perante a causa, Kyrie e sua irmã, Asia Irving, foram homenageados e rebatizados pela tribo Standing Rock Sioux, em cerimônia ocorrida durante a última intertemporada da NBA. Kyrie foi rebatizado com o nome de Little Mountain (em português, “Pequena Montanha”).

Na cerimônia, nenhum membro do Boston Celtics estava presente. Um enorme contraste se compararmos com, por exemplo, o casamento de Isaiah Thomas, onde todo o grupo de jogadores socializou junto. Os críticos do atleta citam até que Kyrie não possui amigos dentro do basquete. Eu, no entanto, prefiro enxergá-lo apenas como uma pessoa mais reservada.

E Irving tem todo o direito de ser este cara misterioso e reservado. É sua personalidade, e pessoas possuem maneiras diferentes de lidar com o convívio social. Mas é fato que sua personalidade mais fechada dificulta o relacionamento com o resto do elenco, e suscitou em alguns casos complicados que serão listados no decorrer do texto.

 

Individualista por natureza

Kyrie Irving possui um estilo de jogo bastante individualista. Dono do melhor ballhandling da liga, mágico com a bola nas mãos, criativo e um verdadeiro showman na condução de bola, Irving concentra a bola em suas mãos durante as ações ofensivas de sua equipe. E não há nada mal nisso, afinal, ele possui qualidade para monopolizar a bola.

No entanto, basquete é um esporte coletivo, que não depende apenas da condução de bola. É necessário colocar a bola na cesta para angariar pontos e derrotar adversários. E é aí que este individualismo de Irving mais prejudica suas equipes.

Embora também seja um dos melhores arremessadores e finalizadores da NBA atual, Kyrie Irving, por monopolizar as ações do ataque de sua equipe, acaba atraindo a atenção dos melhores e de múltiplos marcadores adversários. E mesmo assim, ele não procura seu companheiro livre e melhor colocado para conseguir pontos fáceis. Ele vai lá e decide ele mesmo. Sua tomada de decisões é bastante errática, prejudicando a equipe e minando seus companheiros.

E ele quer a bola sempre em suas mãos. Em diversas oportunidades, na sua passagem pelo Celtics, o armador criticou jogadas montadas por seu treinador que não terminassem em arremessos seus. Seja no banco de reservas, quando Stevens detalhava a jogada para toda a equipe ou até publicamente, após a jogada não ter uma conclusão favorável à equipe, durante as coletivas pós-jogos.

E além disso, Kyrie Irving recebeu um tratamento diferenciado da comissão técnica do Celtics, como Terry Rozier confidenciou em sua última entrevista ao First Take da ESPN. Segundo Rozier, mas endossado por outros atletas durante a temporada, a comissão técnica de Boston não buscava corrigir os erros do armador All-Star. O jogador era tratado como intocável, alguém que não precisava de auxílio.

 

A liderança tóxica de Kyrie

I love what you do (Adoro o que você faz)
Don’t you know that you’re toxic? (Você não sabe que é tóxico?)

“Não tínhamos nada a perder ano passado”. Com essas palavras que Kyrie Irving esbravejou com os veteranos Marcus Smart, Al Horford e Gordon Hayward, adentrando os vestiários, após derrota para o Orlando Magic, no dia 12 de janeiro.

O Celtics perdia por dois pontos e o relógio marcava 2,9 segundos restantes no último quarto da partida. Brad Stevens, que ficara conhecido por ser um espetacular desenhador de jogadas para este tipo de situação, desenhou uma jogada que parecia perfeita. Só que a jogada não envolvia Kyrie Irving, que esbravejou ali mesmo, à beira da quadra, para que todos vissem.

Kyrie Irving fez a movimentação esperada, servindo como isca na jogada arquitetada por Stevens, e atraiu a marcação de dois jogadores adversários. Jayson Tatum ficou completamente desmarcado em uma zona de arremesso confortável e em que possui altíssimo aproveitamento. Gordon Hayward, responsável por colocar a bola em jogo, acionou Tatum. Só que o jovem ala encontrou o aro, suscitando em vitória do Magic.

A insatisfação de Irving apenas aumentou quando o time retornou aos vestiários, onde esbravejou. “Nós não tínhamos nada a perder no ano passado. Jogávamos sem responsabilidade, e cada um podia fazer o que quisesse com a bola, porque ninguém tinha expectativa de nada sobre nós. Os jovens superaram as expectativas, então estávamos no lucro. Nesta temporada, as expectativas são reais. Da comissão até os jogadores, é tudo real, e diário. Assim, fica difícil.”

Irving fez questão de verbalizar sua insatisfação próximo aos veteranos, criticando os mais jovens e a comissão técnica. Momentos de tensão e discussões surgiram a partir deste episódio. A cada dia que se passava, surgia uma nova crítica de Irving aos mais jovens, através da imprensa, sempre os cutucando. Comentários que eram direcionados especialmente a Tatum, Brown e Rozier, apesar de Kyrie não citar nomes. Estava claro para todos que havia um racha no elenco do Celtics.

Após o chilique, Irving conseguiu o que queria: Stevens deixou a cargo do armador All-Star todas as jogadas decisivas da equipe. Praticamente não havia jogada desenhada. Kyrie recebia a bola em situação de isolação, com os 4 companheiros abertos e alheios à jogada. O relógio corria e Kyrie quase sempre tomava a pior decisão, executando um arremesso forçado, contestado e sem êxito.

Assim, como pode ser visto na imagem abaixo, Irving arremessou nove vezes durante a última temporada, em situação de “fechamento de jogo” – com a diferença do placar igual ou inferior a 5 pontos e com menos do que 10 segundos restando para o final da partida (quarto período ou prorrogação). E nestas 9 oportunidades, Irving acertou apenas uma, totalizando 11% de aproveitamento. Seus companheiros, que tiveram tais oportunidades basicamente quando o armador era desfalque da equipe, totalizaram 4 acertos em 7 oportunidades, e um aproveitamento de 57%.

Aproveitamento do Celtics durante a temporada 2018/19, em arremessos nos últimos 10 segundos de partida, com a diferença do placar menor do que 5 pontos.

 

Teria Irving bipolaridade ou dupla personalidade?

Após algumas semanas de reflexão sobre os erros descritos sobre sua liderança tóxica, Irving teve uma conversa franca com o elenco e resolveu pedir desculpas públicas ao elenco, deixando claro que estava tendo dificuldades com a função de liderança que tentava exercer no elenco do Celtics.

“Eu percebi que não tinha ideia do que estava fazendo desde o começo da temporada, desde a maneira como jogava, as jogadas que estava chamando, meu relacionamento com Coach Stevens, meu relacionamento com cada cara neste time. Tenho que ser único com cada um deles”, atestou o jogador, que ainda confessou pedir dicas ao seu antigo líder, LeBron James.

“Obviamente, isto foi grande demais pra mim. Por isso, tive que ligar para LeBron (James) para pedir-lhe desculpas por ter sido um jovem companheiro de equipe que queria tudo nas mãos. Eu queria ser o cara que nos lideraria ao título. Eu queria ser o líder. Eu queria ser tudo isso. Mas a responsabilidade de ser o melhor do mundo, e liderar o seu time, é algo que não cabe para muitas pessoas”, completou Irving.

Na sequência deste mea-culpa realizado por Irving, o Boston Celtics teve uma de suas melhores sequências durante a temporada, com dez vitórias em um período de 11 partidas disputadas, incluindo um sonoro triunfo ante os atuais campeões da NBA, o Toronto Raptors.

Pouco antes disso, ainda, Irving havia declarado seu amor a Boston e à torcida, em evento restrito a torcedores que adquirem carnês para toda a temporada da franquia.

“Eu já conversei com alguns companheiros e com a organização, assim como todos em Boston. Se vocês me receberem de volta, planejo renovar meu contrato e estar aqui na próxima temporada”, declarou Irving, no centro da quadra do TD Garden, arrancando coro e aplausos dos torcedores presentes no evento.

Só que na primeira nova instabilidade do Celtics na temporada, eis que reapareceu o “Kyrie do mal”, aterrorizando a torcida do Boston Celtics. Perguntado novamente sobre sua iminente decisão de permanecer no Celtics, Irving esqueceu o que havia dito ao torcedor e foi bastante misterioso sobre sua futura escolha.

“Passei os últimos oito anos tentando fazer o que todo mundo queria que eu fizesse. Tomei decisões com base nisso, tentado validá-las pela mídia, passando por outros funcionários, gerentes, qualquer um neste negócio. Só que eu não devo p**** nenhuma para ninguém. Portanto, pergunte-me (sobre a renovação) dia 1º de julho!”, finalizou o armador.

 

A decepção nos playoffs

Durante toda a temporada regular, tanto Irving, quando seus próprios companheiros, citavam que haveria evolução de performance da equipe na pós-temporada e de que os playoffs são uma competição à parte. Em Abril (início da pós-temporada), começaria outro campeonato.

A primeira impressão deixada pelo Celtics era que realmente eles tinham razão. Não foi uma performance de encher os olhos, mas a equipe de Boston despachou a aguerrida equipe do Indiana Pacers em quatro partidas, contrariando quaisquer prognósticos a respeito da série.

Neste período, Kyrie Irving estava feliz, com declarações positivas e bom relacionamento com o elenco.

Até que veio a primeira derrota para o Milwaukee Bucks, na semifinal do Leste, com atuação fraca do armador alviverde (Irving teve apenas 9 pontos na partida, acertando apenas 4 de seus 18 arremessos, ou seja, 22% de aproveitamento). Neste momento, o “Kyrie do mal” novamente apareceu.

“Não há preocupações extras (sobre o aproveitamento no jogo 2). Foi para isso que fui contratado. É para esse tipo de jogo que Boston trocou por mim”, disse um confiante Irving, após derrota de sua equipe.

Na sequência, o Bucks emendou três vitórias seguidas para despachar o Celtics da pós-temporada. Irving acertou 25 de seus 83 arremessos nas quatro derrotas, totalizando um aproveitamento péssimo de apenas 30% nos arremessos de quadra. Mas isso não abalou a auto-confiança do armador.

Com péssimos aproveitamentos nas derrotas do Celtics na pós-temporada, a capacidade de Kyrie Irving foi posta em xeque

“Quem se importa (com os erros de arremessos)? Eu sou um jogador de basquete. Me preparo da forma certa. Como disse, é diferente quando seu ritmo é desafiado a cada jogada. Eles (os defensores do Bucks) estão fazendo coisas para nos testar”, disse Kyrie Irving, após derrota no jogo 3 da série. “Não acho que você verá eu ter outro baixo aproveitamento nos arremessos como nesse jogo”, concluiu confiante. No entanto, Irving acabou tendo aproveitamento nos arremessos ainda piores nos jogos 4 e 5 da série.

Após outro jogo ruim na quarta partida da série, Irving continuou com sua postura pedante e egoísta: “As expectativas estão muito altas em mim. E estou tentando fazer de tudo. Para mim, arremessar 22 vezes… eu deveria ter arremessado 30! Eu sou um excelente arremessador.”

 

O futuro de Irving parece ser em Nova Iorque

Mesmo antes da abertura do mercado de agentes livres da NBA, dia 1º de julho, os rumores de possíveis destinos futuros de Kyrie Irving parece cada vez mais fortes e convergindo para a cidade de Nova Iorque. Se antes do resultado da loteria do Draft, Irving parecia inclinado a assinar contrato com o New York Knicks, hoje em dia o destino mais provável do armador parece ser outro: o Brooklyn Nets, que já até abriu espaço em sua folha salarial para contratá-lo.

Trunfo do Boston Celtics para convencer Irving a permanecer na equipe, o ala-pivô Anthony Davis acabou tendo outro destino, que não a franquia alviverde. Em negociação finalizada na noite do último sábado, 15 de junho, o New Orleans Pelicans acertou a troca de sua superestrela para o Los Angeles Lakers, frustrando os planos do Celtics em ter Anthony Davis na sua equipe.

Now you’re in New York (Agora você está em Nova Iorque)
These streets will make you feel brand new (Estas ruas farão você sentir-se novo)
Big lights will inspire you (As grandes luzes vão te inspirar)

Author avatar
Fábio Malet
Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e engenheiro de softwares sênior. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby e pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha NBA desde o começo de 2007 e, pé-quente, viu seu Boston Celtics ser campeão na primeira temporada inteira a que assistiu. Torce também para Grêmio, Tottenham Hotspur, Boston Red Sox e Green Bay Packers.

35 comentários

  1. Paulo André Machado Kulsar

    Pode ir para NY. Boston é maior que ele.

  2. Gabs

    D. Russell
    J. Brown
    J. Tatum
    A. Horford
    C. Capela

    M. Smart
    T. Jerome
    G. Hayward
    A. Baynes
    R. Williams

    S. Larkin
    R. Hunter
    S. Ojeleye
    B. Bol
    FA

    SIGN AND TRADE

    K. Irving + G. Yabusele = D. Russell

    TRADE

    Celtics = C. Capela
    Cavs = T. Rozier + E. Gordon + Pick 22
    Rockets = K. Love

  3. Bruno Ferronato

    É até curioso que um cara preocupado com suas origens e que luta pelo bem estar dos nativos da tribo de sua mãe seja por outro lado um jogador tão egoísta e ruim de grupo. Ele realmente parece ter dupla personalidade.
    É um excelente jogador, mas infelizmente seu estilo não casa com o Celtics e não vejo clima pra continuar, sou a favor de que saia.
    Agora nos trocar pelo Nets, não vejo também tanta melhora assim. Fizeram uma boa temporada mas o elenco deles tbm é bem limitado. Se traçar realmente este caminho prevejo a “personalidade malvada” aparecendo muitas vezes. Nets está adquirindo uma bomba relógio.

  4. samucarj

    Ele não vai para NY K. Durant se machucou deve optar pelo ultimo ano de contrato com GSW, ou sejam KI não vai pra lá jogar sozinho ele precisa de alguém pra protege-lo.

    Nesse caso o lugar ideal é LA tem Lebron e A. Davis só falta um armador…. isso é bem provável.

    Acho Brad um grande técnico, mas ele precisa entender que está no Boston Celtics (o maior). Precisamos de um Pivô (coisa que ele não gosta muito) prefere jogar com anões, vide pouco tem de RW em quadra esse ano.

    CHEGA! precisamos de um pivô que resolva nosso problemas.

    Na boa todo ano criamos expectativas e no final, todo mundo de reforça e melhora seu time e nos ficamos sempre com esse papo de núcleo jovem e time promissor.

    Queremos ganhar! DA tem que fazer alguma coisa esse ano e mudar esse time, com esse elenco não vamos a lugar nenhum. Respeito a opinião de todos, mas precisamos de grandes jogadores e não de bons jogadores (esses já temos).

    No passado décadas de 60/70 e 80 Boston ficou caracterizado por fazer sempre grandes contrações, negociações ousadas e o resultado era sempre títulos e um time forte.

    Toronto saiu de um time amarelão para um time campeão em um ano isso é competência! claro que GWS perdeu seus grandes jogadores, mas ele fariam um serie forte do mesmo jeito.

    Estamos a anos nesse papo de reconstrução e nada…

  5. MARCIO RAPOZO VARELLA

    De grande expectativa em 2018/19 para grande incógnita em 2019/20. Qual futuro do celtics?

    • Diego Araújo

      Eis a pergunta q vale mais de 1 milhão, somos uma incógnita, pode ser bom, assim tira a pressão da turma e os caras produzem algo, poderá ser ruim pq aparentemente não vão conseguir trazer um ótimo jogador, talvez jogadores razoáveis.
      O plantel não é um lixo, é possível aproveitar e fazer uma grande temporada, agora até aqui a situação do time não é das melhores, infelizmente.

  6. drakes

    Primeiro elogiar o artigo, bem completo, sobre o Irving foi um all-in que não deu certo, teve azar, a contusão do GH e outros fatores, mesmo assim foram duas temporadas que o Celtics esteve cotado como um dos favoritos ao título do leste, por que em condições normais o GSW seria o campeão.

    Agora o cenário começa em aberto por que TODOS os times tem problemas de elenco ou de renovação ou contusão ou ambos, mesmo a saída do Irving como o artigo explicita pode nem ser uma perda, se vier com S&T pode ser até lucro em termos de esquema de jogo.

  7. Celso Cachali Jr

    Galera realmente nao estou tão preocupado assim, não se nao vier ninguem de peso… o TIme sera centrado para a evolução dos nossos jovens e de verdade quero de mais que isso aconteça… Esperar dois ou tres anos para ver ate onde eles podem chegar… acredito de mais no BRown.
    Só precisamos de um protetor de aro melhor e mais fisico. Playoffs este ano nos estaremos de novo. podem confiar.

  8. Celso Cachali JR

    Foco na fre agent…
    Primeiro Randle ou Favors
    Segundo Russel
    Terceiro Rubio.

    • Marchall

      Provavelmente fará um “Big Three”’ nos Lakers com James e Davis. Ele é assim, nasceu pra ficar na sombra dos outros e só! Vai tarde!

      E quanto ao Celtics?

      Temos boas moedas de troca:
      Rozier; Smart; Hayward; Jaylen Brown

      E picks para pegar algum jovem potencial ou oferecer em uma troca:
      Nossa pick 14 não é tão ruim!

      Segurar nossa “espinha dorsal” e tentar dois jogadores para decidir o jogo: Russell e Capela

      Morris* – Tatum* – Russell – Horford* e Capela

    • Erondi Nunes

      Kyrie vai pros Fakers, agora tem 2 macho lá pra ele.

      Veremos como a NBA vai deixar o Fakers estoura o cap. Afinal cap existe na NFL não na NBA.

      Se Durant estivesse saudável certamente Kyrie iria atrás.

      O q será q o Celtics fará com as picks q tem?

      • Teobaldo

        Bem, Erondi, se eu não fosse um cara fino e educado, diria o que os outros querem que o Celtics faça com as picks que possui, mas é melhor deixar pra lá. Em relação aos Lakers, nós temos que admitir: é muito mais interessante para a liga fazê-los (ajudá-los) a ganhar, do que as outras franquias (Celtics incluídos). Eles sempre terão uma “vista grossa” para o cap. É um mercado mais atrativo. Ponto! Pra concluir, se a liga pudesse, só teríamos franquias em Nova York, Miami e Los Angeles (Fato!). Abraços!

  9. Fernando Silva

    Adios, até mais, já vai tarde, arrivederci, je vous souhaite un boun journeè, by by, vá com Deus e as pulgas, não volte mais aqui, saia e feche a porta, por favor saia, pode ir, inté, boa sorte, que os bons ventos o levem, durou pouco ainda bem, já foi?

    • Marchall

      Marcos

      Cara, gosto dos seus comentários mas esquece CP3. É um ex jogador, que além de caro quer um salário astronômico. Na sua troca você oferece o Marcus Morris que querendo ou não, foi um dos nossos destaques na temporada.

      Temos que pensar em oportunidades que não comprometam nosso mercado nos próximos anos. Por isso seria interessante tentar o Capela (Além de jovem tem mercado depois) e um armador que também tenha mercado depois. Ex: Russell.

      Conseguindo manter Marcus Morris, Jayson Tatum e Al Horford aqui, teríamos um bom time para brigar pelos playoffs com:

      Marcus Morris
      Jayson Tatum
      D’Angelo Russell
      Al Horford
      Capela

      • Edmar Florentino Pogian

        Falou tudo Marchall, acho que tem que pegar mais um com bagagem pra ajudar na rotação

      • Marcos

        Oi Marchall,

        Acho que o CP3 vai ser forçado como contrapeso do Capela.
        Será que ele ainda pode ser útil?

        Abs verdes

        • Marchall

          Com toda certeza acredito que ele possa ser útil sim, é um jogador de peso e sabe aparecer em partidas grandes. Quando você diz que precisamos disso eu concordo totalmente!

          Único porém dele é o alto salário que comprometeria possíveis outras trades do Celtics e não teríamos retorno algum depois por conta da idade. Acho que essas coisas pesam extremamente contra!

          E quanto ao IT, gostaria muito de vê-lo aqui. Só que depois da mancada do Ainge de trocá-lo como se fosse lixo eu tenho certeza que ele não volta mais pra Boston!

      • André

        Continua 2x melhor do que o peladeiro Rozier e continuamos melhor com ele do que sem. Espero que retorne.

  10. Por favor, não mencionem FA de Rubio depois de passar o Davis.
    Dói os olhos e o coração.
    Jogadores sem alteticismo tem que jogar na Europa.

    DM Cousins e Capela estão aí para a briga.
    Algum especialista aí em S&T saberia dizer se dá para fazer duas delas ao mesmo tempo?

    Por exemplo Rozier e Morris S&T com todas as picks + pick ano que vem + qqs reservas por CP3 e Capela?

    O CP3 é velho, mas tem todo o estilo do Stevens. Todo mesmo.
    Daí podíamos trazer o Thomas pelo mínimo na FA e revezar a minutagem dos dois + Smart.
    Evitaria lesões e manteria o rendimento.
    Além disso, a rotação não ficaria com 128391028390128 pessoas para 2 minutos de jogo.

    Dito isso:
    CP3-Brown-Tatum-Horford-Capela
    Thomas-Smart-Hayward-Ojeleye-Baynes
    Baita time.

    Abs verdes,

  11. Fernando Silva

    O problema do CP3 é menos o desempenho e a idade e mais o contrato. Pornográfico.

  12. Marcelo Gouveia

    Boa noite a todos. Apesar do tom da matéria e de alguns comentários, ainda penso que o mais correto seja lavar essa roupa suja, dar um murro na mesa, mostrar pro Kyrie quem manda no time. E trazer esse cara definitivamente pro time, coisa que ainda não aconteceu. Stevens pode ser isso e aquilo, mas só será um coach de verdade se trabalhar com jogadores de verdade e fazê-los jogar como um time de verdade. Pois a franquia é de verdade. E só voltará aos bons tempos quando tiver mentalidade vencedora de volta.

    Por um Boston contundente com a bola nas mãos. Com jogadores sem hesitar. Um técnico destemido. E jogadores top brigando pra usar o nosso verde.

  13. Marcelo Gouveia

    Boa noite a todos. Apesar do tom da matéria e de alguns comentários, ainda penso que o mais correto seja lavar essa roupa suja, dar um murro na mesa, mostrar pro Kyrie quem manda no time. E trazer esse cara definitivamente pro time, coisa que ainda não aconteceu. Stevens pode ser isso e aquilo, mas só será um coach de verdade se trabalhar com jogadores de verdade e fazê-los jogar como um time de verdade. Pois a franquia é de verdade. E só voltará aos bons tempos quando tiver mentalidade vencedora de volta.

    Por um Boston contundente com a bola nas mãos. Com jogadores sem hesitar. Um técnico destemido. E jogadores top brigando pra usar o nosso verde.

  14. tom

    muitas ideias, mas a maioria muito ruins
    não adianta ter pressa agora – A APOSTA foi no KYRIE.
    deu errado, agora é pensar daqui 2-3 anos disputar um titulo. enquanto isso, indo pra playoffs e brigando
    precisamos de uma pick alta nos proximos anos ou uma troca por um grande talento JOVEM.
    na NBA historias como a do raptors são raras. Times que arriscaram tudo sem ter grandes estrelas por trás correm risco de serem medíocres por anos depois disso.
    Foi uma boa RUN, 2 finais de conferencias,alguns bons playoffs – faltou SORTE. lesões, temperamentos,e arriscar uma troca por uma outra estrela(kawhi , paul george, ) limitaram muito as possibilidades.

  15. Na situação que o time está, pra mim é muito óbvio que deveríamos trazer Isaiah Thomas de volta

    O cenário mudou, não temos um allstar na armação, não haveria o desconforto de ser reserva de Kyrie. É o contrato mínimo, é a hora que um precisa do outro, não vejo pq não fazer

    O nosso melhor cenário pra armação é conseguir D’angelo (apesar de isso ser bastante difícil pelas regras do s&t e simplesmente por não interessar ao Nets fazer). Mas vamos supor que consigamos

    Russel vem de uma temporada estupenda, mas está longe de ser uma certeza, um jogador sólido na liga. É um cenário em que Isaiah teria sim seus minutos e a chance de voltar a ser algo parecido com o que já foi

    Mas o mais provável é que Russel não venha. Aí teríamos um Rozier da vida como titular da armação. Temos condições de abrir mão de uma aposta como Isaiah?

    Não acho que essa é a transação que vai salvar o ano, mas é uma aposta que não temos o direito de não fazer. Pra mim é claro como 2 e 2 são 4!

    • O que acham do rumor onde DA pensa em trade envolvendo Beal?? Desde que Irving saia..
      Pontuador nato, chama o jogo… Não sei o que seria envolvido, certamente pick também já que temos 3… Vejamos, acho bom nome e somados à Brown e Tatum seria bom, melhor ainda tendo um Capela chegando junto.

  16. Ricardo

    Pessoal torço para o Lakers mas parabéns pelas matérias e pelos comentários….é outro nível comparado ao Lakersbr, prefiro acompanhar as notícias por aqui(da NBA e ler comentários) do que lá!!!!

  17. Marchall

    Chance do Bradley Beal vir é a mesma do LeBron James jogar no Celtics. É o dono do time do Miami Heat. Sem condições!

    Sobre o Russell, a possibilidade dele vir é associada a uma provável ida do Irving para os Nets. Dai poderia rolar aquele “acordo em off” em troca de um convencimento do Irving a ir pros Nets! (Difícil também)

    A única chance real até agora é o Capela. Acredito sim que o Ainge irá cair matando em cima porque perdeu a disputa do Davis para o principal rival. (Bem possível a sua chegada)

    Do resto, o que temos por enquanto são as nossas picks 14, 20 e 22. São 3 opções que podem ser usada para trocas ou usada para pegar um jovem destaque que complemente nosso time. Ex: Nassir Little!

  18. Marchall

    Pura especulação esse rumor do Beal. É um baita jogador e obviamente cairia como uma luva aqui. Qual o problema então? Todos! Hahaha. Teríamos que dar a vida para ter esse jogador no Celtics.

    A especulação mais forte é a de Julius Randle (noticiada em 3 veículos americanos) e dizem que o Ala-Pivô é alvo do Ainge!

    21 pts – 8rbt na temporada

    O que acham? Pra mim é um jogador comum!

  19. Fernando Silva

    O Randle adiciona se pensarmos no bench.

    Mas, ele vai ser titular? AH na 5 novamente?

  20. Lucas

    Al Horford não deve ficar no celtics, bastante surpreendente essa notícia, mas vamos lá, não acho que seja fim do mundo, eu tenho certeza que o problema que travou a renovação foi o AH pedir uma grana muito alta (apesar de mais baixa) pelos 3 anos de contrato, sendo que sabemos que ele não vai render esses 3 anos nesse nível, e acredito que o celtics não quis pagar. Espero que ele seja feliz e tenha sucesso onde quer que ele vá parar, sempre honrou a camisa.

    Agora sobre nossa situação com isso, pode ser mais positiva ainda, abrimos mais espaço no nosso CAP e agora teoricamente único contrato ruim que temos é o do Hayward, que eu ainda acreditaria nele pelo menos até o all star, e se não render metemos ele numa trade e ficamos com CAP totalmente tranquilo para trazermos novos all star.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *