Brad Stevens reconhece ano difícil do Celtics e assume culpa: “Fiz um trabalho ruim”

Assim como o Boston Celtics foi de favorito ao título da Conferência Leste para uma das maiores decepções dos playoffs na temporada 2018/2019 da NBA, o técnico Brad Stevens também está tendo que lidar com uma nova situação na carreira. Com o Celtics fazendo uma campanha apenas mediana na temporada regular e sofrendo uma eliminação vexatória por 4 a 1 para o Milwaukee Bucks nas semifinais do Leste, contando com um dos melhores elencos da liga, Stevens foi retirado do ambiente de badalação em torno de seu nome, construído após excelente início em Boston, e agora está tendo o seu trabalho duramente criticado por torcida e imprensa.

Em entrevista ao jornalista Tim Bontemps, da ESPN, logo após o Jogo 5 das semifinais da Conferência Leste, Brad Stevens assumiu a responsabilidade pelo desempenho desastroso do Boston Celtics na série contra o Milwaukee Bucks e admitiu que o ano foi difícil, não só para ele, mas para toda o elenco celta, que não conseguiu corresponder às expectativas em quadra. Ao mesmo tempo em que negou qualquer problema entre os atletas do Celtics no vestiário, Stevens não soube dizer o motivo desse suposto bom ambiente não se transformar em resultados expressivos.

“Eu sou o primeiro a dizer que, em qualquer outro ano em que fui treinador, certamente esse foi o mais difícil. Eu acho que fiz um trabalho ruim. Então, eu vou mergulhar fundo em como posso ser melhor. Eu entendo que não atingimos as expectativas e realmente pedalamos uma montanha-russa durante o ano todo, e foi difícil. Mas eu acho, e falei isso aos jogadores, que eles mostraram muito caráter em momentos diferentes para voltarem e ficarem juntos. Eu disse desde o início, é ótimo quando eles estão juntos no vestiário, mas não encontramos essa união jogando juntos, assim como esperávamos”, lamentou o treinador do Celtics.

Mesmo com a embaraçosa eliminação precoce nos playoffs, o Boston Celtics não sinaliza qualquer mudança na comissão técnica para a temporada 2019/2020 da NBA, que começa em outubro. O elenco celta, entretanto, deve passar por mudanças profundas, principalmente em caso de saída do armador Kyrie Irving, que se tornará agente livre no dia 1º de julho.

Publicidade

Gustavo Arruda
Gustavo Arruda
Gustavo, 27 anos, é maranhense de São Luís, estudante de Jornalismo e repórter esportivo do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011. Nas horas vagas, é goleiro, armador, tio do João Gabriel e dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

1 Comentário

  1. Publicidade

  2. Fernando Silva disse:

    As coisas vão sendo reveladas aos poucos.

    Nunca saberemos o clima real daquele vestiário.

    Smart disse que a questão com KI era bobagem.

    Já Rozier confirmou que havia problema extra quadra:

    “Todo mundo estava correndo como galinhas sem cabeça”.

    “O treinador estava em uma posição difícil, uma das posições difíceis, lidando com caras cheio de personalidade, jogadores que são all-stars, caras recebendo muito dinheiro, caras tentando ser pagos. É difícil”.

    Ufa! acabou a season! Acho que esta é a sensação de uma parte da comissão e jogadores.

    Sim, Stevens, o trabalho não foi bom.

    Como está não dá para ficar. A torcida celta vaiando o time, aí tem.

    4

    1

Deixe um comentário