Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Prévia da Temporada 2014-15

O que podemos esperar do Boston Celtics na nova temporada da NBA?

Campanha em 2013-2014

Campanha: 25 vitórias e 57 derrotas
Colocação geral: 26º lugar
Colocação na conferência leste: 12º lugar
Colocação na divisão do atlântico: 4º lugar

Elenco Atual

PosiçãoTitularReservaBanco
PGRajon RondoMarcus SmartPhil Pressey
SGAvery BradleyMarcus ThorntonJames Young
SFJeff GreenEvan TurnerGerald Wallace
PFJared SullingerBrandon BassDwight Powell
CKelly OlynykTyler ZellerVitor Faverani

Direção Técnica

Gerente Geral: Danny Ainge
Treinador Principal:
Brad Stevens
Assistentes Técnicos: Jamie Young, Jay Larranaga, Walter McCarty, Micah Shrewsberry
Instrutor Atlético: Ed Lacerte
Treinador de Força e Condicionamento: Bryan Doo

Transações

Quem chegou: Marcus Smart (6ª escolha do draft de 2014), James Young (17ª escolha do draft de 2014), Evan Turner (agente livre), Dwight Powell (em troca com o Cavaliers) e Marcus Thornton e Tyler Zeller (em troca tripla com Cavaliers e Nets).
Quem saiu: Joel Anthony (em troca com o Pistons), Keith Bogans (em troca com o Cavaliers), Kris Humphries (em troca com os Wizards), Jerry Bayless (agente livre) e Chris Babb e Chris Johnson (dispensados).

A equipe

Depois de boas movimentações na última intertemporada, fazendo bom uso de exceções comerciais e contratos expirantes, a franquia de Boston aspira uma melhor colocação nesta temporada, e, principalmente, almeja maximizar o desenvolvimento de suas jovens promessas.

O elenco atual possui opções melhores em todas as posições, em relação à temporada passada, quando ficou com a 12ª colocação da conferência. E os reforços adquiridos aumentam não só a capacidade geral da equipe, como também aumentam seu potencial, por tratar-se de um grupo extremamente jovem e com grande projeção de crescimento.

O perímetro

O perímetro do Boston Celtics é um dos melhores da conferência leste. Tem ótimas opções, com características distintas e bastante profundidade. Assim, Brad Stevens tem um leque gigantesco de possibilidades de formações para colocar em quadra, todas elas bem equilibradas e que mostraram-se bastante eficientes durante a pré-temporada.

Rajon Rondo

Médias 2013-2014: 11,7 pontos, 9,8 assistências, 5,5 rebotes

Rajon Rondo é o melhor armador da conferência leste. Seu contrato de 13 milhões de dólares é expirante e, desta forma, jogará o máximo de seu basquete durante a temporada regular, para maximizar seu próximo contrato. Inclusive, seu agente já deixou claro que o jogador vai em busca de um contrato máximo na próxima intertemporada, e, para isto, Rajon Rondo deverá elevar seu desempenho e seu números.

Suas médias da última temporada passaram despercebidas por muitos, mas indicam algumas coisas interessantes. Apesar de estar voltando gradativamente de uma lesão grave e de ter jogado menos minutos que o normal, sua pontuação manteve-se nas médias da carreira. O grande desempenho nas assistências também foi similar aos seus anos de all-star. Já nos rebotes, Rondo mostrou que continua evoluindo no quesito e registrou seu melhor desempenho de carreira na estatística. Mas o número mais animador foi o de arremessos de três pontos convertidos por jogo na última temporada: 0,9. Este desempenho é 3 vezes melhor que seu melhor desempenho anterior na carreira.

Isto mostra que Rondo vem trabalhando muito para melhorar seu tiro longo, algo em que fora muito criticado nas temporadas anteriores. Em compensação, registrou seu pior desempenho em roubos de bola da carreira. Estes números vem decrescendo nos últimos 2 anos, coincidentemente quando veio a ascensão de Avery Bradley. Mesmo assim, sua defesa pode voltar ao desempenhos de épocas anteriores, o que tornaria a dupla Rondo-Bradley na melhor dupla de armadores da conferência na extremidade defensiva.

Apesar do discurso otimista, Rajon Rondo tem tido muitos problemas físicos nas últimas temporadas. Sua última temporada completa foi em 2009-2010, em seu primeiro ano de all-star, quando fez 81 jogos (poupado no último jogo da temporada). Nos anos seguintes, sempre perdeu mais do que 10 jogos. Em 2010-2011 perdeu 14 jogos. Em 2011-2012 perdeu 13 jogos. Em 2012-2013 perdeu 44 jogos. E em 2013-2014 perdeu 52 jogos. Saudável ele pode voltar ao jogo das estrelas e levar esse Boston Celtics muito longe. Mas devemos ser cautelosos com sua saúde física.

O texto “2014/2015: a temporada mais importante da carreira de Rondo” aprofunda ainda mais as expectativas sobre o jogador para esta temporada.

Avery Bradley

Médias em 2013-2014: 14,9 pontos, 39,5% de aproveitamento em bolas de 3

Avery Bradley é sabidamente um dos melhores defensores de perímetro da liga. Um marcador incansável, chato e sempre muito bem posicionado, nunca deixa seus adversários arremessarem bolas fáceis. É um especialista de defesa. Ou era. Nesta última temporada mostrou melhoras significativas em seu arremesso de longa distância.

Teve sua primeira temporada na carreira de dígitos duplos em pontuação, subindo de 9,2 pontos por jogo para incríveis 14,9 pontos por jogo. Seu arremesso paradinho e equilibrado é fatal. E com um armador como Rajon Rondo ao seu lado, que cria espaço onde não há, essa capacidade de pontuação será ainda mais maximizada. Na pré-temporada, mostrou que pode também criar seus próprios arremessos em algumas circunstâncias. Deve explodir em pontuação nesta temporada.

Em contrapartida, é outro que vem tendo problemas físicos frequentes, principalmente um problema crônico no ombro. Ele objetiva jogar todas as partidas da temporada e figurar nos times de defesa da temporada. Estando saudável, é candidato forte para tal.

Jeff Green

Médias em 2013-2014: 16,9 pontos, 4,6 rebotes

Dele se espera protagonismo, mas sempre decepciona. É um jogador fadado a ser um grande coadjuvante, e nada mais que isso. A volta de Rajon Rondo deve ajudar Green esta temporada, já que o armador deve voltar a assumir esse papel de protagonismo da equipe. E é neste fato que mora minha esperança de uma grande temporada de Green. Ele será um grande coadjuvante da equipe, e as expectativas sobre ele serão menores do que na temporada passada. Terá menos pressão sobre seus ombros do que na última temporada e desta forma, espera-se que seu desempenho estabilize em algo dentro da sua realidade.

Green é um grande arremessador. Seu arremesso equilibrado beira a perfeição. E como já fora citado anteriormente, Rajon Rondo consegue maximizar a capacidade de arremesso de cada um de seus companheiros, pois tem uma visão de jogo impressionante e sempre acha seus companheiros desmarcados e equilibrados, para que pontuem com maior facilidade. Desta forma, Green deve ter a bola muito menos vezes em suas mãos, sem necessidade de decidir a maioria dos ataques e pontuará muito em arremessos livres e equilibrados.

Green poderá também ser muito utilizado como ala-pivô, em formações mais baixas, com 4 jogadores abertos. Essa formação propicia maiores infiltrações ao condutor da bola (em geral, Rajon Rondo) e acaba abrindo muitos espaços para arremessos livres do perímetro. Por não possuir um garrafão com muitas opções sólidas, a tendência é que o treinador Stevens use essa formações em diversas situações, durante a partida.

Evan Turner

Espera-se que seja o sexto homem da equipe, e como tal, deve ser aquele jogador que mudará o ritmo do jogo. Na época de 76ers, era considerado um dos melhores jogadores da posição, e foi muito bem cotado na votação do jogo das estrelas. Já no Pacers, foi engolido pelo vestiário conturbado da equipe e seu desempenho despencou. Na pré-temporada com o Boston Celtics, teve desempenho satisfatório, mostrando que pode voltar a ser o mesmo jogador da época de 76ers. Foi testado em diversas situações por Brad Stevens, mostrando extrema versatilidade e utilíssimo para o banco de Boston.

Em uma dessas situações, foi utilizado como condutor de bola do ataque, expondo que Stevens imagina utilizá-lo também como reserva de Rajon Rondo, ainda mais que o mesmo pode não começar a temporada devido a uma contusão na mão. Enfim, Evan Turner entra nesta temporada como uma incógnita, mas devido a seu contrato barato, pode tornar-se em uma das contratações mais vantajosas da temporada.

Marcus Thornton

Toda equipe da NBA precisa de um peladeiro nato. Aquele jogador que não passa a bola, comete inúmeros erros, mas que pontua como ninguém, acertando arremessos de qualquer lugar da quadra. Spurs foi campeão com Patty Mills, Clippers tem o 2 vezes sexto-homem da liga Jamal Crawford e o Thunder tem o melhor peladeiro da liga: Russel Westbrook. Celtics já teve peladeiros como Nate Robinson e Jordan Crawford recentemente. O termo parece pejorativo, mas não é. Os peladeiros são importantíssimos na NBA, e estão aos montes por aí. Indiana Pacers sentiu falta de um peladeiro reserva de George Hill, e com um jogador assim poderia ter ido mais longe.

Isto posto, Thornton é um baita peladeiro. Um cara que pode pontuar feito all-star e errar feito pivô calouro. Será extremamente útil em muitas partidas em que o Celtics estiver atrás. Além disso, seu contrato é expirante e busca um contrato melhor na próxima intertemporada. Uma descrição mais extensa e proporcionalmente interessante do que podemos esperar de Thornton nesta temporada, está no artigo “O valor do subestimado Marcus Thornton”.

Marcus Smart

É calouro e, desta forma, devemos ter muito paciência com o garoto. É um jogador com um potencial absurdo, e não por acaso, foi convidado para o centro de treinamentos da seleção dos Estados Unidos no meio do ano. Sua defesa é sensacional e já consegue defender muito bem qualquer jogador profissional. Seu arremesso é inconstante e precisa ser melhor trabalhado e também comete muitos erros, o que é normal para estreantes na NBA. Espera-se muito dele no futuro. No presente, devemos apenas observar sua evolução natural. Dada sua ética de trabalho e sua alta competitividade, deve evoluir absurdamente e nos dará muitas alegrias já nesta temporada.

Gerald Wallace

Sua principal função esta temporada será a de mentor para os jovens. Terá poucos minutos em quadra, e se dividirá entre ala e ala-pivô, dependendo da formação em que for inserido. Já foi all-star e um defensor de elite, e sempre foi reconhecido por sua grande ética de trabalho e alta competitividade. Hoje, no declínio de sua carreira, sabe muito bem seu papel nesse elenco e exercerá-lho com maestria.

Phil Pressey

A diretoria de Boston aposta muito no potencial deste jovem. Mostrou boas coisas na Summer League e nos jogos da temporada passada. É um armador que prioriza os passes para os companheiros (característica semelhante a Rajon Rondo) e tem uma defesa muito boa e um bom arremesso de perímetro. Deve jogar alguns jogos na liga de desenvolvimento, para adquirir experiência.

James Young

Outro jovem com um potencial absurdo. Está menos preparado para jogar com os profissionais do que o companheiro, também calouro, Marcus Smart. É um grande arremessador e isso pode ser muito bem explorado durante os poucos minutos que deve jogar durante a temporada. Pode jogar tanto como ala-armador como como ala. Deve jogar muitos minutos na liga de desenvolvimento para adquirir experiência e tempo de quadra que não terá no time de Boston.

O garrafão

Se o perímetro de Boston é extremamente animador, o garrafão deixa muito a desejar. A equipe de Boston sente muita falta de um pivô de qualidade. As opções para a posição não tem muita experiência na NBA, não são grandes defensores de garrafão, e isso acaba prejudicando muito o desempenho do setor e torna o time muito vulnerável na defesa.

Já na posição de ala-pivô, há opções de grande qualidade e com enorme potencial. Não sabemos como estes opostos irão se comportar, e jogadores como Sullinger e Olynyk, com potencial absurdo na posição de ala-pivô, serão muito utilizados na posição de pivô, e poderão ter seu desenvolvimento prejudicado por causa disso. Resta saber como Stevens vai proceder no caso. De qualquer forma, a procura por um pivô de qualidade deve ser tratada com grande prioridade para a próxima temporada, para que o desempenho deste setor, e dos alas-pivôs de Boston sejam maximizados.

Jared Sullinger

Médias em 2013-2014: 13,3 pontos, 8,1 rebotes

Jared Sullinger é o melhor jogador de garrafão da equipe. É a única opção de qualidade para as duas posições. Mas sua posição original, e onde possui o melhor desempenho, é a posição de ala-pivô. Resta saber em qual das duas posições Brad Stevens pretende utilizá-lo. As partidas da pré-temporada indicaram uma tendência em Sullinger jogar de ala-pivô.

Sullinger é indicado por muitos especialistas como grande candidato ao prêmio de jogador de maior evolução da temporada. E faz todo o sentido, afinal, seu potencial e sua evolução nas duas intertemporadas o credenciam para isto. Sullinger tem apenas 22 anos e vem de uma boa temporada passada. É um jogador de garrafão que espaça muito bem a quadra, tem ótimo arremesso de média distância e um bom arremesso de 3 pontos que vem melhorando a cada dia, tendo feito 1 bola de 3 por 36 minutos na última temporada.

O aproveitamento de Sullinger nas bolas longas e nos lances livres é invejável para um jogador de garrafão. Briga muito dentro do garrafão e faz bom uso de seu corpo e de seu bom posicionamento para pegar inúmeros rebotes. Não chega a ser um especialista em defesa, mas sua defesa é bem satisfatória, tendo boas leituras defensivas e força para brigar com os adversários. Enfim, trata-se de um jogador completo e um futuro all-star. Minha previsão otimista para esta próxima temporada é de médias de duplo-duplo com pontuação próxima a 20 pontos por jogo e mais de 10 rebotes.

Apesar das grandes qualidades expostas, Sullinger tem tido muitos problemas físicos, muitas vezes motivados por estar acima do peso ideal. Desta forma, espera-se que ele cuide melhor de sua saúde, e se estiver saudável, pode tornar-se o grande jogador que muitos esperam que vá ser. O texto “2014/2015: a temporada de afirmação para Jared Sullinger” aprofunda mais esta necessidade de afirmação do jogador.

Kelly Olynyk

Médias em 2013-2014: 8,7 pontos, 5,2 rebotes e 35,1% nos arremessos longos

Kelly Olynyk é um jogador com arsenal ofensivo absurdo e que está entrando apenas para sua segunda temporada na carreira, mostrando grande potencial. Seu arremesso tem muita qualidade e tem um ótimo aproveitamento. Teve aproveitamento de 35,1% em bolas de 3 pontos, convertendo 1 bola de 3 pontos a cada 36 minutos jogados. Seu aproveitamento de 81,1% em lances livres é sensacional para um jogador de sua posição e é melhor que muito jogador de perímetro da liga. É também o melhor aproveitamento em lances livres do provável time titular de Boston, tornando-o um grande candidato para cobrar os lances livres de faltas técnicas.

Mas, não é só no arremesso em que Olynyk se destaca no ataque. Sua visão de jogo e precisão nos passes é invejável para alguém de sua posição e altura. E isso costuma ser muito útil no ataque e tem sido bem explorado pelo treinador Brad Stevens nas jogadas ofensivas do Celtics. Olynyk também se destaca nos rebotes, nos 2 lados da quadra, pois costuma estar bem posicionado para pegá-los, e, por ser alto, os coleta com facilidade.

Entretanto, Olynyk tem um defeito muito grande, que é sua defesa terrível. Sua estrutura física não o ajuda na defesa, já que é um jogador muito fraco fisicamente e com uma envergadura muito menor que a maioria de seus adversários. É facilmente envolvido em jogadas de post, por jogadores mais fortes que ele. Seu trabalho de pernas na defesa é muito fraco, tornando-o presa fácil para jogadores mais ágeis. Deixa muitos espaços dentro do garrafão, pois tem muitos lapsos de desatenção durante movimentações dos adversários e erra muitas rotações defensivas.

Suas reações na defesa são muito lentas e possui péssimas leituras defensivas, fazendo com que seja facilmente envolvido por jogadas de pick-and-roll.  Desta forma, há muita coisa a ser trabalhada neste jogador para que se torne um defensor no mínimo razoável e por isto, o garrafão celta não oferecerá muitas dificuldades a penetrações dos adversários nesta temporada.

Brandon Bass

É um jogador subestimado por muitos. Seu arremesso é muito bom para um ala-pivô, e há notícias de que ele vem trabalhando para também tornar-se um arremessador de 3 pontos confiável. É o melhor defensor de garrafão da equipe e desta forma, deve ajudar muito na rotação do setor. Outro fator que deve maximizar seu desempenho nesta temporada é o fato de ter um contrato expirante, e assim, jogará seu máximo para atrair equipes interessadas em seu basquete, tanto para um troca durante a temporada, como para assinar um novo contrato quando for agente livre ao fim de seu atual compromisso. Sugiro a leitura de “Bad Ass Bass”, onde é definida melhor a grande utilidade deste jogador para esta temporada.

Tyler Zeller

Muito se esperava de Zeller nesta pré-temporada, afinal, todo pivô que desembarca em Boston chega cheio de expectativa sobre si. Zeller chegou empolgado pela chance que recebeu de jogar numa franquia tão vencedora. Ele trabalhou toda a intertemporada para ganhar peso e assim poder enfrentar de igual para igual os pivôs mais fortes da liga. Mas tudo deu errado. Com o ganho de peso, Zeller ficou bem mais lento e foi facilmente envolvido pelos adversários que enfrentou na pré-temporada. Seu ataque não chega nem perto da qualidade de seus companheiros de garrafão e sua defesa, que já não era muito boa em Cleveland (mas bem melhor que a de Olynyk), piorou consideravelmente por ter ficado mais lento. Espera-se, entretanto, que Zeller se acostume com o novo corpo e que volte a ser o jogador de Cleveland e, por ser jovem, deve evoluir seu jogo. Assim, pode ser que volte a ganhar força na rotação da posição.

Vitor Faverani

O brasileiro é uma verdadeira incógnita para esta temporada. Ele começou de maneira impressionante na última temporada e acabou tendo uma queda drástica de desempenho e, por isso, foi enviado ao Maine Red Claws, equipe afiliada dos Celtics na liga de desenvolvimento da NBA. Depois de ser reintegrado ao elenco dos Celtics e voltar a impressionar nos treinamentos, Faverani teve uma lesão grave no menisco do joelho e teve que fazer uma cirurgia. Nesta pré-temporada, seu joelho mostrou não estar totalmente recuperado e o gaúcho voltou a fazer novo procedimento em seu joelho lesionado, mas desta vez, bem mais simples que o anterior. Vitor deve voltar a treinar no mês de novembro e poderá voltar a jogar apenas em dezembro, segundo informações. Deste ponto, seu desempenho é completamente imprevisível.

Dwight Powell

Powell é simplesmente a maior surpresa desta pré-temporada. Chegou como contrapeso na troca que levou Keith Bogans ao Cavaliers e era tido como uma dispensa certa antes da pré-temporada começar. Durante a pré-temporada, o jogador foi diversas vezes elogiado pelo treinador Brad Stevens, que sempre destacava sua ética de trabalho. E com as movimentações feitas durante a pré-temporada, Powell conseguiu a confiança de todos e manteve-se na equipe. O jogador é um ala de força muito alto e com grande envergadura, e possui boa mobilidade e força para brigar dentro do garrafão. Seu arremesso e rebotes tem bom nível e o jovem possui um grande teto de evolução. Desta forma, parece que a aposta da comissão técnica é em um jogador comprometido e que pode desenvolver-se para ser um jogador útil no futuro. Agora, o ideal é observar como o garoto vai se comportar daqui por diante.

Previsão

11º lugar na conferência leste

A principal carência do elenco de Boston é a posição de pivô. E a próxima classe de draft tem muitos talentos para a posição. Na busca por um desses pivôs prospectos, uma colocação ruim é extremamente conveniente. Mas acredito que a equipe de Boston dará um salto de qualidade nesta temporada, e num leste bem mais enfraquecido em relação ao oeste, disputará vaga nos playoffs até as últimas semanas da temporada. A equipe de Boston é no mínimo muito melhor que Philadelphia 76ers, Milwaukee Bucks e Orlando Magic.

O Brooklyn Nets estará saudável e ficará saudável até o fim da temporada? O Indiana Pacers, com a lesão de Paul George e a saída de Lance Stephenson conseguirá pelo menos manter o desempenho apenas razoável do ataque na temporada passada? Detroit Pistons e New York Knicks encaixarão de cara com seus novos treinadores e suas filosofias? O Atlanta Hawks manterá o pivô Al Horford e ele continuará saudável? Uma boa colocação na conferência leste costuma atrair a atenção dos agente livres da próxima temporada, e muitos deles são pivôs de qualidade, posição esta que é grande carência do time de Boston. Enfim, estou otimista para o desempenho do Boston Celtics esta temporada.

E você leitor?  Acredita que o Boston Celtics pode chegar em que lugar da conferência e da NBA? Pode avançar e melhorar em que aspectos?

Author avatar
Fábio Malet
Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e engenheiro de softwares sênior. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby e pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha NBA desde o começo de 2007 e, pé-quente, viu seu Boston Celtics ser campeão na primeira temporada inteira a que assistiu. Torce também para Grêmio, Tottenham Hotspur, Boston Red Sox e Green Bay Packers.

16 comentários

  1. drakes

    Excelente analise, a única quase certeza que tenho que esse tinha é muito melhor de se assistir que o do ano passado, acho que o mais provável é ficar entre 30 a 32 vitórias na posição 11, na frente de Philadelphia 76ers, Milwaukee Bucks, Orlando Magic e New York Knicks. Eu boto nenhuma fé no time da big apple.

    E uma subida de produção de alguns jogadores como AB, Sullinger, Olynyk quem sabe o Zeller, poderá levar a uma briga pela última vaga dos playoffs com
    o disfuncional Pistons e os cheios de lesões Nets e Pacers.

    • Fábio Malet

      Já eu não boto fé no Pacers… Pra mim, eles que serão os 12º colocados. xD

      Se todo mundo jogar o máximo que pode, e sem lesões, dá pra pegar um 7º, 8º lugar suado.

  2. William

    Posso esta falando alguma merda mais espero que nao vejo um o time do Celtics novo e com muito talento e posso esta enganado mais se tudo der certo essa temporada principalmente sem contusoes eu acredito em uma vaga nos playoffs nem que seja a ultima vaga para offs mais essa temporada vai ser divertida de se ver Let’s Go Celtics.

    • Fábio Malet

      Chegar aos playoffs não seria nada surpreendente. Só ficaria surpreso com mando de quadra mesmo.

      • luiz eduardo

        mando de quadra já é sonhar DEMAIS, isso quase impossível, se pegar offs já vai ser muita coisa

        • Everton Santos

          Pra ter o mando de quadra é bem difícil, mas não impossível e não chega a ser surpreendente se isso acontecer. Se fizermos a melhora campanha na nossa divisão, conseguimos o mando. Lembrando que o melhor time da nossa divisão é o Raptors, que sem dúvidas está um passo a frente da gente, mas que não é essa coca-cola toda.

  3. J

    Cara com esse time saudável, eu aposto em última colocação de offs com todas minhas fichas, pow cara temos um dos melhores armadores de ligas, bom chutadores de perímetros, uma defesa que vem crescendo muito, o único problema é um pivôzao, fora isso, acredito em offs. GOCELTICS!

  4. PHABIO PASSOS

    bem,parabens pelo reportagem e analise, vamos pra nova jornada e torcer bastante pra nossa equipe,espero que pegamos pelo uma das vagas pra playoofs, sera muito bom e importante pra nos…

  5. Danilo Jeolás

    Reporte excelente, parabéns Fábio. Se o Ainge não detonar o plantel durante a temporada, chegaremos na pós-temporada e cairemos na rodada inicial.

    Mas realmente nossa posição 5 é uma piada e mesmo Sullinger e Olynyk agregam apenas de um lado da quadra.

    Somos muito piores do que Cavaliers, Bulls, Raptors e Wizards e piores do que Hornets, Heat e Hawks, esse último com pouca diferença.

    Equilibramos com Pistons, Nets e Knicks e entendo estarmos pouco a frente dos Bucks, que para mim podem ser a grande surpresa da Conferência.

    Quanto a Pacers, Magic e principalmente Sixers, nossa vantagem é considerável.

    Playoffs não é nada utópico, se o Ainge não pensar no próximo recrutamento.

    • Fábio Malet

      Valeu Danilo! E concordo com sua análise. Só coloquei o Celtics à frente dos Bucks, pois a divisão é mais acessível (Bucks enfrenta Cavs 4 vezes e Bulls 4 vezes, e aí conta com no mínimo 6 derrotas) e tem também o Jason Kidd, que pode atacar de professor pardal a qualquer momento. Mas o time é bom e pode surpreender mesmo.

  6. Fernando C S

    Concordo, ótima análise. Minha opinião: na temp passada eu disse que pegaríamos offs. Até que o DA negociou meio mundo para tankar. A equipe desta temp é melhor que aquela que terminou a passada. Não sei se é melhor que a do início da temp passada. Mas algo é certo: não creio que o DA faça desmanche para tankar. Logo temos chance na 7° ou 8° vaga.

  7. […] 2014/2015 da NBA está proporcionando muitas novidades ao Boston Celtics. Insatisfeita em apenas mudar algumas peças do elenco, criar um símbolo secundário e realizar uma pequena alteração no uniforme de visitante, a […]

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.