Agora nos Lakers, Brandon Bass reencontra o Boston Celtics

Além de todos os ingredientes de uma rivalidade histórica, que deve ser intensificada por ser a última partida de Kobe Bryant no TD Garden, o clássico entre Boston Celtics e Los Angeles Lakers, que será disputado na noite desta quarta-feira (30), será marcado por um discreto reencontro: pela primeira vez em cinco temporadas, o ala-pivô Brandon Bass será adversário do Alviverde, e justamente vestindo a camisa do maior rival. Tudo indica que não teremos vídeos sendo transmitidos no telão ou manifestações mais eufóricas dos torcedores, mas o trabalho de Bass em Boston ainda é valorizado por diversos celtas.

Hoje com 30 anos, Brandon Bass chegou ao Boston Celtics em 2011, graças a uma troca com o Orlando Magic, que recebeu o ala-pivô Glen “Big Baby” Davis, reserva na conquista do inesquecível título celta em 2007/2008. Mesmo com o vice-campeonato da Conferência Leste no seu primeiro ano em Massachusetts, Bass não teve muita sorte e acompanhou, de muito perto, o início da reconstrução celta, que teve a saída de Ray Allen, a troca de Paul Pierce e Kevin Garnett com o Brooklyn Nets e a negociação de Rajon Rondo para o Dallas Mavericks como principais movimentações.

Titular na maioria dos jogos, Brandon Bass tinha os arremessos de média distância e o ótimo aproveitamento nos lances livres como marca registrada. Apesar do momento de incertezas no vestiário celta, Bass se consolidou como um dos líderes do elenco, a ponto de ser homenageado com o Troféu Red Auerbach em 2014. Em sua última temporada pelo Boston Celtics, Bass esteve em quadra nos 82 jogos da temporada regular e nas quatro partidas dos playoffs, contra o Cleveland Cavaliers, mas isso não foi o suficiente para garantir sua permanência no Alviverde: agente livre em 2014/2015, Bass viu o seu espaço diminuir em Boston, com a chegada de Amir Johnson e David Lee, e resolveu assinar com o rival Los Angeles Lakers por US$ 6,1 milhões em duas temporadas.

Comandante de Brandon Bass em duas temporadas, Brad Stevens elogiou o veterano e disse que ainda assiste alguns jogos do Los Angeles Lakers para acompanhar o desempenho do ex-camisa 30 celta. “Eu tento (ver os jogos), porque realmente gosto de Brandon. Ele trabalhou duro, nos ajudou a encontrar um caminho certo com sua ética de trabalho, pela forma como cuida de seu corpo e pelo exemplo que deixou aos jovens companheiros de equipe. Agradeço muito pelo período em que esteve com a gente”, destacou o treinador do Celtics.

O ala Evan Turner acompanhou as declarações de Brad Stevens e também lamentou a saída de Bass. Para o camisa 11, o ala-pivô foi importantíssimo na surpreendente campanha do Celtics em 2014/2015. “Ele foi ótimo, cara. Ele é um grande profissional, um grande companheiro de equipe. Fiquei muito triste quando soube que ele não renovaria, mas é um grande profissional, um cara importante no vestiário. Ele sempre tentou se adaptar com a forma que a equipe atuava e foi fundamental para a nossa arrancada até os playoffs”, recordou Turner.

Reserva na rotação do Los Angeles Lakers, já que Larry Nance Jr, Roy Hibbert e Julius Randle contam com a preferência do treinador Byron Scott, Brandon Bass não deve jogar muitos minutos e deve manter, em seu reencontro com o Celtics, a discrição que marcou toda a sua carreira, já que todos os holofotes estarão apontados para Kobe Bryant. Por todos esses detalhes, além da já citada rivalidade, resta saber se a torcida celta deixará passar batida a participação de seu ex-camisa 30 no jogo e se a “lei do ex” atacará no TD Garden.

Gustavo Arruda
Gustavo Arruda
Gustavo, 25 anos, é maranhense de São Luís, estudante de Jornalismo e repórter esportivo do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011. Nas horas vagas, é goleiro, armador, consumidor de danone, tio do João Gabriel e dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

4 Comentários

  1. Francisco Machado disse:

    Grande profissional, foi importantíssimo na arrancada da temporada passada, isso ninguem pode negar.

    0

    0
  2. Danilo Jeolás disse:

    Bass tem boa ética de trabalho e é um jogador importante em rotações minimamente inteligentes. Fez bons jogos pelo Celtics, mesmo com fraco poderio defensivo.

    Para o salário que ganhava, sempre entregou o que se esperava dele.

    0

    0
  3. Ta aí um cara que deveria ter mais respeito e lembrança da torcida.
    Sempre foi regular, sempre com seu arremesso de média distancia calibrado e inclusive no seu último ano, vinha sendo nosso melhor defensor de garrafão.

    Vejo muita gente se agitando pra fazer homenagem pra KOBE??
    Prefiro que role um video do Bass no TD, do que do Kobe.

    0

    0
  4. Fernando C. da Silva disse:

    Kobe merece seus aplausos, Bass também.

    0

    0

Deixe um comentário