Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Celtics 103 x 116 Pistons

O Boston Celtics sofreu, na noite desta quarta-feira (15), uma de suas derrotas mais constrangedoras na temporada 2019/2020 da NBA. Mesmo contando com o apoio de seu fanático torcedor, que lotou o TD Garden, o time verde e branco de Massachusetts teve uma atuação apática nos dois lados da quadra e foi presa fácil para o Detroit Pistons, que não vive um bom momento na competição, mas conquistou merecidamente a vitória por 116 a 103 em Boston.

Talvez pensando na partida seguinte, contra o líder Milwaukee Bucks, ou achando que teria vida fácil diante de um Detroit Pistons que perdeu 12 das últimas 15 partidas que disputou na temporada, o Boston Celtics entrou em quadra em ritmo lento e permitiu que a equipe visitante, com bom aproveitamento no ataque, abrisse vantagem de três pontos no primeiro quarto.

Depois disso, o Celtics conseguiu a virada antes do intervalo e até animou a torcida com bons lances nos primeiros minutos do terceiro quarto, mas o Pistons manteve a intensidade, reassumiu a liderança no placar e abriu 21 pontos de frente em pleno TD Garden, para frustração da torcida celta. No fim das contas, o Celtics ainda cortou um pouco o prejuízo, só que não foi o suficiente para impedir o triunfo de Detroit.

Desfalcado de Jayson Tatum, que foi poupado por causa de dores no joelho, o Boston Celtics contou com boas atuações dos alas Gordon Hayward e Jaylen Brown: enquanto Hayward foi o cestinha celta, com 25 pontos, Brown fez um duplo-duplo, após anotar 24 pontos e pegar 12 rebotes. O armador Kemba Walker, por sua vez, fez 19 pontos, mas teve uma noite pouco inspirada nos arremessos, acertando apenas sete dos 19 arremessos que tentou.

O Detroit Pistons, por sua vez, teve uma atuação brilhante no ataque, com 60,3% de aproveitamento nos arremessos e quatro atletas registrando mais de 20 pontos. O cestinha da franquia de Michigan foi o jovem ala Sekou Doumbouya, autor de 24 pontos, seguido pelo ala Marcus Morris, que saiu do banco de reservas para marcar 23 pontos. O armador Derrick Rose também se destacou, anotando 22 pontos, e o ala-armador ucraniano Svi Mykhailiuk deixou a quadra com 21 pontos. Referência no garrafão do Pistons, o pivô Andre Drummond chegou perto de um triplo-duplo, com 13 pontos, 13 rebotes e sete assistências.

A inesperada derrota para o Detroit Pistons custou caríssimo para o Boston Celtics: além de ser ultrapassado pelo Miami Heat e cair para a terceira colocação da Conferência Leste, o Alviverde perdeu fôlego na perseguição ao líder Milwaukee Bucks. O Celtics venceu 27 dos 39 jogos que disputou na competição e tem 69,2% de aproveitamento. Já o Pistons, com 15 vitórias em 42 partidas e 35,7% de aproveitamento, subiu para o nono lugar do Leste.

O Boston Celtics terá pouco tempo para lamentar o tropeço diante do Detroit Pistons, pois já terá um duelo difícil contra o Milwaukee Bucks, líder isolado do Leste, na noite desta quinta-feira (16), às 22h (horário de Brasília), no Fiserv Forum. O Pistons terá uma vida mais tranquila e só volta a jogar neste sábado (18), às 21h30, diante do Atlanta Hawks, na State Farm Arena.

Destaques do Celtics

Gordon Hayward (25 pontos e sete rebotes)

Jaylen Brown (24 pontos e 12 rebotes / duplo-duplo)

Kemba Walker (19 pontos, dois rebotes, duas assistências e duas roubadas de bola)

Destaques do Pistons

Sekou Doumbouya (24 pontos e dois rebotes)

Marcus Morris (23 pontos, dois rebotes, duas assistências e duas roubadas de bola)

Andre Drummond (13 pontos, 13 rebotes e sete assistências / duplo-duplo)

Author avatar
Gustavo Arruda
Gustavo, 28 anos, é maranhense de São Luís, jornalista formado pela UFMA e repórter do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011, com mais de 1.700 textos publicados. Nas horas vagas, é goleiro, armador, tio do João Gabriel e da Alice, e também dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

9 comentários

  1. drakes

    Fazendo uma reformulação de projeções, o time chega entre 4 e 5 colocado, diria até que acho que as maiores porcentagens são de não passar da primeira rodada. Time precisa de um ala e um armador reserva pelo menos para temporada para dar uma alavancada pelas semis.

    Mas, o jogo de ontem foi decepcionante, vc nota que o time titular até é bom, mas perde intensidade pela fraqueza do banco.

  2. Claudio

    Infelizmente o meu masoquismo me fez assistir o jogo até o início do 4Q, depois de tantos turnovers bizarros, notadamente a saída no fundo do grande Wanamaker (21 minutos) com o pé dentro da quadra, a covardia de Grant Williams quando teve a chance de atirar de 3, livre, faltando 1 segundo e tentou não sei o que e levou um toco desmoralizante e finalmente, no 3Q, você vê uma rotação em quadra onde o jogador mais alto era o Jaylem Brown, eu me pergunto: que projeto de técnico é esse? Que dá a menor minutagem ao melhor jogador titular do time no jogo (Gordon Hayward), Daniel Theis não conta, é café com leite e insiste descaradamente em Wanamaker e Ojeleye. Outra coisa, essa conversa que novato só presta depois de no mínimo 2 anos de NBA é balela, quando o novato é bom e tem personalidade, tem que jogar mesmo, exemplos não faltam, o próprio Tatum e o Brown, Ja Morant, Doncic, Thybulle, JJJ; Brandon Clarke, Mitchell, Trae Young, PJ Washington, M. Bridges e tantos outros, e aí me lembro que nossa melhor escolha do draft tem contrato de mão dupla, tem muita personalidade e o pouco que joga só dá alegria, Tremont Walters. Com relação ao jogo de hoje, o Boston pode até vencer, vai que acerta tudo de 3, quem sabe! Vamos sonhar.

  3. R2

    Acho que seria o Markief e não Marcus Morris

  4. R2

    Quanto ao jogo, dei uma desanimada com esse time. Somos um time desequilibrado, com 3 grandes jogadores para 2 posições (Tatum, Gh e Brown), um garrafão abaixo da média e um banco fraco.
    Melhoramos como grupo nessa temporada, mas pioramos muito no geral

    • Claudio

      O garrafão não é abaixo da média, é muito fraco e o banco não é fraco, é tenebroso, temos 4 jogadores de nível all star e 1 defensor de elite, e só.

      • Fernando Silva

        Concordo, exceto com “é só”.

        Temos muito.

        Mas as carências estão evidentes.

        Os adversários aproveitam. Principalmente quando não entramos focados ou temos algum desfalque.

  5. Marcos Pastich

    Ao eu ver, esse começo com vitórias acabou sendo um pouco prejudicial a equipe como um todo. Começamos a acreditar que seria possível ir mais longe do que realmente poderíamos. Quando esse time foi montado, era consenso que estávamos em reconstrução após um fiasco do time de18/19 que julgávamos ter condições para chegar na Final da NBA. Aí começamos bem a temporada e a empolgação foi tomando conta de todos. Agora, estamos no nível em que acreditávamos estar quando esse time foi montado. E estamos muito decepcionados! Não vou nem entrar nos méritos do que precisamos ou não. Estou apenas falando do sentimento de frustração que está tomando conta de todos. Acredito que esse time é para isso mesmo… Semis de conferência. Não acredito que serão feitas mudanças nessa janela (nas últimas temporadas mexemos muito pouco antes do All Star Game). Espero que no fim da temporada várias mudanças sejam feitas porque ficou muito claro nosso problema de banco e a falta de bons veteranos nele. Além do Garrafão.

  6. Fernando Silva

    Nenhuma novidade.

    Desde que Stevens iniciou em Boston, cansei de nos ver perder para times fracos.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *