Nuggets 115 x 107 Celtics

A tão comentada e criticada irregularidade do Boston Celtics na temporada 2018/2019 da NBA voltou a dar as caras na noite de segunda-feira (5). Precisando da vitória para encostar nos líderes da Conferência Leste, o time verde e branco de Massachusetts teve um início arrasador diante do Denver Nuggets e deu a impressão de que conquistaria uma vitória sem sustos, mas não foi o que aconteceu: embalado por uma atuação histórica do armador Jamal Murray e contando com o apoio da torcida no Pepsi Center, o time do Colorado aproveitou os “apagões” celtas e conquistou o triunfo por 115 a 107.

Com muita movimentação, troca de passes e excelente aproveitamento nos arremessos, o Boston Celtics não teve dificuldades para abrir 16 pontos de vantagem sobre o Denver Nuggets. No segundo quarto, entretanto, o Alviverde não conseguiu manter o ritmo com a rotação e permitiu uma reação da franquia do Colorado, que foi para o intervalo perdendo por apenas dois pontos. Embalado, o Nuggets manteve a pegada no terceiro quarto e disparou na liderança do jogo, diante de um Celtics que alternava boas e más jogadas. Já no último quarto, o Celtics esboçou uma reação, mas Denver, liderado por Jamal Murray, confirmou a vitória em casa.

Apesar da derrota para o Denver Nuggets, o armador Kyrie Irving mostrou que está em ótima forma e fez uma grande atuação pelo Boston Celtics, anotando 31 pontos e acertando 13 dos 17 arremessos que arriscou na partida. Os principais auxiliares do camisa 11 foram os alas Jaylen Brown e Jayson Tatum, que fizeram 15 pontos cada, mas com atuações diferentes: enquanto Brown mostrou seriedade e melhor seleção de jogadas, Tatum desperdiçou a maioria de suas tentativas na quadra de ataque.

O Denver Nuggets, por sua vez, contou com uma noite inspirada de Jamal Murray. Em 38 minutos, o armador da franquia do Colorado deu muito trabalho ao perímetro do Celtics e anotou 48 pontos, sua melhor marca na carreira. Entre os titulares, outro destaque foi o ala-armador Gary Harris, que fez 13 pontos, mesma marca do ala-pivô reserva Trey Lyles. Referência no garrafão de Denver, o pivô Nikola Jokic foi pouco acionado na quadra de ataque, mas chegou perto de um triplo-duplo, com oito pontos, oito assistências e 10 rebotes.

Sem vencer há duas partidas, o Boston Celtics permanece na quarta colocação da Conferência Leste, com seis vitórias em 10 jogos e 60% de aproveitamento. Já o Denver Nuggets, que atingiu cinco jogos de invencibilidade, continua na vice-liderança da Conferência Oeste: são nove triunfos em 10 duelos e 90% de aproveitamento, atrás apenas do atual campeão Golden State Warriors.
Ainda em meio a uma série de compromissos como visitante na temporada, o Boston Celtics inicia, na noite desta quinta-feira (8), o seu segundo back-to-back nesta edição da liga: a partir das 23h55 (horário de Brasília), o Alviverde encara o Phoenix Suns, na Talking Stick Resort Arena. Enquanto isso, o Denver Nuggets visita o Memphis Grizzlies nesta quarta-feira (7), no FedExForum.

Destaques do Nuggets

Jamal Murray (48 pontos e cinco rebotes)

Gary Harris (13 pontos e cinco rebotes)

Trey Lyles (13 pontos e três rebotes)

Destaques do Celtics

Kyrie Irving (31 pontos, cinco rebotes e cinco assistências)

Jaylen Brown (15 pontos e quatro rebotes)

Jayson Tatum (15 pontos e quatro assistências)

Publicidade

Gustavo Arruda
Gustavo Arruda
Gustavo, 26 anos, é maranhense de São Luís, estudante de Jornalismo e repórter esportivo do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011. Nas horas vagas, é goleiro, armador, consumidor de danone, tio do João Gabriel e dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

5 Comentários

  1. Publicidade

  2. Marco Antônio de Paula disse:

    Defesa precisa de ajustes. Quando um cara faz 48 pontos em cima do time, com certeza houve falha de marcação nesse cara. Stevens precisa acertar esse time.

    0

    0
  3. Lucas Oliveira disse:

    É complicado porque em uma temporada longa você precisa de peças de reposição e porque nos playoffs as coisas mudam, mas me parece que o Rozier rende muito mais quando é titular ou quando lhe é dado mais responsabilidade do que quando é colocado no papel de coadjuvantemente.
    Isso coloca uma grande interrogação se vale a pena ou não renovar com ele (bem como se ele vai querer continuar no papel de coadjuvante)… Enquanto isso, quanto mais próximo a trade-deadline, menor o valor que podemos conseguir em troca.

    3

    0
  4. Erondi Nunes disse:

    Não houve falha ao marcar o Murray, o cara jogava a bola pra cima todo torto caindo e ainda assim acertava. Vários jogadores tiveram atuações absurdas contra o Celtics de Brad Stevens, isso porque a defesa isola o time adversário e ganhamos vários jogos assim, mais as vezes um jogador adversário está virado para lua e destrói. Pode parecer falha (toma 70 do Devin Booker por ex) mais é mérito da defesa em zona q o Brad faz forçando os adversários a jogar no 1x 1

    2

    0
  5. samucarj disse:

    O Brad consegui dar jeito num time do remendado (ano passado), imagina nesse time completo. Não gostamos de perder, mas devemos entender que faz parte, se em janeiro/fevereiro estiver assim ai vou ficar preocupado…

    Acho que devemos começar com mais um homem de garrafão, Morris, Theis ou Baynes. Mas no geral é calma e deixar os caras jogarem!

    3

    0

Deixe um comentário