Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Pistons 98 x 104 Celtics

O quarto (e último) jogo entre Boston Celtics e Detroit Pistons, disputado na noite deste Domingo, pela temporada regular de 2016/2017, já nasceu histórico.

Afinal, o mencionado confronto representou a última partida entre esses históricos rivais, a ser disputada no lendário The Palace of Auburn Hills, casa da franquia de Michigan por quase 30 anos. A partir da temporada 2017/2018, o Pistons realizará seus jogos na Little Caesars Arena, arena que será estreada já em Setembro do corrente ano.

Leia mais:

Celtics x Pistons – Parte 1

Celtics x Pistons – Parte 2

Celtics x Pistons – (Final)

Outro detalhe que deu tom especial a esse jogo, foi a homenagem prestada pelo Detroit Pistons, no intervalo da partida, a um dos jogadores mais importantes de sua história: o ala-armador Richard “Rip” Hamilton, campeão com a equipe em 2004, 3 vezes convocado para o All-Star Game e que marcou mais de 11.000 pontos por Detroit, teve sua camisa aposentada pela franquia.

Agora, o jogo. Fazendo jus ao passado de jogos disputados, que teve craques como Larry Bird, Isiah Thomas, Paul Pierce e Chauncey Billups realizando lances memoráveis, Celtics e Pistons realizaram um jogo que, se não foi de grande nível técnico, foi acirrado do começo ao fim, com diversas trocas de liderança no placar ao longo da noite.

O maior campeão da NBA começou melhor, mostrando um forte jogo coletivo e conseguindo conter o monstro adversário, Andre Drummond, seja para pontuar, seja para pegar rebotes.

O banco celta também apareceu bem, com Terry Rozier e Marcus Smart conseguindo importantes jogadas para Boston. O Celtics parecia disposto a encerrar a sequência de duas derrotas consecutivas.

No entanto, o Pistons não facilitaria a vida do seu rival, sobretudo na noite de Richard Hamilton.

Assim, capitaneados pelo trio Kentavious Caldwell-Pope, Marcus Morris e Andre Drummond, o Pistons ressurgiu das cinzas e tratou de diminuir a vantagem do Celtics, que chegou a estar na frente por 15 pontos em dado momento da partida.

O Celtics sentiu o bom momento da equipe da casa e não soube sair das cordas. Al Horford, aquisição mais cara da história da franquia, segue em seu calvário e não conseguiu ajudar o Celtics nesse difícil momento. O camisa 42 terminou a noite com apenas 4 pontos (2/11 FG) e 9 rebotes.

No quarto final, quando todos esperavam que a franquia fosse salva pelo Mr. 4th quarter (apelido dado a Isaiah Thomas), o Celtics viu seus garotos Marcus Smart e Jaylen Brown, recrutados em 2014 e 2016, respectivamente, virarem homens e trazerem a 38ª vitória para a equipe na atual temporada.

Quando o Pistons vencia o jogo, por 96×95, a pouco mais de 30 segundos para o fim, isso aconteceu:

https://www.youtube.com/watch?v=raoCFFbFbqE

O Celtics, enfrentando a boa defesa adversária, a pressão da torcida local e o relógio, conseguiu fazer com que a bola chegasse a seu camisa 7, que estava em boas condições para o arremesso de longa distância e não decepcionou.

Celtics na frente, 98 x 96. Segundos depois, Marcus Smart conseguiu um importantíssimo rebote ofensivo, obrigando a franquia do Michigan a cometer falta para salvar tempo e sobreviver no jogo. Em vão. O camisa 36 de Boston converteu seus dois lance-livres e deixou sua equipe em confortável situação. O Pistons, desesperado, forçou arremessos de três, mas não conseguiu mais recuperar a liderança.

Desse modo, intrometendo-se na noite de Hamilton, o Celtics também chamou a atenção para si e fez com que o dia de hoje também fosse especial para sua promessa, Jaylen Brown, que acabou realizando o arremesso mais importante de sua curta carreira, até o presente momento, em pleno The Palace of Auburn Hills.

Sem muito tempo para festejar a importante vitória, o Boston Celtics já se prepara para medir forças com o Atlanta Hawks, que visitará o TD Garden na noite desta segunda-feira. O Detroit Pistons, por sua vez, buscará sua recuperação no jogo contra o Portland Trail Blazers, a ser realizado na terça-feira, novamente no Michigan.

Destaques da Partida:

Detroit Pistons:

  • Andre Drummond: 17 pontos (8/13 FG e 1/11 FT’s) e 15 rebotes;
  • Kentavious Caldwell-Pope: 18 pontos, 3 rebotes e 3 assistências;
  • Marcus Morris: 16 pontos (5/15 FG), 10 rebotes e 4 assistências.

Boston Celtics:

  • Jaylen Brown: 13 pontos (5/9 FG) e 5 rebotes;
  • Isaiah Thomas: 33 pontos, 3 assistências, 3 roubos de bola e 2 rebotes;
  • Jae Crowder: 14 pontos, 11 rebotes e 5 assistências
  • Marcus Smart: 14 pontos (5/10 FG), 5 rebotes e 2 assistências.

Melhores Momentos:

https://www.youtube.com/watch?v=mRX5N6Wv1fw

 

Author avatar
Rômulo Portugal
Rômulo é carioca, advogado, e fã de futebol, NBA e NFL. Acompanha o Celtics desde 2003. Seu fanatismo pelo maior campeão da NBA o fez torcer para os demais times de Boston. Como bom carioca, é Vascaíno. Tem Paul Pierce como primeiro e grande ídolo na NBA.

11 comentários

  1. Fernando C Silva

    Acredito que o Brown possa colaborar desde já ofensivamente.

    Ele cresceu muito no período que estamos sem AB.

    Precisamos de mais algumas jogadas com ele.

    E precisamos de um monte de jogadas com AH. Mais mas 10 por jogo…

  2. Acho que, finalmente, tivemos uma escolha de draf importante. Sei que é muito cedo ainda, mas algo me diz que Brown será um jogador de destaque e impacto, basta termos paciência.

    • Marco Ferreira

      O Brown está mais confiante e menos desesperado, isso faz com que ele evolua mais e seja importante nos momentos difíceis, não podemos esquecer que no último quarto contra o Toronto nós simplesmente não jogamos e precisávamos de alguém para assumir a responsa já que o IT estava muito bem marcado, mas ontem o Brown e o Smart mostraram que queriam jogo e nos ajudou muito.

      O desespero é ver jonas jerebko em quadra e os Pistons pegando muitos rebotes ofensivos, tem um lance em que o Morris pegou 3 rebotes seguidos até sofrer a falta e matar os dois lances livres.

  3. Bom, desde a escolha do Brown já digo que entre ele, Smart, Rozier, Young, Hunter, Mickey, Nader, KO, o único dos nossos draftados (1 de 8) que tem talento de verdade e capacidade para ser um jogador de nível da NBA é Jaylen Brown.
    O Smart é role player, claramente.
    Típico jogador que agrada pela dedicação, mas é flopper, baixo pros padrões da Liga, controle de bola não tão bom para jogar de PG e tem um arremesso pavoroso para jogar de SG.

    Voltando ao JB. ele está mais forte e acho que o esquema é continuar usando o cara como scorer, pois ele infiltra bem e sabe cavar faltas.
    Ontem ele ficou mt tempo no banco, na minha opinião, e voltou frio e cometeu várias faltas.
    O Brad fez boa rotação como de costume, embora o Young seja quase insuportável de assistir e o KO parece com a coordenação motora cada vez mais comprometida (ontem ele tentou um giro conduzindo bola fundo-fundo e caiu sentado, até o Renatinho do Sportv rachou o bico)

    Temos um excesso de guards (vem mais um aí) e precisamos melhorar o garrafão.

    Assistindo ao jogo ontem, acho que o Pistons aceita umas duas balas juquinhas pelo Drummond (escolhas média-baixa) e o cara poderia ser útil ao nosso time…
    Ao contrário do DJordan ele tem mecânica de arremesso (mata bola de 3 até) então acho que o lance livre poder ser recuperável até os 50%…

    []s verdes

    • Renato

      Marcos,

      Jaylen Brown e Murray eram meus prediletos para terceira escolha, e acho que Ainge fez bem em selecionar o de mais potencial. Vejo esse garoto sendo destaque daqui a 2 ou 3 temporadas.

      Não concordo sobre o Smart. Ele é diferenciado. Tem uma defesa muito acima da média, é bom reboteiro, tem grande visão de jogo e lance livre na média. De fato seu FG nos 3 pontos podia ser melhor, mas de resto é um jogador para ser titular em várias equipes, no Celtics ele tem o Thomas aí fica difícil.

      Rozier tem lampejos de grande jogador, mas falta regularidade, algo que o Smart encontrou, a definição serve para o Olynyk também.

      O Resto é descarte, exceto o Nader que queria que tivesse uma chance na equipe.

      Não podemos esquecer do Zizic e do Yabuselle que estão jogando fora, mas estão arrebentando.

      Ao contrário do que muitos dizem Ainge está mandando bem nas escolhas.

  4. Francisco Machado

    Brown e Fultz ou Ball serão nosso futuro.

  5. tomas p.

    Mais uma vitória, isso que importa. Jaylen vai brilhar ainda, boto uma fé no garoto
    Quando AB voltar, acho que deveria manter jaylen de titular e passar o crowder pra 4, ta na hora. E amir entrando como segunda unidade.
    Interessante termos levado a batalha dos rebotes ontem,. To sentindo o Al H fora do seu jogo, diferente do começo dá temporada onde me empolguei muito com ele.

  6. Guilherme Varella

    Sofrível ver nossa segunda unidade em quadra, os únicos que vem ajudando do banco é o Smart e Rozier. Faltou buscar algum jogador na TD pra compor o banco

  7. Marco Ferreira

    Galera,
    fui pesquisar um pouco mais sobre o sorteio da ordem do Draft e percebi que garantido mesmo com essa campanha do Nets é a quarta escolha. É assim mesmo que funciona?

    Teremos mais bolinhas para no caso termos a chance de ter uma das 3 primeira escolhas, mas caso isso não aconteça termos a 4º escolha garantida!

    Poderia ser feita uma reportagem falando de como funciona as escolhas no DRAFT e com os 5 possíveis jogadores para a próxima temporada!

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.