Rivers evita comparações com 2008