Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Celtics 114 x 121 Pistons

O Boston Celtics desperdiçou, na noite desta quarta-feira (30), uma grande oportunidade para encostar nos líderes da Conferência Leste na temporada 2016/2017 da NBA. Mesmo jogando diante de sua torcida, no TD Garden, e contando com o retorno do pivô Al Horford, que foi liberado do duelo contra o Miami Heat para acompanhar o nascimento de sua filha, o Alviverde não encontrou um jeito de frear o excelente desempenho ofensivo do Detroit Pistons, que bateu a equipe de Boston por 121 a 114 e se vingou da derrota sofrida diante dos celtas no dia 19 de novembro, no Palace of Auburn Hills.

Com força máxima e o apoio da torcida, o Celtics abriu vantagem nos cinco primeiros minutos de jogo, mas o Pistons reagiu e fechou o primeiro quarto com a liderança no placar. Embalado, o time de Detroit abriu oito pontos de diferença no segundo período e continuou na frente do marcador até o intervalo, apesar da reação celta nos últimos minutos. No segundo tempo, mesmo sofrendo com algumas jogadas do Celtics na quadra de ataque, o Pistons abriu 10 pontos de frente. Já no último quarto, o Boston Celtics ameaçou uma reação e chegou a virar o placar, mas o Pistons, sereno, foi preciso nos arremessos de longa distância, sufocou os donos da casa e confirmou a vitória.

Depois de uma noite sem muito brilho em Miami, o armador Isaiah Thomas se recuperou diante do Detroit Pistons e anotou 27 pontos, com aproveitamento de 50% em 20 arremessos, mas seu desempenho não foi o suficiente para impedir o tropeço do Celtics no TD Garden. O principal auxiliar de Thomas foi o ala-pivô Kelly Olynyk, que saiu do banco de reservas para marcar 19 pontos. Titulares, o ala-armador Avery Bradley e o ala Jae Crowder contribuíram com 14 pontos cada um.

Por outro lado, o Detroit Pistons teve uma atuação muito boa de todo o seu quinteto titular. O maior pontuador foi o ala-armador Kentavious Caldwell-Pope, com 25 pontos, seguido de perto pelo ala Tobias Harris, autor de 21 pontos. O ala-pivô Marcus Morris fez 20 pontos, mesma marca do pivô Andre Drummond, que ainda registrou um duplo-duplo com 17 rebotes. Substituto do lesionado Reggie Jackson na armação, Ish Smith flertou com um triplo-duplo: 19 pontos, oito rebotes e oito assistências. Entre os reservas, destaque para os 12 pontos do ala-pivô Jon Leuer.

Com a derrota no TD Garden, o Boston Celtics permanece na quarta colocação da Conferência Leste, ao lado do Charlotte Hornets, com 10 vitórias em 18 jogos e 55,6% de aproveitamento. Já o Detroit Pistons, que chegou aos 50% de aproveitamento, se consolidou na zona de classificação para os playoffs e subiu para a sétima posição do Leste.

Depois de encarar o Detroit Pistons, o Celtics volta a atuar no TD Garden na noite desta sexta-feira (2), às 22h30 (horário de Brasília), contra o Sacramento Kings. Também nesta sexta, o Pistons enfrenta o Atlanta Hawks, na Philips Arena. Boston e Detroit ainda se enfrentarão mais duas vezes na temporada 2016/2017 da NBA, nos dias 30 de janeiro e 26 de fevereiro.

Destaques do Celtics

Isaiah Thomas (27 pontos e quatro assistências)

Kelly Olynyk (19 pontos e três rebotes)

Avery Bradley (14 pontos e seis rebotes)

Jae Crowder (14 pontos e cinco rebotes)

Destaques do Pistons

Kentavious Caldwell-Pope (25 pontos e cinco rebotes)

Tobias Harris (21 pontos e seis rebotes)

Andre Drummond (20 pontos e 17 rebotes / duplo-duplo)

Marcus Morris (20 pontos e quatro rebotes)

Author avatar
Gustavo Arruda
Gustavo, 28 anos, é maranhense de São Luís, jornalista formado pela UFMA e repórter do Imirante.com. Fanático por esportes, principalmente futebol e basquete, é torcedor celta desde 2003, quando ouviu pela primeira vez o TD Garden lotado entoando "Let's go, Celtics!", e escreve no Celtics Brasil desde julho de 2011, com mais de 1.700 textos publicados. Nas horas vagas, é goleiro, armador, tio do João Gabriel e da Alice, e também dá seus pitacos sobre o maior campeão da NBA no Twitter: @gustavoarruda01.

17 comentários

  1. Esse é o tipo de jogo que não se pode vacilar e perder, não era impossível ter virado esse placar o time tinha totais condições, mas enfim, foco no próximo jogo.

  2. Lucas Oliveira

    Continuando de onde parou o outro tópico, realmente o Smart me irritou ontem com os erros, mas o que mais me incomoda já há algum tempo e já comentei isto antes é que na segunda unidade ninguém mais chama a responsabilidade de fazer o arremesso no buzzer, mesmo sabendo que o Smart é um péssimo shotter e estava em um dia ainda pior.

    Isso ficou muito claro em uma jogada no quarto período onde o Smart havia acabado de errar as duas ultimas jogadas do time, faltavam 10 segundos no relógio e bola rodou por 3 jogadores antes de cair nele (o 4º jogador) faltando 3 segundos para fazer um arremesso contestado com uma consequência óbvia!

    É claro que ele tem responsabilidade e tem que aprender a arremessar melhor (IT deu a sua cota de bolas livres de marcação para ele), mas os seus companheiros tem a mesma ou até mais responsabilidade quando, ao não se sentirem confortáveis para dar o arremesso, simplesmente passam a responsabilidade para o cara que faz apesar de não saber.

    • Também tenho notado isso, tudo bem que Smart tá com péssimo arremesso, tá certo que ele também força os arremessos, mas também a equipe fica naquele jogo de “batata quente” passando a bola e rodando até o tempo acabar e ninguém assume de ir infiltrar ou mesmo arremessar quando estão em condições aceitáveis, então vão no último segundo toca a bola e fala “ti vira aew MJ” é foda assim!

    • Se for pra forçar uma jogada, tenta ao menos cavar uma falta para bater lance livre e deixar o time adversário pendurado, este é outro problema do time, batemos pouco FT, logo não temos infiltrações, as faltas que os times cometem constantemente é no coitado do Isaiah Thomas e um ou outro lance em cavada de arremesso fake( Tipo Wade faz) do perímetro (Isso é raro).

      Alguns dados para ratificar:
      Quem mais bate FT:
      8,8 – Isaiah;
      2,1 – Smart;
      1,6 – Bradley.

      O restante nem vale mencionar, pois fica entre 1,5 a baixo.

      Nosso time não está nada agressivo, nem no ataque nem na defesa. Temporadas passada faltava qualidade técnica, mas sobrava transpiração, tanto que saia o quinteto titular entrava o quinteto reserva e mantinha-se o nível, tanto que muitas vezes ganhamos partida assim, o titular descansava e os reservas nosso ganhavam dos reservas adversários, sempre tínhamos um destaque diferente, hoje eles não marcam com gana, e se não for isaiah ou bradley para carregarem os pontos fica díficil, fora algumas raras exceções.

      • Fernando C Silva

        Patrick concordo com a observação sobre o esforço. As vezes falta colocar a mão na massa mesmo. Ainda não vejo o time com “nojinho” mas desatento, sossegado.

        O reconhecimento, a consideração da equipe como possível finalista da conferência parece que fez mal.

        Se observamos, na season passada isso já acontecia em alguma medida. Enfrentamos o GWS de igual para igual e perdemos dos lanterninhas da conferência.

        Algo similar já aconteceu nesta season.

        É verdade que temos qualidade. Mas nossos jogadores dependem de esforço para serem eficientes. Quando o time entende que tem mais talento que o adversário e que a vitória será consequência da maior qualidade, tomamos sustos.

        Creio que vamos subir de produção e que este problema de salto não comprometa a classificação para os offs.

        Mas se o Stevens pretender algo mais com esta equipe, que forçada ao limite pode sim brigar com os Raptors pela ida ao final da conferência, ele precisa mudar a postura dos atletas.

        Na minha opinião a cobrança, neste caso, deveria partir do Stevens.

        Ok. AB e Jae não estão 100% mas isso não explica todo o problema.

        • Renato

          Não vejo problema de postura, vejo amadurecimento. O Celtics voava na regular e chegava aos offs destruido fisicamente, agora parece que a equipe se economiza melhor, sem forçar lesões desnecessárias e limitação dos atletas.

          Estamos com problemas técnicos, a falta de um center reboteiro na equipe titular e de um scorer vindo do banco.

      • Renato

        Esperava que o Brown fosse esse jogador a buscar faltas, infiltrar com intensidade, mas se escondeu infelizmente.Capacidade ele tem e atleticismo também, mas falta atitude.

    • Renato

      A questão Lucas é que o Smart lidera pela atitude, isso naturalmente faz com que os jogadores jovens do elenco vejam nele o cara de tomar as decisões.

      Rozier tem um perfil semelhante, e até por isso é quem mais arrisca ao lado do próprio Smart.

      Smart tem claras limitações ofensivas, mas tem muita visão de jogo, logo tem que aprender a selecionar melhor os arremessos, quando tiver sozinho tem que tentar mesmo, agora quando tiver vindo em velocidade ou marcado, não adianta arriscar que não tem os fundamentos para acertar, se cair vai ser sorte.

      Tem que cavar faltas indo para bandeja, ou simulando arremessos.

  3. Fernando C Silva

    A diferença é que o Smart, mesmo errando não se esconde. Eu faria o mesmo.

    Penso que cabe ao técnico cobrar ou simplesmente substituir os atletas.

    Estamos com problemas de insegurança na segunda unidade.

  4. Um jogo com mais tentativas de 3 pontos que tentativas de lance-livre não pode ser ganho (não do ponto de vista consistente de defesa que representa os C’s e os Spurs).
    Foi um festival de tiro ao alvo lamentável.
    O Brad também esteve bem omisso nas mexidas.

    Não vamos longe sem trades,

    []s verdes

    • Renato

      Marcos o nosso sistema de jogo e da maioria das equipes modernas da NBA é esse, jogar para bola de 3 pontos. Não acho que fomos mal ontêm nesse sentido, o problema foi a nossa defesa de perímetro que permitiu o Pope, Harris e Morris se consagrarem.

      Concordo com você sem trades ficamos na 1 rodada dos offs.

  5. drakes

    Eu vejo o time ganhando ou perdendo agora, teremos algumas evoluções, por exemplo, o Oly me parece mais acertado na defesa em conjunta e ontem melhorou no ataque.

    A defesa de perímetro falhou de novo, não sabemos o que ocorreu se o Crowder e AB sentiram, os jogadores do Pistons mitaram etc, a verdade é que eles ganharam aí o jogo, soma-se aos rebotes fica difícil ganhar.

    Posso estar enganado, mas se o time quer dar um salto precisa ter um quinteto sólido, com Amir jogando entre 15 minutos a 21 minutos fica complicado, o Celtics precisa de alguma troca aí de um big, um negócio para melhorar o banco com mais pontos até dá uma melhorada, mas para os playoffs não, bem que para mim o Amir fez ano passado um melhor fim de temporada, que a “regular”, já externei a ideia que ele pode ter algum problema físico e fica contido, o problema que o Boston não tem um quinteto tão bom para isso ocorrer e olha que diminui-se o “pace” e também a defesa física que se fez ano passado, hoje é bem mais soft (diminui-se o desgaste).

    Só acho que o Ainge deve medir bem o passo, aposta em uma troca para essa temporada e perde o cap ou espera a FA para conseguir mais uma peça.

    • Renato

      Concordo em tudo que você falou.

      Um time campeão não pode ter Jhonson como titular.

      Em relação ao Ainge, pode ter certeza que ele não vai comprometer o CAP e nem dar ativos de grande porte nessa pausa All Star.
      ~
      Com toda certeza ele fará pelo menos uma trade por um center defensivo, sendo Noel e Caulie Stein os mais realistas.~

      Noel irá custar caro porque o Blazers está de olho e acenou com Crabbe. Diria que o Celtics teria que oferecer Olynyk + Rozier para iniciar um negócio.

      Stein acho que já daria negócio Zeller + uma first pick.

      De qualquer forma em todas as entrevistas o Ainge cita essa questão da falta de rebotes, logo isso deve ser seu maior foco, mas sem comprometer o CAP.
      ~
      Um jogador que tentaria seria o Ibaka, porque como é expirante podemos não ficar com ele na próxima temporada e se der certo seria mais fácil uma extensão.

      Como o Magic afundou, acho viável essa tentativa.

      Bogut também seria uma boa opção pelos mesmos motivos, um aluguel de luxo e se der certo a gente pensa ao fim da temporada.

  6. Gbrunus

    N vi o jogo então n posso falar nada. Então preparei duas trades:
    1- Vucevic:
    http://www.espn.com/nba/tradeMachine?tradeId=jkxrwdo
    (trade acima + 2019 Menphis top 8 protected pick para sacramento)
    Dá para trocar o jerebko por D. Jackson+Green.
    Trocar Jae Crowder por Vucevic parece ser burrice eu sei. Porém hj a melhor moeda de troca é ele, sem falar que o C’s tem o Brown q eu juro q até a temporada que vem se torna mais jogador q o Jae se for titular. O Vucevic trás pontos e Rebs ao time coisas que vem faltando, seria uma boa opição. O Jerebko bom eu tentaria a troca JC + Green + Jackson + Pick Menphis 2019 antes de tentar a JC + Jerbko+ PIck Menphis
    2-Noel
    Noelx + Direito de fazer swap com o Kings em 2019 por Jae Crowder
    Acho q n preciso explicar é chover no molhado.
    —————————————————————————————————
    Motivos:

    Vucevic- Ta deslocado tem muitos bigs no time dele o orlando precisa se livrar de alguem

    Noel- Parece que ele pediu para ser trocado, falou algo assim no Twitter.

  7. Lucas Oliveira

    Só para matar o assunto do jogo e ir para próxima partida… Foi um ótimo jogo!
    E olhando o shot chart do Pistons fica claro que o time conseguiu faze-los chutar muitas bolas de meia distância em posições complicadas, o problema é que elas estavam caindo.
    Lógico que com tantos bons apreciadores e outros tantos entendedores de basquete com competência para fazer ótimas análises em um blog só, sempre procuramos falhas e formas de melhorar o time, mas alguns jogos são mais mérito do adversário do que falha do nosso time, acredito que este tenha sido um destes.
    E que venha o próximo!

  8. Bruno Teixeira

    Foi um bom jogo mas pecamos muito na arte defensiva.

  9. Junior

    Concordo com o lucas e com a maioria de vcs as falhas que o time tem estão claras. Vamos aguarda a movimentaçao do ainge. acho que o que ta faltando é alguém vibrar ao marcar como fazia o garnet que mesmo com o jogo parado não deixava o cara fazer a sexta pro cara não ganhar moral. o próprio crowder fez isso ano passado pedindo vontade ao tome. Isso tem que ser feito para que nossos jogadores façam o seu melhor. Pois terão jogos como o dê ontes que só ganharemos com vontade e que se perdemos saberemos que foi por meritos dos adversários.

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.