Charles Henry Chuck Cooper

Mais um dos grandes jogadores da história do Boston Celtics chega à coluna Craques do Passado! Agora é a vez do primeiro negro a ser draftado na NBA! O jogador que começou e que posteriormente nos trouxe Bill Russell, KC Jones, Kevin Garnett, entre muitos outros

Foi o primeiro homem negro a ser draftado para a NBA, pelo Boston Celtics da National Basketball Association (NBA), em abril de 1950, Chuck Cooper era uma figura modesta que se especializou no jogo ofensivo da equipe e, geralmente, ficou longe dos holofotes. Assim como outros jogadores Afro-Americano na NBA, suas experiências no campeonato foram marcadas, mas não ofuscadas. por uma série de incidentes racistas.

Mais tarde na vida, no entanto, Cooper revelou muitas reações negativas que ele sentia em relação à maneira como foi tratado pelos treinadores e administradores da NBA. “Acredito que mesmo ele sendo o pioneiro na NBA, eu não acho que ele gostou da experiência,” disse a esposa de Cooper, Irva. “Eu acho que foi dolorosa a sua passagem, e ninguém gosta de dor”.

Início no Basquete

Charles Henry Cooper nasceu em 29 de setembro de 1926, em Pittsburgh, Pensilvânia, filho de um carteiro e uma professora. Pittsburgh, na época era uma cidade totalmente segregada, e o jovem Chuck Cooper enfrentou inúmeras restrições sobre onde ele poderia ir e que ele podia fazer. Depois de experimentar o time de basquete na Westinghouse High School, ele quase desistiu quando percebeu que estava sendo forçado a fazer o que os jogadores de basquete, às vezes chamam de “trabalho sujo”, que lutam na defesa abrindo espaço para outros jogadores, mas raramente tem a oportunidade de chutar a bola para cesta.

No entanto, o treinador do Ralph Zahnhiser, disse que Cooper tinha um futuro promissor no basquete e Cooper retornou à equipe.

Jogou pelo West Virginia State College e Duquesne

Como um sênior (veterano) na Westinghouse, Cooper tinha médias de 13 pontos por jogo, pegou o ritmo da escola para o campeonato da cidade de Pittsburgh, e foi escolhido como melhor pivô do torneio.

Junto com vários outros talentosos negros jovens, Cooper dirigiu-se para West Virginia State College, por onde também passou Earl Lloyd. Ele jogou um semestre promissor lá, mas deixou a escola para entrar no exército, no inverno de 1944-45, durante os estágios finais da Segunda Guerra Mundial. Depois de uma turnê na Costa Oeste, Cooper foi atraído de volta para casa, em Pittsburgh e se matriculou na Universidade de Duquesne.

Foi sólida a carreira de Cooper em Duquesne, que atraiu a atenção de olheiros profissionais, que começaram a dar lugar aos seus sonhos de uma carreira no basquete. Ao longo de quatro anos como titular, Cooper acumulou um total histórico escolar de 990 pontos. Ele recebeu várias homenagens durante seu ano sênior de sucesso e levou o time de Duquesne a duas aparições em seguida no National Invitational Tournament (NIT) – antiga final universitária.

Duquesne apoiou o jogador no seu direito de participar, e realizou cancelamentos de jogos com as escolas do Sul que se recusaram a jogar em competições integradas com ele.

Draft

Quando ele se aproximou de formatura em 1950, com um grau de bacharel em educação, Cooper assinou contrato com o famoso time do Harlem Globetrotters, uma equipe toda negra. Sua agilidade e habilidades defensivas e capacidade de “shot-blocking” inspirou o apelido de “Tarzan”. Em 25 de abril de 1950, Cooper foi escolhido na segunda rodada do draft da NBA pelo Boston Celtics. Quando um adjunto salientou que Cooper era negro, Brown (proprietário do Celtics) respondeu que “Negro, xadrez, com listras ou bolinhas”, ele não se importava se era Cooper ou outro jogador negro/branco, incluindo Earl Lloyd, Cooper ou Nat “Sweetwater” Clifton (pivô e companheiro de Cooper no Globetrotters), que também se juntaram à NBA, mas Chuck Cooper foi o primeiro negro selecionado naquele draft.

Carreira no Celtics

Os 1.96m e 95 quilos de Cooper fez sua estréia com o Celtics em 01 de novembro de 1950, e ele passou a temporada de estreia com bons números. Jogou 66 jogos, com 9.5 pontos e 8.5 rebotes por jogo e provocando um renascimento do Celtics. Cooper formou laços com seus companheiros de equipe, incluindo Bob Cousy, com quem, às vezes, saia à noite para ouvir concertos de jazz em Boston. A NBA, principalmente abastecida com graduados da faculdade que se tinham deparado com diversos ambientes, foi um cenário diferente do mundo predominantemente branco que o jogador de beisebol negro Jackie Robinson tinha encontrado, e Cooper não era mais um dos únicos jogadores negros.

Tudo isso fez com que os assédios racistas não se tornassem uma praga constante na carreira de Cooper. “Eu não estava sozinho”, disse. “Eu não tinha que tomar todas as coisas ruins de raças nos meus ombros como Jackie Robinson sofria.” Houve, no entanto, hotéis segregados do Sul que recusaram admitir Cooper, fora os insultos raciais na quadra. Apenas uma vez, em 1952, ele chegou a brigar devido a esses xingamentos, em um jogo contra o Milwaukee Hawks.

A discriminação, no entanto, também vem de formas mais sutis. A produção de pontuação de Cooper declinou em suas próximas três temporadas após seu ano de estréia, atingindo um valor de 3.3 pontos por jogo na temporada 1953-54. Apesar de Cooper no início manifestar satisfação pelo movimento rápido de jogo, mais tarde ele chegou a acreditar que ele estava sendo marginalizado, e que a NBA não estava pronto para ter uma estrela de alta pontuação negra. Embora Cousy e técnico dos Celtics, Red Auerbach contestarem essa idéia, Cooper sentiu que estava novamente fazendo o “trabalho sujo”.

Outros Campeonatos da NBA

Cooper foi negociado para o Hawks Milwaukee para a temporada 1954-55 e ao Fort Wayne (Indiana) Pistons no ano seguinte. Estes movimentos rejuvenesceram a carreira de Cooper temporariamente. Jogou para Fort Wayne, em 1956, mas manteve-se frustrado. Em seguida, ele jogou por um ano com o Harlem Magicians. Depois sofreu uma lesão nas costas em um acidente de carro. Refletindo sobre sua carreira na NBA, e sobre sua frustração com o papel que ele foi convidado para jogar, Cooper disse em uma entrevista: “As pessoas dizem que eu fui muito bem para a década de 50. Mas todos os danos causados a mim foram por dentro. É aí que dói. Minhas dificuldades foram internas, dentro de mim e dentro do sistema que prevaleceu o basquete “.

Durante sua carreira na NBA, Cooper teve um total de 409 partidas, marcando 2.725 pontos para uma média de 6.6 pontos por jogo, com 2.431 rebotes para uma média de 5.9 por jogo, e 733 assistências para uma média de 1.79 por jogo. Como algumas estatísticas não foram mantidas durante aquela época, não se sabe quantos tiros bloqueados e roubos. Esses dados só foram instituídas na NBA até cerca de 20 anos após Cooper parar de jogar.

Vida pós-basquete

A vida de Cooper após o basquetebol foi notável pelo seu nível de compromisso com o ativismo social e pela sua distância, definitivamente, do basquete. Casou duas vezes, primeiro em 1951 e novamente em 1957, o segundo casamento, com Irva Lee, produziu quatro filhos, um deles jogou basquete e, posteriormente, manifestou o desejo de que seu pai o tivesse mais contato com o esporte. Cooper se matriculou em classes de serviço social da Universidade de Minnesota e obteve um mestrado em 1961.

Voltando para Pittsburgh, onde trabalhava, finalmente ascendeu ao cargo de diretor em várias organizações de combate à pobreza do bairro. Ele foi nomeado chefe dos parques da cidade e do departamento de recreação, em 1970, tornando-se o primeiro negro a ser diretor do departamento de Pittsburgh.

Mais tarde ele se mudou para um posto de assuntos urbanos em Pittsburgh National Bank, onde ele liderou o desenvolvimento e programas de ação afirmativa. Ele foi empossado na Pensilvânia Sports Hall of Fame em 1974, e em 1983 a universidade de Duquesne criou um premio chamado Chuck Cooper para homenagear calouros de basquetebol talentosos.

A carreira do jogador de basquete que abriu o caminho para todas as inúmeras estrelas do esporte Africano-Americano, no entanto, foi praticamente esquecida quando ele morreu de câncer no fígado em 02 de maio de 1984, em Pittsburgh.

Educação: Frequentou West Virginia State College, 1944; Duquesne University, Pittsburgh, SC, 1950; Universidade de Minnesota, mestrado em trabalho social, 1961. Serviço Militar: U. S. Marinha, 1945-1946.

Religião: Batista.

Carreira profissional de Basquete: Harlem Globetrotters, (1950); Boston Celtics, (1950-1954); Milwaukee (depois St. Louis) Hawks, (1954-1955); Fort Wayne Pistons, (1955-1956) ; Harlem Magicians, (1956-1957).

Ações fora do Basquete: Ação Comunitária do Pittsburgh (Community Action of Pittsburgh – CAP) como diretor-executivo, (1966-68 / 1971-74); Pittsburgh Ação Comunitária (Pittsburgh Community Action), como coordenador, (1966-1969); Saúde e Bem-Estar Associação de Allegheny County (Health and Welfare Association for Allegheny County), como diretor de planejamento, (1969); Negro Educação Unidade de Emergência (Negro Education Emergency Drive – NEED) (1969-1970). Departamento de Parques e Recreação da cidade de Pittsburgh (Department of City Parks and Recreation), como diretor, (1970-1971); Pittsburgh National Bank, diretor de assuntos urbanos, (1971-1984).

Associações selecionadas: Membro do conselho de administração, em Pittsburgh, including Citizens “Comité Consultivo para a segregação, Urban League, Hospital do Conselho de Western Pennsylvania, os Escoteiros.

Prêmios: Pennsylvania Sports Hall of Fame, em 1974, homenageado pela criação de Chuck Cooper Prêmio para jogadores de basquete na’x’ Duquesne University, 1983.

Carreira de Chuck Cooper em números:
Jogos : 409
Por Jogo: Carreira
Minutos23.27.964
Pontos6.62.725
Rebotes5.92.431
Assistências1.8773

Ficha de Chuck Cooper

Nome: Charles Henry Chuck Cooper

Apelido: Chuck

Nascimento: 29 de setembro de 1929, em Pittsburgh, Pennsylvania (EUA)

Morte: 5 de Fevereiro de 1984, aos 57 anos em Pittsburgh, Pennsylvania, (EUA)

Altura: 1,96 m

Peso: 95 kg

Clube: Boston Celtics (1950-1954), Milwaukee Hawks (1954–1955) e Fort Wayne Pistons (1955–1956)

Número: 11 (Celtics)

Posição: Ala-Armador, Ala

 

Fonte: http://biography.jrank.org/pages/2339/Cooper-Charles-Chuck.html

4 Comments

  1. RFORNER disse:

    Espetacular Guilherme, adoro essas matérias de craques do passado !!!

    0

    0
  2. Marcelo disse:

    Muito bom mesmo.

    Essas décadas foram de uma tensão racial incrível e de momentos de ruptura e ascensão na historia americana.

    0

    0
  3. @PEDRO disse:

    alguem ai poderia explicar melhor o q é draft.

    0

    0
    • Guilherme Camillozzi disse:

      Draft é onde se escolhe os jogadores para entrar na NBA.
      Pick é a escolha do draft, por exemplo, 1º pick = 1ª escolha

      e por ai vai.
      O Cooper foi o primeiro a ser escolhido, draftado. Não foi o primeiro a jogar por uma questão de dia.

      0

      0

Deixe um comentário