Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

A filosofia de ataque de Brad Stevens

Quando olhamos para o elenco do Boston Celtics, notamos uma grande quantidade de jogadores capazes de acertar bolas de 3 pontos.

E tenha certeza: todos eles arriscarão esses tiros de longe.

O treinador Brad Stevens,que é conhecido por ser um dedicado estudioso do jogo de basquete, é um fã declarado de equipes que concentram seus arremessos no garrafão e na zona de 3 pontos. Portanto, tiros de média distância ou outras modalidades de arremesso não são encorajadas pelo treinador celta.

“Se um jogador estiver livre, na zona dos 3 pontos, ele tem que arriscar o arremesso”, disse Stevens. ”Contudo, não é algo que está pré-determinado. É algo que acontece no decorrer do jogo. Não quero o pensamento de ‘Hei! Temos que chutar tantas bolas de 3 por jogo’, ou ‘Hei! Estamos arriscando muito de longe. Temos que controlar’. Não! Tem apenas que jogar basquete e procurar o melhor arremesso. Depois, volta para marcar e, posteriormente, recomeça o ciclo de jogadas”.

O discurso de Stevens é comprovado pelos números da pré-temporada. Até o último jogo de pré-season (ocorrido nessa última 4ª-feira), o Boston Celtics arriscava 29 bolas de 3 pontos, por jogo. Essa estatística coloca o maior campeão da NBA como segunda equipe, ao lado do Cleveland Cavaliers, entre as 30 da NBA, que mais arrisca bolas de longe. A equipe de Boston só perde para o Dallas Mavericks, nesse quesito.

Contra o Brooklyn Nets, na última 4ª-feira, o Celtics arremessou 27 bolas de 3 pontos. Cabe dizer que os prováveis titulares atuaram menos do que o normal. Por exemplo, Avery Bradley, que só atuou por 8 minutos, não arriscou nenhum tiro de 3 pontos.

O camisa 0 de Boston apresentou a média de 4 arremessos de três tentados, por jogo, durante a pré-season. E ele foi apenas o 5º jogador celta nesse quesito, ficando atrás de Marcus Smart (5,5 tentativas), Marcus Thornton (5,1 tentativas), Jeff Green (4,5 tentativas) e James Young (4,5 tentativas). Jared Sullinger arriscou, em média, 3,8 chutes de 3, enquanto o canadense Kelly Olynyk arriscou, em média, 2,9 bolas de 3. Até mesmo Brandon Bass, com 0,5 de média, se aventurou nos tiros de longe. Então, não se surpreenda: o Boston Celtics vai usar e abusar dessa arma durante a temporada regular.

“Eu reconheço que nosso treinador quer que concentremos nossos arremessos nas bolas de 3 pontos e nas jogadas de garrafão”, disse Bradley. ”Eu não sei te dizer se esses números da pré-temporada permanecerão ao longo da regular season, mas é fato que temos muitos arremessadores confiáveis da zona de 3 pontos. Se continuarmos com o aproveitamento que temos apresentado, eu acredito que acertaremos muitas bolas de 3 nos jogos oficiais”.

Avery Bradley também aproveitou para comentar que o ex-treinador celta, Doc Rivers, não compartilhava da mesma filosofia de ataque de Brad Stevens.

“Cada treinador tem seu método de trabalho”, disse Bradley. ”Uma coisa na qual Stevens é obcecado, são as estatísticas. E elas não mentem. Eu entendo que o arremesso de 3 pontos é uma arma mais poderosa e que é algo que eu preciso continuar melhorando. Isso só ajudará ao meu jogo e à minha equipe. Logo, é nesse arremesso que concentrarei grande parte de minhas energias”.

Assim, enquanto o Celtics vai adquirindo, aos poucos, a fama de uma equipe que ama os tiros de 3 pontos, Bradley também faz questão de lembrar que quer que sua equipe permaneça conhecida por ter uma defesa de alta qualidade. A equipe de Boston só permitiu em um jogo, nessa pré-temporada, que seu adversário ultrapassasse a barreira dos 100 pontos.

“O Celtics é conhecido, em toda sua história, por ser uma equipe de forte defesa. É a nossa identidade”, disse Bradley. “E é esse perfil de equipe que buscamos ser; nós queremos ser um time conhecido por sua defesa, e, creio eu, que conseguimos deixar essa imagem na pré-temporada”.

“Nós queremos ser o melhor time defensivo que podemos ser, porque sabemos do nosso potencial e que isso nos aproxima, e muito, de conquistar as vitórias”, finalizou o camisa 0, que caminha para sua 5ª temporada sob o uniforme celta.

Author avatar
Rômulo Portugal
Rômulo é carioca, advogado, e fã de futebol, NBA e NFL. Acompanha o Celtics desde 2003. Seu fanatismo pelo maior campeão da NBA o fez torcer para os demais times de Boston. Como bom carioca, é Vascaíno. Tem Paul Pierce como primeiro e grande ídolo na NBA.

1 comentário

  1. luiz eduardo

    pelo menos nas guardas a nossa defesa é melhor, se tivéssemos um C de respeito já teríamos sem dúvida uma das melhores defesas da NBA

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.