Crônica: Louis Corbett, Celtics, TD Garden e uma lição de vida