Visite nossas Redes Sociais
Curta e siga nossas redes para ter acesso a conteúdos exclusivos, além de manter-se sempre atualizado sobre novos artigos no site.

Especial: Danny Ainge por um dia (4/4)

No último capítulo da série que projeta o futuro próximo da franquia, o colunista Fábio Malet toma o lugar de Danny Ainge por um dia e analisa o que esperar da próxima offseason.

Elenco Atual

No elenco atual há 4 agentes livres irrestritos (Brandon Bass, Jonas Jerebko, Luigi Datome e Shavlik Randolph). Na minha visão, Jerebko, Datome e Randolph devem ser sumariamente dispensados. Por outro lado, tentaria a renovação de contrato de Brandon Bass, mas por um contrato curto e baixo (algo por volta de 5 milhões de dólares em 2015/2016 com uma Team Option no mesmo valor para a temporada 2016/2017). Ou seja, abriria 3 vagas no elenco da equipe.

No elenco ainda há outros 2 jogadores com contratos não-garantidos: Phil Pressey e Jae Crowder. Phil Pressey tem uma Team Option no valor de 1 milhão de dólares. Apesar de gostar do jogador, creio que o mais correto para a 3ª opção de armação seja um veterano em fim de carreira para ser o tutor de Marcus Smart, ou um jovem recrutado na 2ª rodada do próximo draft. Desta forma, o dispensaria.

Já Jae Crowder é um agente livre restrito. Como o jogador vem mostrando um ótimo basquete em Boston, minha ideia aqui seria oferecê-lo um contrato longo e cobrir quaisquer outras ofertas que aparecerem.

Assim, antes da inter-temporada, teríamos 9 jogadores com contratos garantidos (Marcus Smart, Isaiah Thomas, Avery Bradley, Evan Turner, James Young, Gerald Wallace, Jared Sullinger, Kelly Olynyk e Tyler Zeller) totalizando 40,4 milhões de dólares em salários. E com as possíveis renovações de Brandon Bass e Jae Crowder, teríamos algo em torno de 48 milhões de dólares nestes 11 jogadores.

Isto posto, as maiores necessidades do elenco são um ala all-around e um pivô protetor de aro. Nas outras 2 vagas restantes, o ideal seria preenchê-las com um armador e um pivô para o fundo do banco.

Draft

Primeiramente, devemos apresentar as escolhas de draft do Boston Celtics nas próximas temporadas, que são devidamente descritas neste artigo.

O draft é o tema com situação mais indefinida dentre os que serão descritos. Como o objetivo deste espaço é simular o trabalho de um Gerente Geral de uma equipe de NBA, devemos tratar de inúmeros cenários que podem ocorrer a seguir. Assim, resolvi agrupar todas as possibilidades do Celtics no próximo draft em 3 cenários abrangentes, que serão apresentados na sequência.

*Cada prospecto terá em parênteses sua projeção de escolha segundo o Mock Draft 2015 do NBADraft.net, consultado em 3 de março.

Cenário 1: A sorte sorri para nós e temos uma escolha top 3

Minha intenção seria a de conseguir 2 escolhas top 10, para escolher um bom ala e um bom pivô. Essa escolha top3, a escolha do Clippers e escolha(s) de 2ª rodada estariam em jogo para tal.

Pivô: Karl-Anthony Towns (#4), Myles Turner (#7) ou Willie Cauley-Stein (#10)
Ala: Stanley Johnson (#5), Mario Hezonja (#6), Justise Winslow (#8) ou Kelly Oubre (#11)

Cenário 2: A equipe não tem fôlego suficiente para chegar aos playoffs e acaba ficando com uma escolha baixa no top10

Assim como no Cenário 1, minha intenção seria a de conseguir 2 escolhas top 10, para escolher um bom ala e um bom pivô. Desta forma, a escolha do Clippers e uma futura escolha de 1ª rodada estariam em jogo para conseguir uma outra escolha top10, além da nossa.

Pivô: Karl-Anthony Towns (#4), Myles Turner (#7) ou Willie Cauley-Stein (#10)
Ala: Stanley Johnson (#5), Mario Hezonja (#6), Justise Winslow (#8) ou Kelly Oubre (#11)

Cenário 3: A equipe briga até os últimos instantes pela última vaga nos playoffs e fica com uma escolha entre as posições 11 e 15

Neste cenário, o importante é conseguir subir algumas posições dessa escolha, para conseguir um pivô: Willie Cauley-Stein ou Myles Turner (que devem sair no fim do top10 do draft). Para isso, basta usar esta escolha em conjunto de escolha(s) de 2ª rodada (semelhante ao que foi feito para o Celtics subir 3 posições e conseguir o ala-pivô Kelly Olynyk no draft de 2013).

Com a escolha do Clippers (e se preciso, uma escolha de 2ª rodada), escolheria um ala disponível no fim da 1ª rodada. As duas opções viáveis a esta altura e que me agradam mais são Justin Anderson (#22) e Rondae Hollis-Jefferson (#30).

Free Agency

Não me entusiasmo muito com esta Free Agency. O contrato de Gerald Wallace ainda impacta muito na folha salarial, que acaba ainda um pouco engessada e preparada para receber apenas um grande nome.

Seguindo a linha de raciocínio de preencher as características carentes no elenco, temos alguns bons nomes nesta Free Agency nas posições de pivô e ala.

Entre os pivôs, alguns dos nomes disponíveis são Marc Gasol, DeAndre Jordan, Tyson Chandler, Omer Asik e Robin López. Gasol é a única unanimidade desta lista. O pivô espanhol é um pivô completo e que se encaixaria perfeitamente na equipe do Celtics. Ofereceria o contrato máximo a ele sem nem pensar duas vezes, mas infelizmente, a tendência é de que continue em Memphis.

No caso de Tyson Chandler, a maior dúvida fica por conta de sua idade. No Mavericks ele tem mostrado que continua com jogo consistente e é uma ótima opção no presente. Entretanto, apostar em um pivô de 33 anos, nos moldes da reconstrução do Celtics é algo completamente contraditório e desta forma, o descartaria prontamente.

DeAndre Jordan é um dos melhores pivôs da atualidade. Um monstro defensivo, o maior reboteiro da liga, o segundo maior bloqueador da liga e com aproveitamento absurdo em arremessos de quadra, acima dos 70%. É um verdadeiro bruto! Mas há o que se pensar para apostar neste jogador. Seu aproveitamento nos lances livres é terrível, o que torna sua equipe presa fácil de um “hack-a-Jordan”. Além disso, ele será muito supervalorizado nesta agência livre, fazendo com que a equipe que o adquirir pague um contrato alto, acima de seu valor de mercado. E mesmo assim, a equipe do Celtics não é competitiva o suficiente para atrair o jogador, creio, e desta forma, vejo o Celtics com pouquíssimas chances de adquirí-lo.

Quanto a Omer Asik e Robin López, não são maus jogadores, podem ser úteis em muitas equipes que precisam dessa figura do pivô defensivo. Mas no caso do Celtics, prefiro apostar no jovem oriundo do draft, dando-lhe mais bagagem nesta temporada.

Outro pivô agente livre que está longe dos holofotes é Larry Sanders. Após rescindir seu contrato com o Milwaukee Bucks, abrindo mão de mais de metade do dinheiro garantido no acordo, Sanders admitiu sofrer de depressão e transtornos de ansiedade e afirmou que estava parando de jogar basquete para tratar dessas patologias. As doenças reconhecidas pelo jogador são graves enfermidades que debilitam o jogador e que muitas vezes são ignoradas e até alvo de chacota de alguns mal intencionados.

Mas Sanders também deixou claro que, uma vez curado, pretende retornar à NBA. Acho um jogador de enorme talento e que pode dar a volta por cima. Daria um contrato de risco para ele, com contrato parcialmente garantido na temporada 2015-2016 com Teams Options nas próximas temporadas. É um jogador jovem com grande potencial, que protege bem o aro, ótimo defensor e que coleta muitos rebotes. O risco de sua contratação seria minúsculo, afinal seria assinado um contrato de risco com o jogador, mas em dando certo, seria uma grande contratação e um baita ‘steal’.

Já na posição de ala, temos ótimos nomes como Kawhi Leonard, Jimmy Butler, Draymond Green e Tobias Harris. Mas todos eles são agentes livres restritos e suas respectivas equipes devem cobrir qualquer oferta feita aos jogadores. Desta forma, estes nomes devem ser descartados.

Gerald Green e Demarre Carroll são dois bons nomes entre os alas que são agentes livres irrestritos, mas, assim como no caso de Asik e López, preferiria usar a temporada 2015-2016 para dar mais experiência aos jovens e guardar o maior número de ativos e de espaço na folha salarial, para ir com tudo na Free Agency de 2016.

Como citado anteriormente, a Free Agency 2016 possui ótimos nomes que supririam com excelência as necessidades de Boston. Na posição de ala, poderemos ter nomes como LeBron James, Kevin Durant e Nicolas Batum. Já na posição de pivô, teremos como opções Al Horford, Roy Hibbert e Brook López. Com a saída de Gerald Wallace, um espaço gigantesco na folha salarial, muitas escolhas de draft e exceções comerciais, vislumbro uma enorme possibilidade de conseguirmos dois desses nomes supracitados e que seriam o ajuste perfeito para o elenco atual tornar-se em um candidato fortíssimo ao título.

Trocas

Esse é um tema ainda mais difícil de se fazer previsões. Acredito que os jogadores citados acima como bons agentes livres em 2016 possam ser adquiridos durante a próxima temporada, para suas equipes minimizarem as perdas destes jogadores.

Mas e na próxima offseason? Difícil prever quais franquias estarão se livrando de seus jogadores. A única certeza de desmanche é o Philadelphia 76ers que está em uma eterna reconstrução. É possível que o 76ers se livre de um de seus jogadores de garrafão em breve. Nerlens Noel e Joel Embiid são grandes prospectos da posição de pivô, mas que dificilmente poderão jogar juntos. E a intenção da franquia de Philadelphia é a de maximizar o valor deles em uma troca que lhe traga mais escolhas de draft. Ainda mais que, no draft 2015, o 76ers deve selecionar outro jogador de garrafão em um draft cheio deles.

Outras duas equipes que podem liberar bons jogadores, por motivos distintos, são Brooklyn Nets e Golden State Warriors. O Nets pode vir a negociar dois jogadores que podem interessar ao Celtics: Joe Johnson e Brook Lopez. Brook Lopez seria a adição de um pivô all-star que tanto necessitamos. Mas alguns fatores devem ser analisados para a sua vinda, como a extensão de seu contrato, uma análise clínica para atacar a causa de suas inúmeras lesões, bem como o alto preço que o Nets deve exigir.

Joe Johnson é um ótimo ala, que se encaixaria perfeitamente na rotação titular do Celtics. Mas o jogador já tem 33 anos e mostra certo declínio físico. Mesmo assim, continua um excelente pontuador, que cria seu próprio arremesso e possui uma defesa bem aproveitável.

Já o Golden State Warriors possui uma rotação titular consolidada e dadas as renovações de contrato com os titulares Stephen Curry, Klay Thompson e Draymond Green na offseason, a equipe ficará com a folha salarial inchada e poderá se livrar de um de seus veteranos reservas, como Andre Iguodala e David Lee, ambos de 31 anos. Mas Iggy não traz o poder ofensivo que precisamos na ala e Lee não traz a consistência defensiva que necessitsamos no garrafão. Desta forma, não são jogadores que se encaixariam bem no elenco atual do Celtics e suas aquisições seriam bem questionáveis.

Assim, o mercado de trocas pode trazer viabilidade há alguns jogadores que não serão agentes livres em breve, mas como descrito acima, é um cenário de muitas incertezas e inúmeras especulações. Por isso, creio que o único movimento possível para Boston seja um dos pivôs do Philadelphia 76ers, mas em uma negociação que seja vantajosa para ambas as franquias.

Conclusão

Elenco para a temporada 2015-2016:

Armador: Marcus Smart, Isaiah Thomas, [1] Ala-Armador: Avery Bradley, Evan Turner, James Young
Ala: [2], Jae Crowder, Gerald Wallace
Ala-Pivô: Jared Sullinger, Kelly Olynyk, Brandon Bass
Pivô: [3], [4], Tyler Zeller

[1]: A lacuna de terceira opção da armação, atualmente ocupada por Phil Pressey que possui contrato não-garantido, poderia ser preenchida de 3 formas:
– usar uma das escolhas de 2ª rodada do draft de 2015 para selecionar um armador jovem e com grande potencial;
– contratar um veterano agente livre que sirva de tutor para o jovem Marcus Smart (Andre Miller ou Steve Nash); ou
– renovar o contrato do próprio Pressey.

[2]: Ala escolhido no draft, podendo ser uma das opções que citei acima: Stanley Johnson (#5), Mario Hezonja (#6), Justise Winslow (#8), Kelly Oubre (#11),  Justin Anderson (#22) ou Rondae Hollis-Jefferson (#30). No caso dos 2 últimos, que são escolhas mais para o fim da 1ª rodada, Evan Turner se tornaria no titular da ala.

[3]: Pivô escolhido no draft, podendo ser uma das opções que citei acima: Karl-Anthony Towns (#4), Myles Turner (#7) ou Willie Cauley-Stein (#10).

[4]: Larry Sanders via agência livre ou um dos pivôs do 76ers (Noel ou Embiid) via troca

Author avatar
Fábio Malet
Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e engenheiro de softwares sênior. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby e pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha NBA desde o começo de 2007 e, pé-quente, viu seu Boston Celtics ser campeão na primeira temporada inteira a que assistiu. Torce também para Grêmio, Tottenham Hotspur, Boston Red Sox e Green Bay Packers.

10 comentários

  1. Everton Santos

    Hibbert é FA 2015, não? Estou vendo aqui no ESPN GO

  2. drakes

    Não, ele e o David West tem player option.

    Eu achei o plano do Fabio Malet, bem plausível, caso vc não consiga os alvos primários, não sair contratando, por que 2016 tem Lebron, Durant para atrair um número grande de times, deixando os outros bons livres.

  3. Daniel Sandrini

    Acho pessoalmente que devemos nos esforçar muito pra trazer o Leonard, pelo que é especulado, Lebron ficará nos Cavs, Durant irá pra Washington (sua cidade Natal) e Batum não trará o impacto que Leonard trará! Temos que ser ativos e ir atrás dos melhores ativos, então que se ofereça algo máximo a Leonard e tente viabilizar uma troca pelos Jovens do 76ers. Lógico e torcer por uma boa sorte no DRAFT.

  4. Jota

    Como já dito, é bem provável que o Ainge saia dos holofotes para tentar alguém que não tenha concorrência ou briga direta com Lakers e Knicks.

    É difícil saber se o Ainge vai subir no draft, mas nossa luta para conseguir um pivô desde o Perkins tem sido tão grande que eu acho que ele ao menos deveria tentar, como obrigação. Se ele conseguir o Towns ou o Stein nesse draft já sairá bastante vencedor.

    Mas eu vejo que talvez ele não precise entubar duas escolhas do draft de 2015 para isso, a não ser que fosse para subir direto para o top 5 como escrevi na outra postagem. Se ele conseguisse subir a escolha dos Clippers, por exemplo, e draftasse o Frank Kaminsky, acho que já seria um grande up nesse garrafão.

    Celtics poderia draftar um ala com sua própria escolha (Estou torcendo muito que seja o Winslow) e depois draftar o Kaminsky com a escolha dos Clippers, subindo um pouco se fosse preciso entubando escolha de 2 Round.

    Ainge declarou recentemente que prefere e busca big man que saiba jogar dentro e fora do garrafão, inclusive com arremessos de longa distância. Acho que isso deixa claro que muito provavelmente ele vá draftar o Kaminsky que pode trazer tudo isso. Kaminsky, diferente do Olynyk, trás a defesa sólida para o nosso garrafão, jogo ofensivo apurado e experiência de Sênior, de já estar pronto para jogar na NBA!

    Se o Kaminsky sair na escolha dos Clippers para o Celtics seria um steal grande!

    Eu não vejo o Noel como pivô, e eu não sei exatamente porque, simplesmente eu não vejo. Talvez seja por ser franzino demais, o que dá aparência de menos do que parece.Talvez essa negociação com os 76ers seja mesmo pelo Embiid. Acho que eles não irão se desfazer do Noel.

  5. Sander

    Um garrafão com Sully e Embiid eu já ficaria feliz.

  6. Celtics☆

    Para mim neste proximo draft, poderíamos pegar o Myles Turner, acho ele um bom pivô e seria o ideal caso na FA vinhesse um Hibbert ou o Jordan, ele viria do banco e a equipe nao iria perder tanto em rebotes

    Let’s Go Celtics!!!

  7. Marcelo

    Acredito muito no nosso GM….. se não for nessa temporada, será na próxima que entraremos forte…. e continuaremos assim por bastante tempo….

Postar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.