Um olhar profundo sobre Thomas e os rumores a seu respeito

Isaiah Thomas

Publicidade

Isaiah Thomas acaba de sair de uma temporada de nível de MVP, mas bastou o Celtics vencer uma partida sem ele, contra o Cavaliers, no jogo 3 da final do Leste, que a mídia passou a levantar a possibilidade do Celtics negociá-lo. Thomas entrará em seu último ano de contrato com o Celtics, na temporada 2017/2018, e deverá ter um aumento significativo em seu salário.

O fato da mídia explorar este assunto não me surpreende. O jornalismo de hoje vive de visualizações e cliques para manter seu faturamento, de forma que qualquer oportunidade que houver para propagar um assunto polêmico, será muito bem aproveitada.

O que me surpreende, no entanto, são alguns torcedores celtas comprarem esse discurso, que sempre é apresentado de maneira rasa, sem avaliar todos os pontos importantes que tal assunto exige de reflexão.

Foi pensando nisso que resolvi abordar o assunto de forma bem mais profunda do que o que tem-se visto por aí. Desta forma, prepare-se para um texto longo, talvez o mais extenso que você já tenha lido no Celtics Brasil, mas que tenho certeza que vai trazer novos conhecimentos e reflexões para o torcedor celta.

Os argumentos favoráveis à troca

Vamos começar enumerando os argumentos de quem é à favor da troca de Thomas, que são basicamente três (se tiverem mais algum argumento que não conheço, postem nos comentários):

1) Thomas não defende, e uma equipe que quer ser campeã não pode ter essa falha em seu quinteto inicial.

2) Thomas e Bradley só possuem mais um ano de contrato e, ao fim da próxima temporada, vão querer ganhar o máximo, ou próximo disso. Como Thomas não é jogador pra carregar uma franquia, não merece o máximo, o que faz com que trocá-lo agora, antes do período de renovação, seja mais vantajoso.

3) Com a adição de Markelle Fultz no próximo Draft, não precisamos mais de Thomas.

Bom. Existem verdades, mentiras e diversos fatores a serem analisados nessas três informações, e é o que vamos fazer agora:

Ponderações sobre “a defesa”

Thomas é um armador de 1,75 metro e isso lhe rende o apelido carinhoso de “Anão”, afinal ele é o mais baixo jogador em atividade na NBA (empatado com o inexpressivo Kay Felder, do Cleveland Cavaliers) e é um dos mais baixos da história da liga.

Dada essa inferioridade física, é normal que Thomas tenha muitas dificuldades defensivas, principalmente em contestar arremessos de adversários bem mais altos.

Não há como negar que Thomas é o ponto fraco da defesa do Celtics. Ele de fato é. Contudo, a pergunta que não quer calar é: isso impede o Celtics de ser uma equipe competitiva e com boa defesa?

A resposta já foi dada dentro de quadra nos últimos dois anos, e muitas pessoas parecem ignorar isso.

Na temporada passada, Thomas atuou como titular, tendo 32 minutos por partida, como média, apenas 1 minuto a menos que na temporada atual.

Isso não impediu o Celtics de ter a quarta melhor defesa da NBA (103.6 em defensive rating), atrás somente de Spurs, Hawks e Pacers, e a terceira melhor equipe na defesa de arremessos de longa distância (local onde atua Thomas).

Na atual temporada, o Celtics conseguiu, inclusive, melhorar sua defesa para bolas de longa distância, sendo a segunda equipe que melhor defende tal jogada, atrás apenas do Golden State Warriors. No entanto, a eficiência defensiva teve uma queda brusca, despencando para a 13ª posição.

Os motivos dessa queda na defesa são, sempre de maneira rasa e pouco analítica, atribuídas à presença de Thomas na equipe, o que me parece bem injusto, já que a equipe teve uma das melhores defesas no ano anterior, contando com sua presença.

Porém, os reais motivos para essa queda de desempenho são muitos, e não são fáceis de se apontar ou corrigir, caso contrário, Brad Stevens já os teria corrigido.

O primeiro fator que influenciou na queda da defesa coletiva da equipe foi a diminuição da defesa individual praticada pelos alas Avery Bradley e Jae Crowder.

Bradley continua sendo um defensor de elite, mas sua eficácia caiu um pouco em relação aos anos anteriores, muito por culpa do sistema de jogo da equipe, que o sobrecarrega, ao exigir que o camisa 0 seja presença constante no ataque e tenha que auxiliar o garrafão, ajudando a angariar os tão difíceis rebotes.

Com tantas obrigações a serem feitas em quadra, e com um histórico recente de lesões, é natural que Bradley não force tanto sua defesa como nos anos anteriores, a fim de poupar energia para realizar outras atividades que a equipe precisa, o que é inteligente e não deve ser recriminado pela torcida.

Jae Crowder, por outro lado, teve uma queda visível na sua defesa, a qual não conseguimos encontrar muitas explicações. Com uma movimentação de quadra bem inferior à exercida por Bradley, o camisa 99 não tem justificativas para diminuir seu ritmo defensivo.

Suas médias de roubos e tocos diminuíram, aproximadamente, 40% em relação ao ano passado e o aproveitamento de arremessos de seus adversários diretos (matchups) aumentaram consideravelmente.

Outro motivo que levou o Celtics a ter uma queda defensiva foi a mudança, não só de parte do elenco, mas de posicionamento do garrafão celta.

Acostumado a jogar, há anos, como pivô, e sem ter a velocidade de outrora, Al Horford se viu em apuros defensivos, ao ser escalado como PF (ala de força) na equipe de Brad Stevens.

Em um mundo onde o small ball domina a liga e os alas de força, cada vez mais, jogam distante do garrafão, Horford foi presa fácil em muitas partidas, principalmente por não contar com um suporte qualificado ao seu lado, já que seu companheiro de garrafão, Amir Johnson, passou a temporada toda jogando, também de forma improvisada, como pivô, o que lhe rendeu uma de suas piores temporadas na NBA.

No banco de reservas, Olynyk, Zeller e Jerebko também não são os homens capazes de oferecer algum suporte defensivo para Horford.

O resultado disso foi, além de um garrafão convidativo a infiltrações adversárias, uma chuva de rebotes perdidos para os adversários, que conseguiam uma segunda chance de pontuar com frequência assustadora, diminuindo, e muito, a eficácia defensiva celta.

Dito isso, acho que fica claro que Thomas tem seus defeitos defensivos, sim, e eles são bem óbvios e não devem ser negados. Todavia, também fica claro que os problemas de defesa do Celtics vão muito além de sua presença na equipe.

Ponderações sobre “Time campeão precisa de armador que defenda”

Como já falamos e não negamos, Thomas tem uma defesa ruim, muito por culpa de sua pequena estatura, que permite que seus adversários arremessem mais alto do que lhe é possível contestar, o tornando uma presa fácil nesse tipo de jogada.

No entanto, o fato de ser um atleta muito veloz e determinado concede-o algumas ferramentas para minimizar, um pouco, sua desvantagem sobre os adversários.

Dotado de força física anormal para seu tamanho e rápido movimentos de pés, Thomas, variavelmente, tem muito sucesso em se manter a frente de seu oponente, impedindo algumas infiltrações e dificultado a movimentação adversária, o que lhe rendem números defensivos não muito diferentes de vários dos principais armadores da liga.

Com 108,6 de Defensive Rating, Thomas está melhor ranqueado que Kyrie Irving (109,1), atual campeão da NBA, e não possui números muito diferentes de outros grandes armadores da liga, tais como Damian Lillard (108,9), John Wall (107,3), James Harden (107,3), entre outros.

Claro que Defensive Rating é uma estatística que eu julgo mais como coletiva do que individual, pois ela pode ser facilmente distorcida pelos demais companheiros de quadra, mas o fato de o número do camisa 4 de Boston ser semelhante ao de Irving, no ano do título, mostra que não é possível afirmar que a perda defensiva sofrida pelo Celtics, com sua permanência em quadra, o impeça de ser uma equipe competitiva.

Ademais, sabe aquela história de que Thomas não consegue contestar arremessos por conta de seu tamanho?

Bom, isso é verdade, acabamos de falar sobre isso, mas o aproveitamento de arremessos de jogadores marcados por Thomas não tem sido tão maior do que o aproveitamento de matchups de outros grandes armadores da NBA, e os números mostram isso.

Os adversários diretos de Thomas tiveram, na atual temporada, um aproveitamento de 46% nos arremessos de quadra. Ou seja, os matchups de Thomas tiveram um aproveitamento pior quando marcados por ele, do que tiveram contra outros jogadores de elite da posição, como Harden (47%), Wall (46,9%), Irving (46,3%), entre outros.

Tendo em vista esses números defensivos, podemos chegar à conclusão de que Thomas realmente não é um bom defensor, mas também não é o pior defensor da NBA, como é pregado pela mídia e, inclusive, tem números defensivos individuais superiores a outros renomados da posição.

Ponderações sobre “Thomas não merece o máximo”

Contrato máximo é algo que muitos ainda não entendem na NBA.

A palavra “máximo”, as vezes, soa como se fosse algo que só deveria ser dado aos que sejam, definitivamente, os melhores da NBA, mas isso não é o que ocorre, mesmo porque o “máximo” é uma fórmula matemática variável e que difere de jogador para jogador, dependendo de sua longevidade na NBA.

O salário máximo para um atleta saindo de seu primeiro contrato de calouro é um, enquanto o salário máximo para um atleta com mais de 10 anos de liga é outro completamente diferente e substancialmente maior.

Dar um contrato máximo, vai muito além do merecimento de um jogador pelo que ele faz dentro de quadra, ou deixa de fazer.

Eu costumo dizer que o trabalho de um GM é muito diferente do feito em um jogo de videogame, como o NBA2K ou a famosa Trade Machine da ESPN. Um GM tem muitos fatores extra-quadra para se preocupar na hora de assinar um contrato, fazer uma troca ou selecionar um prospecto no Draft. E isso vai desde gerar uma percepção de mercado à preocupação com o ambiente do vestiário, bem como a saúde financeira da franquia.

Há de se entender que Thomas, com toda sua história de vida e de superação – que, inclusive, ganhou novos capítulos dramáticos nestes playoffs -, vem se tornando mais do que um ídolo da torcida celta.

Ele vem, cada dia mais, se tornando famoso e ídolo de vários torcedores gerais de basquete, sejam eles amantes do esporte sem uma franquia preferida ou até mesmo torcedores de rivais.

O resultado disso é que a venda de camisas do Celtics, com seu nome, tem crescido assustadoramente nos últimos meses. A presença da marca Boston Celtics está cada vez mais constante em mídias pelo mundo e os ganhos financeiros da franquia, com isso, são amplamente aumentados.

Dito isso, saiba que os gastos com salário e multas que o Cavaliers teve na atual temporada foram quase o dobro, se comparados aos do Celtics, e o Warriors deve ir pelo mesmo caminho na próxima temporada.

Portanto, se o Celtics quiser fazer frente a essas franquias, injetar dinheiro é o mínimo que deve ser feito na próxima temporada.

Destarte, o que pode ser melhor pra saúde financeira de uma franquia que gasta muito, se não ter um atleta com potencial para retornar grande parte desse investimento com seu marketing?

Dar 30 milhões a Thomas não parece ser muito, perto do que ele pode repor aos cofres da franquia com marketing direto e indireto, e Danny Ainge e Wyc Grousbeck, dono da franquia, sabem muito bem disso, por isso foram rápidos em acabar com os boatos sobre trocar Thomas, reafirmando sua posição de principal membro da franquia hoje e pelos próximos anos.

Contudo, não é só fora de quadra que Thomas faz por merecer tal valor. O All-Star acaba de sair de uma temporada brilhante, na qual foi o terceiro maior cestinha da liga, integrou o segundo time ideal da NBA, e se consolidou como estrela, liderando sua equipe à primeira posição do Leste. Além disso, esteve sempre na conversa para o prêmio de MVP.

A importância de Thomas para o sucesso da equipe de Boston é bem óbvia e pode ser vista tanto a olho nu, para quem observa o time jogar, tanto para quem observa os números.

O Celtics, com Thomas em quadra, possui um ofensive rating de 113.6, ou seja, a cada 100 posses de bola, o Celtics consegue 113.6 pontos, enquanto o defensive rating fica em 108.6. Dessa forma, podemos concluir que, a cada 100 posses de bola com Thomas em quadra, o Celtics faz, em média, 5 pontos a mais do que seu adversário.

Já sem Thomas em quadra, tanto o ofensive rating (99) quanto o defensive rating (99,7) caem consideravelmente, mas o resultado final é que os adversários fazem, em média, 0.7 pontos a mais que o Celtics, a cada 100 posses, o que deixa como incontestável a gigantesca importância do baixinho estar em quadra, para que a equipe alcance seus objetivos.

A NBA funciona da seguinte maneira: se um jogador te faz vitorioso, você paga por isso, do contrário, muitos outros o farão!
Thomas stats

Ponderações sobre “Não é possível renovar com Thomas e Bradley”

Essa afirmação é incorreta. O Celtics pode, sim, renovar com os dois atletas, mesmo se o time estiver sem espaço na folha salarial.

Isso ocorre, pois, o Celtics possui os Bird Rights dos dois atletas, o que permite com que a franquia se utilize de uma exceção comercial chamada “Larry Bird Exception“, para renovar com os atletas, mesmo que não exista espaço nenhum disponível na folha salarial.

O ponto negativo em realizar tal procedimento, é que se você já está utilizando quase toda sua folha salarial e renova com dois atletas, como Thomas e Bradley, pelo salário máximo ou próximo disso, você estará se dispondo a pagar multas altíssimas para a NBA.

De modo bem simplificado, quando você ultrapassa a folha salarial (ou CAP), você tem que pagar dois dólares de multa para cada dólar de salário que tenha ultrapassado o teto salarial definido pela liga.

Ou seja, se o Celtics ultrapassar esse limite em 30 milhões, tem que pagar, para a liga, mais 60 milhões, apenas a título de multa.

Esse é o ponto em que se abre a discussão, se vale a pena, ou não, gastar todo esse dinheiro, ou se negociar Thomas, Bradley ou Smart seriam opções mais viáveis.

Wyc Grousbeck, um dos donos do Celtics, já deu mais de uma entrevista deixando claro que, se Ainge entender que pode montar uma equipe que brigue verdadeiramente pelo título, o mesmo terá carta branca para gastar o que for necessário.

Então, o julgamento de tal procedimento virá com os resultados obtidos na próxima temporada, mas, de toda forma, vocês já sabem, o Celtics pode, sim, renovar com ambos os atletas e isso pode acontecer até mesmo se um novo All-Star se juntar a equipe na próxima Agência Livre.

Ponderações sobre “Com Fultz, não precisamos de Thomas”

Para ponderar sobre tal fato, vamos assumir que o Celtics vai mesmo selecionar o armador Markelle Fultz no próximo Draft, o que ainda não é certo, ainda mais com a possibilidade de trocas surgirem com a pick.

Primeiramente, vamos lembrar que estamos falando de um garoto de 19 anos, que nunca colocou os pés dentro de uma quadra de NBA.

Fultz é extremamente talentoso e é projetado para ser uma estrela, mas muitos outros já foram também assim projetados, e não deram resultado. Nomes como Evan Turner, Hasheem Thabeet, Michael Beasley, O. J. Mayo, Andrea Bargnani, Darko Milicic, Kwame Brown, entre outros, estão aí para nos lembrar disso todos os dias.

Dito isso, o Celtics não pode apoiar todas suas expectativas no jovem armador e não deve fazer um planejamento focado nele. Fultz tem que ser visto como uma peça adicional e não uma peça angular. Se ele não der certo, o Celtics continua sua jornada como uma forte equipe que é. Se ele der certo, então, o céu será o limite.

Tirando isso, devemos nos lembrar que Fultz não é apenas um PG (point-guard), ele é um combo-guard, ou seja, pode jogar nas posições 1 e 2, atuando com ou sem a bola em suas mãos, o que lhe garantirá bons minutos logo de cara, sem prejudicar a minutagem de Thomas.

Marcus Smart (outro que tem seu futuro incerto na franquia) se aproveitou nessa temporada de ter a mesma qualidade para conquistar minutos nas duas posições e, com isso, somar mais do que 30 minutos de média nessa temporada.

Caso Fultz chegue e demonstre a qualidade que se espera logo de cara, não é difícil imaginar que ele alcance minutagem parecida.

Resumindo a situação

Como podemos ver acima, quase todos os argumentos que sugerem que a saída de Thomas possa ser um bom negócio para o Celtics, não parecem ser totalmente relevantes.

Sendo assim, vamos agora fazer um apanhado de tópicos pelos quais a permanência de Thomas é de extrema importância para o futuro da franquia:

1) Horford já declarou, publicamente, que veio ao Celtics por causa de Thomas e Stevens. Trocar Isaiah logo no ano seguinte poderia causar uma grande indisposição com Horford e gerar problemas no ambiente de vestiário da equipe.

2) Trocar um atleta que fez temporada de MVP é um grande recado para os demais Agentes Livres: “Não venham para essa franquia! Trocamos um ídolo da torcida e atual top 5 na corrida pelo MVP. Imagina o que faremos com você, na primeira oportunidade!”

3) Foram 2 anos e meio articulando todo o sistema ofensivo da equipe para trabalhar em cima do Thomas. Trocá-lo nesse momento é o mesmo que jogar fora 2 anos de treinamento e entrosamento e começar tudo do zero.

4) Quase todas as franquias fortes da NBA têm um PG de elite. Isso faz com que uma troca tenha que ser com um time de patamar inferior. Thomas quer ganhar campeonatos, e, portanto, nunca se comprometerá a renovar com uma equipe inferior, o que faz com que o interesse do mercado por ele diminua muito. Quem vai trocar um all star por um cara com um ano de contrato e que não quer renovar?

5) Como dito, Thomas passou do status de ídolo do Celtics para ídolo da NBA. O dinheiro que ele vai colocar no Celtics no ano que vem com venda de camisas deverá ajudar, e muito, o Celtics a pagar as taxas de luxo provenientes de uma provável ultrapassagem no limite do CAP nas próximas temporadas.

6) O esquema tático de Brad Stevens é altamente dependente das bolas de 3 pontos. Thomas terminou a temporada como o quinto jogador que mais converteu arremessos de longa distância na NBA, atrás somente de Stephen Curry, Klay Thompson, James Harden e Eric Gordon.

7) O único jogador do elenco Celta com qualidade para criar seus próprios arremessos, Thomas, também é o único com capacidade de infiltrar e cavar faltas. O baixinho inclusive é mestre em penalizar os adversários nesse tipo de situação, sendo o terceiro jogador da NBA que mais converteu arremessos livres na temporada, e o segundo em aproveitamento no fundamento.

8) Isaiah não figurou na corrida pelo MVP por acaso, ele obteve o sétimo maior PER (Player Efficiency Rating) da temporada, que é uma estatística avançada de alto nível de complexidade e que leva em consideração a soma de desempenhos ofensivos e defensivos dos atletas, sendo considerada uma das estatísticas mais próximas possíveis de se definir a qualidade e o impacto de um atleta em quadra por meio de números. Com um PER de 26.6, Thomas se posicionou logo abaixo de Lebron James, ficando a frente de atletas como Stephen Curry, Chris Paul, Damian Lillard, Jimmy Butler, Kyrie Irving, John Wall, Blake Griffin, Paul George, entre outros.

 

Por fim, se você chegou até este ponto, sem pular nenhuma linha desse texto, PARABÉNS! Você é um guerreiro.

Agora junte suas armas e debata nos comentários abaixo. Tenho certeza que mesmo com tantas informações, há ainda muita gente com opinião contrária à minha, o que é ótimo! Debatam!

Daniel Emiliano
Daniel Emiliano
Daniel é publicitário, web designer e ilustrador residente em Campinas/SP. Em 2008 uniu paixão e profissão e deu vida a um Blog de notícias e opiniões sobre o Boston Celtics.Com ajuda de outros apaixonados o Blog foi tomando proporções inimagináveis e hoje é este Celtics Brasil, o maior site sobre uma equipe da NBA no Brasil.

30 Comentários

  1. Publicidade

  2. Kenderson disse:

    Eficiência pura e destaques notáveis! Parabéns pelo belo trabalho !!!

    0

    0
  3. Paulo Kulsar disse:

    Concordo com tudo! IT será a cara da franquia por um bom tempo, ainda! E conquistará alguns anéis.

    0

    0
  4. Paulo Shimabukuro disse:

    Caracasssss!!!!
    Olha o nível desse texto!!!
    Como seria bom se toda a mídia esportiva fosse profissional assim e avaliasse os assuntos de forma mais profunda e repleta de conteúdo.

    Enquanto isso na tv, temos que aguentar gente parcial e que não entende nada, como o Porto… e “Dr óbvio ” como Agra e Sá.

    Parabéns ao Celtics Brasil!

    0

    0
  5. Andre Frenhane disse:

    Tem mais algum idiota querendo a saída do Thomas? Pegue suas coisas e vá torcer para o Lebron. Está claro que temos que fazer apenas duas alterações no time titular: Crowder e Amir. No lugar do Crowder temos que tentar trazer um All-Star. Para o lugar do Amir não precisamos de All-Star, um reboteiro que faça o jogo sujo já nos ajudará muito, afinal já fomos campeões com Kendrick Perkins e Big Baby.

    0

    0
  6. Felippe Carmello disse:

    ótimo texto, meus parabéns. E concordo, IT é o presente/futuro da franquia, devemos montar um time ainda mais competitivo em volta dele.

    Sem querer comparar, mas Iverson era baixinho também e foi monstruoso.

    0

    0
  7. Francisco Machado disse:

    Belo texto.
    Querendo ou não, foi um “tapa na cara” de muito “torcedor”

    0

    0
  8. Daniel Mello disse:

    Excelente análise! Parabéns! E que IT fique e seja agraciado com ótimos reforços para que possamos voltar a vencer a NBA.

    0

    0
  9. Marco Ferreira disse:

    Excelente texto Daniel Emiliano, esclarece muito para o nosso torcedor que ainda não tem muito conhecimento de como funciona a NBA e como se faz uma franquia vencedora.

    Agora de verdade, não entendo por que ainda discutimos uma troca do IT, nossa preocupação deve girar em torno desse grande jogador que podemos trazer na posição 4 ou 5.

    Gostaria muito que o Celtics Brasil fizesse uma reportagem dos free agents dessas posições e até mesmo possíveis trocas (trocas reais) para reforçarmos este setor.

    Mas mais uma vez parabéns Daniel Emiliano, acredito que com esse texto brilhante colocamos um ponto final nesta discussão sobre trade envolvendo IT.

    0

    0
  10. GM matou a pau com essa análise.

    Parabéns!

    0

    0
  11. Barros disse:

    Se trazer um ala nível Paul George e um ala pivô nível Tristan Thompson, que faça o trabalho sujo e pegue rebotes. O time vai mudar do vinho pro Blue Label, e Thomas tem que ficar, esse baixinho é foda!

    0

    0
  12. Godois disse:

    Já vejo a camisa 4 sendo aposentada caso o celtics consiga o Anel. Me tornei torcedor do celtics por causa do IT. Vê um jogador tão baixo sendo tão grande é algo que sempre me inspira quando entro em quadra

    0

    0
  13. Concordo com a análise, principalmente com a expectativa um tanto exagerada sobre Fultz e a total falta de coerência que seria despejar toda a armação da equipe vindo de uma final de conferência nele.

    Thomas é um jogador fundamental e o ajuste atual de Stevens passa diretamente por ele.

    Já sobre Bradley, não acho que iremos mantê-lo. Valorizou-se muito e hoje é defensor de perímetro de elite na NBA. Terá propostas muito altas e sabemos que Wyc não é muito adepto de desembolsar luxury tax.

    Só não podemos perder de uma vez só Bradley e Smart. Abrindo mão de Avery, o camisa 36 tem que permanecer no plantel.

    0

    0
  14. silvio freitas disse:

    Excelente texto . Parabéns.
    Silvio Freitas

    0

    0
  15. Cristiano Cordeiro disse:

    Ótimo texto e análise.
    No final, tudo é negócio. Vai pesar a grana, o quanto tem de payback. Se aparecer um louco com uma troca indecente, vai ser analisado. Espero que o IT continue e que o Fultz venha. Junto com Smart, Rozier e Brown, teremos o melhor elenco nas posições 1 e 2, e olha que Smart e Brown podem jogar até de 3…. O futuro promete, mas precisamos de um scorer e de um big man.

    0

    0
  16. Gustavo Miglioretti disse:

    era melhor ser surdo do que ouvir o ‘especialista’ jorge de sá tratando o Isaiah como uma simples moeda de troca!

    e o cara recebe pra isso, e ainda tava no TD Garden trabalhando. Vida é injusta mesmo

    Midia americana também tratou ele como uma moeda de troca e torcedor do Celtics que concordou com isso só mostra que nao assistiu a temporada. Grande matéria

    0

    0
  17. Sander disse:

    Parabéns mano! Texto top!

    Thomas é a cara dos Celtics hj. Trocar o cara é assinar a sentença de burro.
    Draftar o Fultz será excelente banco para o Thomas e o Bradley em primeiro momento, nessa história quem vai acabar sobrando é o Rozier.

    0

    0
  18. Rossini disse:

    Como ja falaram ai, não pq nem debater a possibilidade de troca

    0

    0
  19. Leandro silva disse:

    Muito bom texto.O pessoal poderia fazer também um artigo sobre possiveis aquisições do Boston celtics,suposições sobre trocas,quem poderia vir e quem poderia sair,com quais jogadores disponiveis na FA o Celtics saltaria pra tentar o Titulo junto com Cavs,Golden, tipo essas coisas…

    0

    0
  20. João Gabriel disse:

    Daniel eh mto monstro.

    0

    0
  21. Excelente texto e vai ao encontro sobre o que eu penso da importância de Isaiah Thomas para o Celtics. A maior preocupação dos nossos adversários nos playoffs foi somente ‘como parar Isaiah Thomas’. Nenhuma equipe se preocupou com os demais jogadores do Celtics. Tirá-lo agora da equipe é destruir toda essa base sólida que foi construída e que agora sim será reforçada com as aquisições que virão. Precisamos de continuidade e Thomas simboliza isso na atualidade.

    0

    0
  22. Leo77 disse:

    Acho q nem há mais o q falar, a temporada do IT foi absurda e maravilhosa, ja estou ansioso pela próxima temporada, com o baixinho é claro!

    0

    0
  23. Everaldo Cerqueira disse:

    Muito bom texto!
    Nada de desfazer do nosso FP! O Thomas tem que permanecer ppr aqui, ganhar títulos e terminar com a camisa 4 sendo aposentada!
    Precisamos mesmo é de reforços… Temos que aproveitar o draft e a free agency pra trazer fultz, gordon hayward e chris bosh!!! Se conseguirmos cooptar essas peças por negociação direta, aí o Celtão da massa vai pra as cabeças na próxima temporada!

    0

    0
  24. DANIEL DA SILVA SOUZA disse:

    Cara, eu sou muito fã do Isaiah Thomas. É pra mim também a permanência dele no Celtics é muito importante. Ótimo texto de explicação sobre esse assunto, um abração.

    0

    0
  25. Matheus disse:

    Thomas tem 28 anos, ano que vem, em seu último ano de contrato terá 29. Se receber o máximo será um contrato de 5 anos (se não me engano), e terá esse contrato até seus 34 anos, o que para um jogador pequeno e que depende muito do físico pode ser um problema pq vai começar a faltar perna, a não ser que ele seja um Lebron James menor da vida. Essa é minha única ressalva com relação a um máximo para o Thomas.

    Quanto aos que ficam falando que quem quer a troca do Thomas são burros, não são torcedores de verdade e tudo mais, não tem nem muito o que falar, só que deveriam aprender a conviver melhor com pessoas de pensamento diferente…

    0

    0
    • Eu acho que é o contrário, Matheus.
      O fato de ele ser menor e mais leve, porém com grande força física, deve prolongar a sua carreira.

      O próprio Thomas já disse que sua intenção é jogar na NBA até os 40 anos.

      O que sabemos, é que o ápice dos atletas de basquete costumam ser entre os 27 e os 32, sendo assim o novo contrato do Thomas pegaria 3 anos desse ápice e mais um ano garantido fora desse ápice.

      O quinto ano de contrato não deve ser garantido, o que da um respaldo ao Celtics, caso Thomas tenha uma queda de desempenho até lá.

      0

      0
  26. Fernando C Silva disse:

    Daniel, sobre o texto foi perfeito.

    Não foi longo, ao contrário, foi claro e uma leitura leve, objetiva.

    Sobre o IT vou resumir meu pensamento, exposto algumas vezes durante a temporada: não sentimos falta do Rondo!!!

    Quem em sã consciência, hoje, trocaria IT pelo Rondo?

    Lebron, KD, Curry, Barba e IT, na minha opinião eis os melhores jogadores da liga.

    IT defende mal? Eu vi bons trabalhos contra armadores.

    Que culpa ele tem se o adversário promove diversas trocas ofensivas até posicionar um PF contra IT?

    Cabe à nossa defesa promover as trocas defensivas correspondentes.

    E neste ponto constatamos que Crowder e Amir deixaram de auxiliar.

    Certamente foi a pior temporada de Amir na NBA.

    Quanto ao Crowder, sinceramente não comparei os números antes e depois do jogo contra o Jazz. Mas fiquei com a impressão de que, depois dos aplausos ao jogador de Utah…

    IT, AB, AH.
    Smart, KO.

    Nestes não podemos mexer. Trata-se da identidade da nossa equipe.

    Rozier foi muito bem e gosto do garoto. Mas se draftarmos o Fultz, tendo o Smart e se aparecer uma trade…

    Zeller, Jerebko, Mickey, Young (a paciência já deu), Crowder, Amir, no meu entendimento são role players.

    Amir, penso que chegou ao final da sua passagem em Boston. Ficarei surpreso em ve-lo completar a próxima season conosco. Perdeu lugar no time para KO.

    Crowder: qual deles veremos em quadra? O da season passada ou desta?

    E aquele jogador cheio de energia na marcação, focado, disciplinado, aguerrido? Onde foi parar? Perdeu-se nos aplausos ao adversário?

    Se tivessemos o Crowder da season passada e IT saudável, perderíamos para os Cavs, mas talvez por 4×3.

    Eu vi Smart, com menos ferramentas fisicas, peitar o Lebron. Esperava bem mais do Crowder neste aspecto.

    Enxergava Crowder como um símbolo do Celtics Pride. Vi este sentimento em Smart .

    Uma pena!

    Zeller: esteve conosco desde o início da reconstrução. As vezes penso que Stevens poderia aproveita-lo melhor.

    Mas é fato que não se trata do jogador que precisamos.

    0

    0
  27. Paulo Sérgio disse:

    Gente por aí fala de Davies.

    Pra ter o Davies temos que dar o Thomas, Bradley, Smart, Brown, Fultz e mais o TD Garden é ainda receber aquele salário indecente dele. Não podemos fazer loucuras e perder a base da equipe.

    0

    0
  28. Pablo disse:

    Eu como torcedor fanatico do Celtics me senti insultado humilhado ao escutar o apresentador do sportv jorge de sá falar que isaiah thomas poderia ser cogitado como moeda de troca . Como se ele nao fosse nada um absurdo. Otimo texto parabéns.

    0

    0

Deixe um comentário